Portuguesa SolarImpact leva a Cabo Verde soluções para aproveitar energia solar

A empresa portuguesa assinalou a entrada no mercado cabo-verdiano com a montagem, a título simbólico, de um sistema de produção de energia solar fabricado 100% por si, numa residencial em Chã das Caldeira, na Ilha do Fogo.

A XXII da Feira Internacional de Cabo Verde (FIC), que começa esta quarta-feira, conta com a presença de 37% de empresas de origem portuguesa. A SolarImpact, empresa que desenvolve soluções em engenharia para sistema fotovoltaico híbrido de energia solar, integra o grupo de participantes.

A operar em Cabo Verde há quatro meses, a empresa assinalou a entrada no mercado cabo-verdiano com a montagem, a título simbólico, de um sistema de produção de energia solar fabricado 100% por si, numa residencial em Chã das Caldeira, na Ilha do Fogo.

Segundo Luís Pereira, sócio gerente da SolarImpact CV, a novidade da tecnologia trazida a Cabo Verde diferencia das instaladas, até agora, no país por ter um sistema de bateria inventada pela empresa que faz  “gestão inteligente de energia e que tem uma vida útil estimada em 20 anos, algo inexistente no mercado cabo-verdiano, neste momento”.

O objetivo da SolarImpact é alterar o “paradigma existente” no arquipélago que tem apostado “em equipamentos de baixa qualidade” levando as pessoas a desacreditarem neste tipo de energia com grande potencial, apontou Luís Pereira.

“O que nós temos assistido em Cabo Verde é a instalação de equipamentos de baixa qualidade, fazendo  as pessoas desacreditarem que este tipo de energia tem soluções duráveis. A nossa política é fazer bem  com isso fazer  as pessoas a acreditarem nesta energia.”, afirmou.

A empresa já está instalada na Cidade da Praia e com uma delegação na ilha do Sal conta, segundo Pereira, com o primeiro armazém com capacidade de “stock” de equipamentos para abastecer o mercado  para evitar que os clientes tenham de aguardar por encomendas, como acontece até agora.

Os equipamentos que a SolarImpact está a comercializar por serem “soluções inovadores de produção de energia solar” permitem, de acordo com Luís Pereira, a “redução de fatura de energia superiores a 50%”, tanto às empresas como a particulares, e com um retorno do investimento garantido de três anos em média.

Pela grande exposição solar, Cabo Verde tem capacidade de ser um grande impulsionador de novos  centros de pesquisa e produção de energia solar, defende o sócio gerente da SolarImpact, que anuncia a intenção da empresa instalar no arquipélago um centro de montagens dos equipamentos com capacidade futura de comercializar para o mercado da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental.

Ler mais
Recomendadas

Ministério Público de Cabo Verde investiga 80 casos de possíveis casamentos por conveniência

Óscar Tavares confirmou que há denúncias sobre cabo-verdianos que têm casado com cidadãos de nacionalidade europeia para obtenção de vistos, que, em outubro passado, recebeu 73 participações do Centro Comum de Visto para investigar.

Estudantes de língua portuguesa no exterior pedem apoio da CPLP

A Federação dos Estudantes de Língua Portuguesa no Exterior pediu o apoio da CPLP na criação das condições para que os estudantes da comunidade “estudem com qualidade nos seus países de origem”, nomeadamente no ensino básico.

Nove empresas entram no capital do transporte marítimo de Cabo Verde

Um grupo de nove armadores (Cabo Verde Fast Ferry, Polaris, Adriano Lima, Verdemar, Santa Luzia Salvamento Marítimo, Jô Santos & David, União de Transportes Marítimos, Oceanomade e Aliseu) assumiu 49% do capital social da Inter-ilhas, que tem como sócio maioritário a portuguesa Transinsular.
Comentários