Portugal soma mais de 8,4 mil milhões em fusões e aquisições de empresas até novembro

As operações de M&A aumentaram nos primeiros 11 meses do ano, em termos homólogos, mas as compras no setor Imobiliário nacional tiveram uma retração de 2%, segundo o Transactional Track Record.

O mercado transacional português deverá fechar o ano em linha com os valores de 2018. Portugal registou 346 negócios de fusões e aquisições (M&A) entre os meses de janeiro e novembro de 2019, o que representa um aumento de 8,5% comparativamente ao mesmo período do ano passado.

Nos primeiros 11 meses do ano, 130 operações tiveram os seus valores divulgados, somando 8,4 mil milhões de euros, menos 7% em termos homólogos, segundo os dados do Transactional Track Record (TTR). Só o mês passado foram mapeadas 21 transações (menos cinco do que em novembro de 2018), num valor total de 143,89 milhões de euros.

À semelhança do que tem vindo a acontecer, os setores Imobiliário e Tecnológico continuam a ser ‘os reis e senhores’ das operações de M&A em Portugal. No entanto, desta vez, os negócios das casas e escritórios apresentam uma ligeira retração de 2% em número de deals. Por outro lado, a Tecnologia cresceu 27%, para 52 operações. Um dos segmentos que também se destacou foi o Financeiro, com uma subida de 15% em número (38 operações).

Os dois principais negócios ibéricos de novembro foram a aquisição de 50,1% da Ebury por parte do Santander [Espanha] e a conclusão da venda da Partex à PTTEP pela Fundação Calouste Gulbenkian [Portugal].

Entre as empresas estrangeiras investiram em organizações com sede em Portugal (cross-border inbound) lideraram, neste período, as espanholas, as norte-americanas e a britânicas. Já as portuguesas optaram principalmente por ir às compras em Espanha, em França e no Brasil.

“Os investimentos realizados por fundos de private equity somaram 33 negócios até novembro, o que representa redução de 15,38% se comparado ao mesmo período de 2018. Em relação aos valores investidos apenas oito destes negócios tiveram valores divulgados que somaram 1,59 mil milhões de euros”, pode ler-se no relatório do TTR.

Ranking de assessores jurídicos (janeiro a novembro 2019)

Sociedade de advogadosValor
Morais Leitão1.432 milhões de euros
RRP Advogados1.052 milhões de euros
Uría Menéndez – Proença de Carvalho658 milhões de euros

 

Ranking de assessores financeiros (janeiro a novembro 2019)

Instituição financeiraValor
J.P. Morgan Chase International Holdings808 milhões de euros
Arcano Partners600 milhões de euros
Mediobanca600 milhões de euros
Banco Santander409 milhões de euros
Ler mais
Recomendadas

Especialistas defendem que união fiscal é chave para a união política europeia

No Webinar “O futuro da União Europeia”, uma iniciativa da Antas da Cunha ECIJA, Ana Gomes defendeu que “as questões da fiscalidade têm de passar a ser assumidas como uma questão europeia. A questão de recursos próprios europeus que dependem de impostos europeus, que não sejam o IVA — temos 50 mil milhões de euros de receitas de IVA por ano a financiarem organizações mafiosas e terroristas”, é importante.

Futuro da Europa vai estar em debate na segunda-feira

Ana Gomes, Isabel Meireles, Pedro Madeira Froufe e Daniela Guimarães vão debater o futuro do projeto europeu, dado o atual momento de incerteza.

Direito dos consumidores a reembolsos por parte das transportadoras aéreas em tempos de pandemia

O objetivo da legislação europeia de permitir uma abordagem coordenada a nível da União acaba por ser posto em causa, quando cada Estado-membro, independentemente do disposto no Regulamento, tem uma abordagem de aplicação prática distinta e até contra legem.
Comentários