Portugal vai pagar até 6.500 euros a emigrantes ou luso descendentes que regressem para trabalhar

Este valor vai servir para apoiar os emigrantes ou luso descendentes que iniciem a atividade em Portugal continental assim como a comparticipação das despesas da viagem e do transporte dos seus bens.

Os emigrantes ou luso-descendentes que regressem a Portugal para trabalhar vão passar a ter um apoio financeiro. O Instituto do Emprego e da Formação Profissional (IEFP) tem previsto um apoio que pode atingir os 6.536,4 euros por família.

A notícia está a ser avançada pelo jornal Público esta terça-feira, 25 de junho.

Este valor vai servir para apoiar os emigrantes ou luso descendentes que iniciem a atividade em Portugal continental assim como a comparticipação das despesas da viagem e do transporte dos seus bens.

Esta medida faz parte do Programa Regressar que foi aprovado pelo Governo em março e que deverá entrar em vigor nos primeiros meses de julho.

O IEFP tem previstos um total de 10 milhões de euros para este ano, com o universo potencial de beneficiários a ser de 1.500 pessoas.

Recomendadas

Covid-19: Mais de 530 mil pessoas vacinadas na região Centro

João Paulo Rebelo falava no âmbito de uma visita que realizou aos concelhos do Fundão e da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e que também contou com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, e da secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira.

“Governo beneficia casinos mas esquece os trabalhadores”, diz federação intersindical

A Federação intersindical do setor do turismo exige medidas de apoio aos trabalhadores dos casinos, depois do Executivo ter decidido isentar estes estabelecimentos do pagamento do imposto de jogo e prolongado as concessões dos casinos de Lisboa, Estoril e Figueira da Foz, que terminaram a 31 de dezembro de 2020. FESAHT acusa o Governo: “aos patrões do jogo dá tudo, tudo, aos trabalhadores dá nada, nada”.

EUA: Produção industrial sobe pelo segundo mês seguido, apesar de constrangimentos no sector automóvel

A indústria norte-americana beneficiou com a reabertura de várias fábricas dos estados do sul afetados pela tempestade de fevereiro, mas a indústria automóvel penalizou o resultado final, com uma queda de 4,3% na produção a refletir as dificuldades causadas pelos atrasos no fornecimento de chips.
Comentários