Portugal tem 80% da água de que precisa para o verão, garante ministro do Ambiente

Matos Fernandes admitiu, contudo, que nos “pequenos aglomerados” em que a população aumenta durante as festas de verão, “normalmente na raia”, poderá haver falta de água

O ministro do Ambiente afirmou esta terça-feira que o país tem armazenada “80 por cento” da água que precisa para o verão, que deverá “passar-se normalmente” com “fenómenos pontuais de ausência de capacidade das redes municipais”.

João Pedro Matos Fernandes falava aos deputados da comissão parlamentar de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação, a quem disse que o “verão parece que não virá a ser tão dramaticamente seco e quente” como se chegou a admitir.

Matos Fernandes afirmou que nos “pequenos aglomerados” em que a população aumenta durante as festas de verão, “normalmente na raia”, poderá haver falta de água.

A albufeira “mais crítica” é a de Monte da Rocha, no concelho de Ourique, que hoje está a 11% da sua capacidade máxima, tal como há quatro meses, o que significa que a chuva só conseguiu repor a água que tem sido utilizada.

Para prevenir as faltas, há que subir o nível de algumas barragens e reforçar o sistema de abastecimento de água, como se fez em Beja e Odemira, adiantou.

Questionado pelo deputado Álvaro Castelo Branco, do CDS-PP, sobre as medidas a longo curso para prevenir situações de seca, Matos Fernandes afirmou que “só há uma solução de longo curso: poupar, consumir menos”.

Ler mais
Recomendadas

Gronelândia perdeu sete vezes mais gelo nos últimos 10 anos do que na década de 1990

Cientistas estimam, num estudo divulgado esta terça-feira, que a Gronelândia perdeu, em média, sete vezes mais gelo nos últimos 10 anos do que na década de 1990.

Ordem dos Engenheiros subscreve declaração sobre emergência climática

O documento da WFEO, recentemente emitido, elenca 11 medidas concretas com as quais a federação internacional das ordens de engenheiros se compromete, considerando as crises de colapso climático como as questões mais graves da atualidade.

1,9 mil milhões de pessoas em todo o mundo estão em risco de escassez de água

Segundo o primeiro estudo que analisa todas as fontes de água de alta altitude, sabe-se que as bacias asiáticas são as mais vulneráveis à procura humana e ao aquecimento global, mas o documento demonstra que estas pressões também estão a afetar outros continentes.
Comentários