Portugal vai ceder dados de passageiros aéreos a outros países da UE

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) contesta a decisão, argumentando que o Governo não precisava de ir tão longe e alerta que o país vai fornecer informação privada sensível.

Rafael Marchante/Reuters

O Governo vai disponibilizar dados das transportadoras aéreas a outros países da União Europeia (UE), com vista à prevenção e combate ao terrorismo e criminalidade grave. A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) contesta a decisão, argumentando que o Governo não precisava de ir tão longe e alerta que o país vai fornecer informação privada sensível, avança o jornal “Negócios”.

A Comissão Europeia prevê a transposição para a lei nacional da diretiva europeia sobre a transferência, pelas transportadoras aéreas, dos dados de registos de identificação dos passageiros. A medida aplica-se aos voos de fora da UE, mas Bruxelas deixa em aberto a opção de aplicar as mesmas regras ao caso dos voos intercomunitários, o que Portugal já se comprometeu a fazer.

Entre os registos de identificação do passageiro (o chamado PNR – Passenger Name Record), os dados a que o Governo e a UE terão acesso incluem, entre outros elementos, o registo de morada, contacto e informação de carácter mais pessoal, como exigências alimentares, questões de saúde, acompanhantes e como foi feita a reserva. Tal será aplicado a passageiros que partam do país, aterrem ou façam escala.

“Trata-se de um compromisso político assumido em 18 de abril de 2016 face à situação de (in)segurança que se vive na Europa”, explica fonte do Ministério de Justiça ao jornal “Negócios”.

No entanto, a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) considera que esta medida “viola claramente o princípio da minimização dos dados”, tendo em conta que “obriga e procede ao tratamento de dados pessoas manifestamente dispensáveis”.

Recomendadas

Euro digital vai acontecer “com grande probabilidade”, diz especialista do London School of Economics

Ricardo Reis, professor da London School of Economics, acredita que o Banco Central Europeu acabará por emitir o euro digital. Bancos comerciais vão continuar a existir e a dirimir a relação com clientes, mas as moedas estáveis vão “perder grande parte do seu apelo”.

Bankinter Portugal deu mil milhões de moratórias e constituiu 2,5 milhões de provisões

A sucursal do Bankinter em Portugal deu 1.000 milhões de moratórias de crédito, o que representa 15% da sua carteira. Já em provisões para acautelar o impacto da pandemia Covid-19 o Bankinter Portugal deixou de lado 2,5 milhões de euros.

Trump viu rendimentos da venda de imóveis caírem a pique em 2020

O presidente que abandonou esta quarta-feira a Casa Branca acabou por ser penalizado com a pandemia, que desvalorizou o seu património e complicou a venda de propriedades, como a sua empresa havia feito nos três anos anteriores.
Comentários