Portugal sobe sete posições no ranking mundial de talento e está entre os 20 primeiros

Este ranking, desenvolvido pelo World Competitiveness Center do IMD (International Institute for Management Development), conta com a colaboração exclusiva, em Portugal, da Porto Business School.

Jason Reed/Reuters

Portugal sobe sete lugares e encontra-se na décima sétima posição no ranking “World Talent Ranking 2018“, registando aumentos significativos em duas das dimensões avaliadas para a elaboração desta tabela.

Publicado pelo IMD World Competitiveness Centre do IMD (International Institute for Management Development), o World Talent Ranking, baseia-se no desempenho dos países em três categorias principais: investimento e desenvolvimento do talento local, atratividade e aptidão/nível de preparação do país.

No que concerne ao investimento e desenvolvimento do talento a nível nacional, Portugal mantém a posição alcançada em 2017 – 7ª posição no ranking dos 63 países avaliados – figurando entre os dez primeiros do ranking, nesta categoria. Já no que diz respeito à capacidade de atração de talento, regista uma subida de sete posições, relativamente a 2017. A subida mais expressiva diz respeito à categoria que avalia o nível de preparação, em que Portugal sobe nove lugares, passando a ocupar a 22ª posição.

Nesta 5ª edição do World Talent Ranking, os países da Europa dominam o top 10 com exceção do Canadá que ocupa a 5ª posição. A Suíça, na primeira posição, e a Dinamarca na segunda posição lideram destacadamente este ranking, seguidos pela Noruega, Áustria e Holanda.

A Noruega sobe quatro lugares, em relação ao ano passado, e entra no top 10 deste ano, graças à melhoria em indicadores como gastos públicos em educação e a disponibilidade da sua retenção de talentos. Canadá, Finlândia, Suécia, Luxemburgo e Alemanha completam o top 10. Em comum, estes países têm os grandes investimentos na educação e a sua qualidade de vida.

Relacionadas

Reitores promovem convenção para preparar próxima década do ensino superior

O Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) anunciou a organização em 2019 de uma convenção que tem como objetivo ultrapassar “uma década de estagnação” e construir uma “nova agenda” para 2020-2030 que fortaleça o ensino superior.

Employer Branding: como podem as empresas atrair talento universitário e estrangeiro?

O talento escasseia rapidamente e já não basta colocar anúncios de emprego e esperar pelos candidatos. É neste enquadramento que surge o Employer Branding: reputação de um empregador enquanto local para trabalhar.

“É necessário um choque e tornar o Ensino Superior uma prioridade”

Em entrevista ao Jornal Económico, o presidente do CRUP aponta os maiores problemas das universidades, como o rejuvenescimento da academia, ação social e alojamento para os estudantes, e avança com algumas soluções. Diz que o OE2019 deve ser mais ambicioso.
Recomendadas

Vai de férias? Siga estas dicas para aceder sempre à internet em segurança

“Uma das dicas fundamentais é não visitar qualquer site confidencial, serviços bancários ou de comércio online onde os pagamentos são feitos por rede aberta”, explica a empresa Sophos Iberia.

Famílias já podem pedir os passes para viajar em Lisboa

O Governo tinha prometido que os passes chegavam no mês de julho mas os responsáveis tiveram de estudar a forma como iriam interligar estes mesmos passes, e só conseguiram que o passe para as famílias chegasse em agosto.

Empregos de secretariado: recrutamentos crescem e idade dos recrutados também

Raquel Afonso conta ao Jornal Económico como se tornou Executive Assistant do Gabinete da Presidência do Estádio do Sport Lisboa e Benfica – Porta 18. Em Portugal, segundo a Michael Page, os fundos de investimento imobiliário, sociedades de advogados e multinacionais tecnológicas lideram recrutamentos na área do secretariado.
Comentários