Portugal Ventures com 18 milhões de euros para ajudar startups e empreendedores

Call INNOV-ID, Call FIT e Operação Follow-Ons foram os três instrumentos para investimento detalhados pela sociedade pública de capital de risco.

DR

A Portugal Ventures (PV) anunciou esta segunda-feira que disponibilizou 18 milhões de euros para a recuperação do ecossistema empreendedor nacional, que também está a sofrer os impactos negativos da pandemia de Covid-19. A sociedade pública de capital de risco, que desde 2012 investiu 140 milhões de euros em mais de 120 novas empresas, tem estado a preparar vários instrumentos de financiamento para que as startups possam ultrapassar esta crise e relançar os negócios e destacou três: Call INNOV-ID, Call FIT e Operação Follow-Ons.

“As iniciativas que agora lançamos para levar a cabo a concretização das medidas anunciadas pelo Governo, revelam, uma vez mais, a missão da Portugal Ventures no ecossistema empreendedor: devemos ser o catalizador de projetos e empresas que alavanquem a economia nacional, e em tempos excecionais como os que vivemos hoje, que contribuam para a sua recuperação, consolidando a imagem de Portugal como uma referência nas áreas da inovação e tecnologia”, refere o vice-presidente da PV, Rui Ferreira.

A chamada Cal INNOV-ID (10 milhões de euros), oriunda de uma parceria com a Agência Nacional de Inovação (ANI), a PME Investimentos e a Startup Portugal, está aberta deste ontem e decorre até ao próximo dia 5 de junho. Destinada a projetos de base tecnológica, com sede em Portugal, criados há menos de oito anos ou ainda a constituir, as empresas têm de:

  • estar registadas no Startup Hub [plataforma digital comunitária gerida pela Startup Portugal e Rede Nacional de Incubadoras (RNI)]
  • cumprir, pelo menos, um destes critérios i) resultar de projetos de investigação e desenvolvimento científico, tecnológico ou académico, desenvolvidos em instituições de ensino superior ou centros tecnológicos (spin-off); ii) estar incubados em incubadoras de base tecnológica ou com ligações a universidades, politécnicos ou centros tecnológicos; iii) empregar ou serem promovidas por recursos humanos altamente qualificados e proporem-se a manter ou criar emprego altamente qualificado ou iv) serem reconhecidas como “Empresas do Setor da Tecnologia” pela ANI ou beneficiárias dos seus incentivos (*).

No caso das empresas que ainda não constituídas, para os projetos terem ‘luz verde’ nesta call, precisam de: estar incubados numa das entidades pertencentes à RNI ou associadas a um dos  parceiros da Ignition Partners Network da Portugal Ventures e cumprir no mínimo um dos critérios suprarreferidos (*).

A Call FIT (600 mil euros), que apoiou a Bag4Days, Classihy e a Sailside, num total de 372 mil euros na primeira edição, lançou uma segunda, que decorre até 21 de maio de 2020. A iniciativa,no âmbito de um acordo com o Turismo de Portugal e o NEST, pretende investir em projetos de turismo na fase pré-seed, finalistas do programas de Aceleração do Fostering Innovation in Tourism. “Visa colmatar a falta de financiamento que as startups encontram após a conclusão dos programas, dinamizando projetos inovadores de base turística e estimulando o ecossistema empreendedor, através do apoio ao desenvolvimento de ideias e de modelos de negócio que possam gerar novas soluções para o setor do Turismo”, explica a entidade.

Já a Follow-Ons – ou “Instrumento Covid-19 – Portugal Ventures”, conforme caracterizou o Governo – surge de uma parceria com a Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), a Imprensa Nacional-Casa da Moeda (INCM) e o Turismo de Portugal. Nesta operação são identificadas startups que, pelo potencial de crescimento e capacidade em ultrapassar as adversidades da pandemia, precisam de “follow-ons” para dar continuidade ao negócio. O intuito é reforçar o capital de startups já investidas por outros investidores, nas
áreas digital, engenharia e indústria e ciências da vida com um total de 3 milhões de euros e no turismo um total de 4,4 milhões de euros.

Ler mais
Recomendadas

Centros comerciais e lojistas preparados para reabrir em junho

“A APCC [Associação Portuguesa de Centros Comerciais] enquanto interlocutor deste setor em Portugal reitera que os centros comerciais e os seus lojistas estão preparados para voltar em pleno no início da fase três do plano de desconfinamento, tal como previsto”, indicou, em comunicado, a associação.

Governo alemão e Lufthansa fecham resgate que pode ascender a 9 mil milhões de euros

Com este resgate, o governo alemão ficará como principal acionista da companhia aérea com 20% de participação no capital da empresa. O acordo permanecerá pendente até que a Comissão Europeia dê o seu “aval”.

TAP retoma voos para Maputo, Luanda e Nova Iorque em Junho

Em Junho, a TAP vai repor mais alguns voos intercontinentais, nomeadamente dois voos por semana para Nova Iorque (Newark), um voo por semana para Luanda (a partir de dia 15) e outro para Maputo.
Comentários