Portugal vai ter mais sobreiros por hectare e com produção mais rápida

Novas técnicas florestais vão permitir que o tempo para a primeira extração de cortiça de um sobreiro passe dos atuais 25 anos para entre oito e dez anos, além de proporcionar a plantação de mais sobreiro por hectare.

Os ciclos de produção nacional do sobreiro em Portugal deverão reduzir-se já em 2017.

Segundo a APCOR – Associação dos Produtores de Cortiça, as novas técnicas florestais de fertilização e irrigação vão ajudar a encurtar o prazo inicial dos habituais 25 anos para a primeira extração de cortiça, podendo reduzir este período para oito a dez anos.

“A APCOR define como grande desafio do setor, nos próximos cinco anos, uma mudança do ponto de vista da floresta, onde se espera que haja uma maior proximidade entre indústria e produtores para que, com novas técnicas, hajam ciclos de produção mais curtos e mais sobreiros por hectare”, sublinha um comunicado da associação.

Para João Rui Ferreira, presidente da APCOR, “a separação entre a floresta e a indústria e, cada vez mais, reduzida, Temos vindo a assistir a uma relação contínua e plurianual, com a indústria a intensificar a investigação e a inovação nas práticas florestais”.

Este desafio intensifica-se na altura em quer comemora o 5º aniversário da declaração do sobreiro enquanto ‘Árvore Nacional de Portugal’.

“O sobreiro é a árvore de todos os portugueses e um forte símbolo do país, reconhecida pela inigualável importância na economia nacional. Neste sentido, é indiscutível que a nossas atenção com as questões florestais seja reforçada”, destaca João Rui Ferreira.

Recorde-se que Portugal tem a maior mancha de montado de sobro do Mundo e que 23% da área florestal no País e composta por sobreiros, o que contribui para a luta contra a desertificação social e para a diversificação da biodiversidade.

A APCOR representa 270 empresas do setor da cortiça, que são responsáveis por 80% do volume total de negócios e 85% das exportações portuguesas de cortiça.

Ler mais
Recomendadas

Preços predatórios continuam a dominar o setor da segurança privada

O problema do ‘dumping’ no negócio da segurança privada ainda não foi mitigado. A responsabilidade solidária imposta pela Lei da Segurança Privada, de julho, poderá contudo ser a solução.

Segurança privada. Contratação com prejuízo é uma prática generalizada

No geral, os preços de contratação da segurança privada continuam a ser feitos com prejuízo. A rentabilidade dos capitais próprios das empresas do setor é negativa e a lei da segurança privada impõe responsabilidade solidária ao cliente, o que pode contribuir para a redução das más práticas.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.
Comentários