Portugal tem 80% da água de que precisa para o verão, garante ministro do Ambiente

Matos Fernandes admitiu, contudo, que nos “pequenos aglomerados” em que a população aumenta durante as festas de verão, “normalmente na raia”, poderá haver falta de água

O ministro do Ambiente afirmou esta terça-feira que o país tem armazenada “80 por cento” da água que precisa para o verão, que deverá “passar-se normalmente” com “fenómenos pontuais de ausência de capacidade das redes municipais”.

João Pedro Matos Fernandes falava aos deputados da comissão parlamentar de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, a quem disse que o “verão parece que não virá a ser tão dramaticamente seco e quente” como se chegou a admitir.

Matos Fernandes afirmou que nos “pequenos aglomerados” em que a população aumenta durante as festas de verão, “normalmente na raia”, poderá haver falta de água.

A albufeira “mais crítica” é a de Monte da Rocha, no concelho de Ourique, que hoje está a 11% da sua capacidade máxima, tal como há quatro meses, o que significa que a chuva só conseguiu repor a água que tem sido utilizada.

Para prevenir as faltas, há que subir o nível de algumas barragens e reforçar o sistema de abastecimento de água, como se fez em Beja e Odemira, adiantou.

Questionado pelo deputado Álvaro Castelo Branco, do CDS-PP, sobre as medidas a longo curso para prevenir situações de seca, Matos Fernandes afirmou que “só há uma solução de longo curso: poupar, consumir menos”.

Ler mais
Recomendadas

“E a Amazónia?” Pulmão do mundo arde há 16 dias. Fumo escureceu céus de São Paulo, a 2.700 quilómetros de distância

O número de focos de incêndios verificados no Brasil é o maior dos últimos sete anos e diversos ativistas acusaram Bolsonaro de estar a silenciar o que está a acontecer. “O pessoal está pedindo para eu colocar o exército para combater. Alguém sabe o tamanho da Amazónia?”, afirmou Bolsonaro.

Ondas de calor, secas extremas, mais chuva: os verões vão mudar completamente com o aquecimento global

O alerta já foi feito pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, em 2018, sobre os impactos da subida da temperatura em 1,5º Celsius. Agora, um novo estudo vem informar que se o percurso das emissões actuais se mantiver, o aumento dos dois graus Celsius poderá ser alcançado em meados deste século com possibilidade de chegar aos três graus Celsius.

Islândia perde primeiro glaciar e realiza funeral para honrar ‘Ok’

“Nos próximos 200 anos, estima-se que todos os nossos glaciares sigam o mesmo caminho. Este monumento serve para reconhecer que nós sabemos o que está a acontecer e o que precisa de ser feito”, lê-se na descrição da placa colocada para honrar Okjökull.
Comentários