Portugal tem a terceira dívida mais alta da União Europeia

Em 2018, o rácio de dívida pública portuguesa continuou a trajetória descendente e caiu para 122,2%, abaixo dos 126% do ano anterior. No entanto, não foi suficiente para abandonar o ‘top três’ dos países europeus com maior dívida em percentagem do PIB, fixando-se acima da média da União Europeia de 80,4%.

Apesar da queda em 2018, Portugal continua a ter o terceiro rácio de dívida pública face ao Produto Interno Bruto (PIB) mais elevado da União Europeia, segundo dados do Eurostat divulgados esta segunda-feira.

Em 2018, o rácio de dívida pública portuguesa continuou a trajetória descendente e caiu para 122,2%, abaixo dos 126% do ano anterior. No entanto, não foi suficiente para abandonar o ‘top três’ dos países com maior dívida em percentagem do PIB, fixando-se acima da média europeia de 80,4%.

Segundo os dados do organismo de estatística, 14 dos países da União Europeia têm um rácio de dívida pública superior a 60% do PIB, com a Grécia a liderar a tabela, ao registar 181,2%, seguida por Itália, com 134,8%.

Por outro lado, a Estónia apresenta o menor rácio de dívida pública da União Europeia, ao registar 8,4%, seguida pelo Luxemburgo (21%), Bulgária (22,3%) e República Checa (32,6%).

Para este ano, na notificação sobre défices excessivos, enviada em setembro a Bruxelas, o Governo reviu em alta a meta da dívida pública, prevendo que atinja 119,3% do PIB (251,6 mil milhões de euros). Já no esboço do Orçamento do Estado para 2020, enviado à Comissão Europeia, as Finanças projectam que o rácio da dívida pública atinja 116,2% do PIB.

Recomendadas

AICEP apresenta Acelerador das Exportações Online

A AICEP vai concentrar todo o seu trabalho de junho no objetivo fixado pelo Governo de promover as exportações. Na próxima terça-feira, o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, vai acompanhar a apresentação da nova ferramenta de Inteligência Artificial que é colocada ao serviço dos exportadores nacionais, o “Acelerador das Exportações Online”.

Bancos têm até hoje para enviar ao regulador planos de prevenção do branqueamento de capitais

Os bancos têm até hoje para enviarem ao Banco de Portugal os planos de financiamento e os relatórios de prevenção do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, depois dos prolongamentos dos prazos devido à covid-19. Numa situação normal, estes relatórios já deveriam ter sido enviados pelos bancos, mas o regulador e supervisor bancário anunciou a prorrogação dos prazos em abril, considerando que é de “particular importância” a qualidade da informação financeira e prudencial no atual contexto económico. O Banco de Portugal prolongou ainda, para 12 de junho, o reporte de informação financeira em base individual e o reporte de informação para fins de supervisão aplicável às sociedades financeiras, assim como a informação sobre empresas incluídas no perímetro de consolidação e sobre a evolução da carteira de crédito.

Proprietários tem até hoje para pagar primeira fase ou a totalidade do IMI

Os quase quatro milhões de contribuintes que receberam uma nota de liquidação do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) têm até hoje para efetuar o pagamento da primeira prestação ou da totalidade do imposto.
Comentários