Portugal volta a quebrar recordes ao emitir dívida a 10 anos a 0,51%

Portugal colocou dívida a dez anos à taxa de juro mais baixa de sempre, renovando os mínimos do preço da dívida pela quinta vez consecutiva.

O IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e da Dívida Pública regressou esta quarta-feira aos mercados e voltou a quebrar um recorde ao colocar 753 milhões num leilão de Obrigações do Tesouro (OT) a dez anos com uma taxa de alocação de 0,51%. Esta foi a quinta vez consecutiva que Portugal renova os mínimos da yield da dívida benchmark.

No último leilão de OT a dez anos, realizado no passado dia 12 de junho, Portugal pagou 0,639% para emitir 625 milhões de euros.

Num leilão duplo, o IGCP emitiu ainda 270 milhões de euros em OT a 26 anos, tendo pago uma taxa de alocação de 1,426%, também um mínimo histórico. Assim, o IGCP colocou 1.023 milhões de euros em dívida a longo prazo.

A maturidade da OT a dez anos é em 15 de junho de 2029, enquanto a maturidade da dívida a 26 anos é em 15 de fevereiro de 2045.

“O prémio de risco de Portugal tem baixado, acompanhando a descida generalizada das yields soberanas europeias onde chegamos a ver os 10 anos alemães abaixo dos -0,4%”, referiu Filipe Silva, diretor de gestão de ativos do Banco de Carregosa. “Os dados macroeconómicos continuam a mostrar algum abrandamento, as previsões relativas ao crescimento económico têm sido revistas em baixo, o que tem levado os bancos centrais a terem discursos mais contidos sem se vislumbrarem as subidas de taxas que no início do ano pareciam uma certeza.”

O Tesouro pretendia colocar 1.250 milhões de euros. Mas os investidores poderão ter perdido algum interesse nas obrigações portuguesas. Nas OT a dez anos, a procura foi superior à oferta em 1,58 vezes, abaixo do que tinha sido registado no último leilão, no qual a procura tinha sido 1,8 vezes superior à oferta. Na dívida a 26 anos, a procurou foi 1,69 vezes superior à oferta.

A procura mais ligeira poderá ter sido a razão para o IGCP não ter colocado o montante total indicativo para a operação. A agência liderada por Cristina Casalinho tinha apontado para 1.250 milhões de euros, pelo que o valor emitido ficou 227 milhões de euros abaixo dessa meta.

Com a operação que se realizou esta quarta-feira, sobem para cinco os leilões de OT a dez anos realizados este ano pelo IGCP. No total, Portugal já colocou 3.643 milhões de euros de dívida benchmark.

No mercado secundário, as yields da dívida a dez anos também têm registado uma tendência decrescente ao fixarem-se nos 0,50 %.

(atualizada às 11h17)

 

Ler mais

Relacionadas

Portugal “deverá voltar a fazer história” na emissão de dívida a longo prazo

Tesouro realiza esta quarta-feira um leilão duplo de dívida a dez e 26 anos e deverá manter a tendência de financiamento com juros em mínimos históricos.

Inédito: Portugal paga menos de 1% para emitir obrigações a 10 anos

O IGCP emitiu 625 milhões em dívida com maturidade em 2029, tendo pago a taxa mais baixa de sempre: 0,639%. A agência liderada por Cristina Casalinho vendeu o mesmo montante em obrigações com prazo de 2034, com a taxa de alocação a descer para 1,052% face aos 1,563% num leilão em maio.
Recomendadas

Ações do Benfica disparam mais de 70% após anúncio de OPA

As ações do emblema da Luz dispararam poucas horas depois da Sport Lisboa e Benfica SGPS ter lançado uma oferta pública e parcial de ações da SAD do clube, com uma contrapartida de 5 euros por ação para adquirir 28,06% que não detém.

BCP impulsiona PSI 20 que acompanha tendência altista da Europa

Em Lisboa, nove empresas cotadas valorizam, oito desvalorizam e uma negoceia sem variação.

Banca, automóveis, petróleo e materiais são as melhores oportunidades de investimento, diz diretor do Bankinter

José Miguel Calheiros, diretor da gestão de ativos do Bankinter, antecipa que as taxas de juro na zona euro vão permanecer negativas “mais um par de anos”. O mercado bolsista norte-americano afigura-se como a melhor estratégia de investimento com retornos.
Comentários