Portugal quer reforçar posição na Agência Internacional de Energia Atómica

O ministro Manuel Heitor propôs hoje desenvolver o campus nuclear de Loures como um centro regional da AIEA para estimular a cooperação científica no ensino superior.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior anunciou, esta segunda-feira, o interesse de Portugal em reforçar plataformas internacionais de I&D e formação avançada na área da Física e das aplicações nucleares de elevada segurança.

Manuel Heitor afirmou, na Cimeira Ministerial associada à Conferência Internacional sobre Segurança Nuclear, que decorre em Viena, Áustria, que Portugal está interessado em reforçar a posição na AIEA de forma a desenvolver a capacidade existente no campus nuclear de Loures. Ou seja, fazer dele um “centro de formação, investigação e apoio a aplicações nucleares seguras” orientado para as futuras gerações de profissionais de aplicações nucleares, com ênfase no setor da saúde.

O objetivo é, segundo explica o Ministério em comunicado de imprensa, promover este campus em estreita interação com a estratégia da AIEA para o desenvolvimento de centros regionais e trabalhar em parceria com governos europeus e africanos e atores industriais em todo o mundo. A sua concretização está prevista para os próximos dois anos, em estreita colaboração com o Instituto Superior Técnico e o Município de Loures.

Portugal está empenhado em promover a cooperação científica e tecnológica multilateral em sistemas complexos de engenharia e ciências físicas para uma abordagem integrada de aplicações nucleares seguras, juntamente com os métodos emergentes de ciência dos dados para a governação de riscos, sublinha o comunicado.

O documento acrescenta que Portugal está igualmente empenhado em ajudar a AIEA “a promover a medicina nuclear e práticas associadas de saúde, como práticas seguras e fiáveis, bem como a garantir a sua disponibilidade a nível mundial em todos os sistemas de saúde”.

Recomendadas

Porto de Sines integra o maior evento ibérico sobre gás natural

Segundo os responsáveis do porto alentejano, este congresso “tem como objetivo debater temáticas relacionadas com gás natural e gases renováveis, procurando encontrar respostas para os atuais desafios do setor dos transportes”.

“É obrigatório insistir nos objetivos do Pacto Ecológico Europeu”, diz secretária de Estado do Ambiente

Inês dos Santos Costa referiu esta quarta-feira que os decisores políticos e empresariais, cientistas e estudantes têm a responsabilidade de defender um modelo económico ambientalmente responsável e socialmente inclusivo. Declarações proferidas na ‘Portugal Smart Cities Summit 2020, que decorre até quinta-feira no Centro de Congressos de Lisboa e que conta com o Jornal Económico como media partner.

ERSE garante estar disponível para ajudar a “ultrapassar todas as barreiras” na transição para a energia limpa

O diretor de Infraestruturas e Redes da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos considera que a inovação permite garantir “a segurança de abastecimento, a concorrência e a sustentabilidade do planeta através da descarbonização”. Margarida Ramires, uma das responsáveis da lei que criou o autoconsumo coletivo e as comunidades de energia, apelou a que as unidades agrícolas repensem a forma de consumir energia.
Comentários