Portugal quer que 30% do seu espaço marítimo seja área protegida até 2030

Com este novo compromisso, os oceanos deixam de ser uma vítima do aquecimento global e passam a ser uma solução. O documento foi assinado, esta segunda-feira, por 14 países durante uma reunião à Cimeira do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque.

Portugal é um dos 14 países que assinaram um compromisso para uma ação climática com base no oceano, incluindo no plano de ação está urgência em classificar 30% do seu espaço marítimo como área protegida até 2030 e garantir que 10% da energia consumida no país seja produzida através de eólicas offshore ou através da energia das ondas, avança o jornal Público.

O documento foi assinado esta segunda-feira, durante uma reunião do Painel de Alto Nível para uma Economia do Oceano Sustentável (High Level Panel for a Sustainable Ocean Economy) que está reunido em Nova Iorque à margem da Cimeira do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU). Na lista de assinantes, para além de António Costa, constam os representantes da Noruega, Austrália, Japão, Quénia, México, Namíbia, Chile, Indonésia, Palau, Fiji, Gana, Canadá e Jamaica. Todos juntos representam cerca de 30% da linha costeira mundial, 30% das Zonas Económicas Exclusivas globais ou 20% da frota de navios em todo o mundo.

De acordo com o jornal Público, entre os compromissos mais emblemáticos assumidos por Portugal está a intenção de classificar 30% do espaço marítimo nacional como áreas marinhas protegidas (AMP) até 2030, ou seja aumentar os esforços que já haviam sido assumidos anteriormente. Atualmente, as AMP ocupam apenas 7% do espaço marítimo nacional e em junho, por ocasião da Conferência das Nações Unidas para o Oceano, Portugal apresentou como compromisso a classificação de pelo menos 14% do espaço marítimo sob jurisdição nacional como área marinha protegida. Agora pretende duplicar essa área e chegar as 30% em apenas uma década.

Um outro compromisso assinado por Portugal é garantir que, até 2030, 10% da electricidade consumida por Portugal tenha por base a energia eólica e das ondas offshore em plataformas flutuantes. O documento visa desenvolver um modelo de financiamento sustentável de forma a que as energias renováveis ​​oceânicas sejam capazes de suprir 25% do consumo anual nacional de electricidade podendo, assim, substituir quase todo o carvão no mix nacional de electricidade.

Assim, cada um dos assinantes do documento comprometeu-se com medidas concretas para desenvolver na próxima década, reconhecendo o oceano como uma das principais fontes de soluções, pelo seu papel fulcral no combate às alterações climáticas, nomeadamente como regulador climático do planeta ou pelo grande poder de absorção de CO2.

Recomendadas

Governo investiu 388 milhões de euros ao abrigo do Fundo Ambiental em 2019

O Fundo Ambiental foi criado em 2016, entrando em vigor em 2017, para apoiar políticas de desenvolvimento sustentável, contribuindo para o cumprimento de compromissos nacionais e internacionais, relativos às alterações climáticas, aos recursos hídricos, aos resíduos, à conservação da natureza e à biodiversidade.

Presidência da Eurorregião Alentejo-Algarve transita para a Andaluzia

O presidente Junta da Andaluzia, Juan Moreno, lidera agora a eurorregião Alentejo-Algarve-Andaluzia – a designada EuroAAA -, defendendo que esta estrutura deve ter maior ambição na Europa. Já anunciou que quer albergar a próxima Cimeira Ibérica Espanha-Portugal

Conferência que começou como acidente quer mudar as cidades

“Depois de anunciarmos, alugámos um espaço onde cabiam 200 pessoas mas nunca pensámos encher. No fim, acabámos com mais de mil pessoas de mais de 30 países”, afirma o fundador do projeto.
Comentários