Portuguesa Aptoide conseguiu 400 investidores e 200 mil dólares em ICO

A empresa, que é a terceira maior loja de aplicações do mundo, lançou o negócio na Web Summit e tornou-se a primeira app store a realizar um ICO. A fase de pré-venda continua até 20 de novembro.

A startup portuguesa Aptoide conseguiu angariar mais de 400 investidores e 200 mil dólares, desde que lançou a Initial Coin Offering (ICO), durante a Web Summit. O co-fundador e CEO da app store, Paulo Trezentos, faz um balanço positivo da iniciativa, mas explica que a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) quis classificar o processo.

“Propositadamente, lançámos o ICO só para a comunidade Aptoide e para a comunidade Android, que é um ciclo muito fechado, mas mesmo assim conseguimos mais de 400 investidores, representando acima de 200 mil dólares”, explicou o CEO, em declarações ao Jornal Económico, à margem da Blockspot Conference.

“Ficou muito acima das nossas expetativas. Claro que prevalece a dúvida de como será para a comunidade em geral, mas até ao momento tem sido muito positivo”, referiu.

Com mais de 200 milhões de utilizadores, a Aptoide anunciou o plano para lançar o ICO e prevê arrecadar entre 2,5 milhões e 28 milhões de dólares em fundos. Através da AppCoins, a Aptoide torna-se a primeira loja de aplicações do mundo baseada em tecnologia blockchain, através da plataforma Ethereum, a realizar um ICO.

Na fase de pré-venda, a startup disponibilizou 12% do capital de tokens da AppCoins aos investidores. A utilização desta nova moeda será um protocolo aberto que qualquer app store poderá adotar e que promete melhorar de forma significativa a oferta de valor para o utilizador e para o programador da app.

“Este pre-sale fechado vai continuar até 20 de novembro. Haverá depois uma fase aberta. As datas não estão ainda 100% fechadas, mas será em dezembro”, explicou Paulo Trezentos.

Desde 2013, os ICO são ferramentas frequentemente usadas para financiar o desenvolvimento de novas criptomoedas, fornecendo o capital para que este tipo de projeto seja uma realidade. No entanto, ainda são pouco comuns em Portugal e a CMVM chamou a empresa para falar sobre questionar o enquadramento do processo.

“Foi uma reunião muito positiva em que a CMVM quis não só obter a nossa opinião sobre o atual enquadramento, mas também passar-nos algumas informações que são úteis para que possamos informar os pequenos investidores de forma mais rica”, acrescentou.

Para o CEO da Aptoide, os ICO são não só uma forma de financiamento, mas também uma forma de “modelar as transações de negócio”. “O nosso negócio – uma loja de aplicações – tem transações, como por exemplo compras dentro da loja, de apps, de publicidade… E essas transações feitas com uma moeda inteligente permite lançar novos modelos de negócio e novas parcerias”.

Ler mais

Recomendadas

Portugal regressa aos mercados quarta-feira para colocar 1.500 milhões de euros a seis meses e 1.750 milhões a 12 meses

Este é o segundo de um conjunto de três leilões a realizar entre março e junho com vista a angariar cerca de 4 mil milhões. Na anterior licitação, as taxas médias foram de -0,599% a três meses e -0,558% a 11 meses.

Bolsa portuguesa acompanha Europa e encerra semana no ‘verde’

Entre as principais praças europeias, o francês CAC 40 subiu 1,54%, o alemão DAX valorizou 1,41%, o espanhol IBEX 35 avançou 1,98% e o britânico FTSE 100 também encerra a sessão no ‘verde’ a ganhar 1,17%.

Dogecoin valoriza 30% depois de Elon Musk equacionar pagamento com ‘token’ na Tesla

Após o tweet de Elon Musk, o valor de mercado do ‘token’ subiu em mais de 10 mil milhões de dólares (8,24 mil milhões de euros), atingindo um total de 67 mil milhões de dólares (55,2 mil milhões de euros) à medida que o volume de negócios e de compra da moeda ia aumentando.
Comentários