Portugueses confiam mais no Governo do que nos partidos políticos

A conclusão é de Eurobarómetro que revela que, apesar de a taxa de confiança dos portugueses nas instituições políticas estar em queda, quase dois terços dos portugueses afirmam estar satisfeitos com a maneira como a democracia funciona no país.

Os portugueses confiam mais no Governo do que nos partidos políticos. A conclusão é de Eurobarómetro divulgado esta segunda-feira pela Comissão Europeia, que mostra que, apesar de a taxa de confiança dos portugueses nas instituições políticas estar em queda, quase dois terços dos portugueses afirmam estar satisfeitos com a maneira como a democracia funciona no país.

O estudo mostra que, em outubro de 2018, 43% dos portugueses afirmavam confiar no governo. A taxa de confiança é superior à de que os portugueses depositam no Parlamento e nos partidos políticos. Apenas 37% dos portugueses confiam na atividade que é desenvolvida pelos deputados na Assembleia da República e 17% confiam nas diferentes forças políticas.

A confiança nestas instituições políticas registou um “recuo considerável” em outubro, entre os 9 e 12 pontos percentuais, depois de ter atingido um pico na primavera de 2018. “Esta evolução contrasta com a considerável estabilidade da média europeia destes indicadores nos últimos anos”, lê-se no documento divulgado pela Comissão Europeia. Ainda assim, a taxa de confiança no Governo é consideravelmente superior à média da União Europeia (UE).

Quase dois terços dos portugueses afirmam ainda estar satisfeitos com a democracia portuguesa. Portugal ocupa o 12.º lugar no ranking de países que mais satisfeitos, acima da média europeia (57%). A liderar o ranking está a Dinamarca (91%), seguida pelo Luxemburgo e Holanda (ambos com 82%), Suécia e Finlândia (ambos com 81%) e Áustria (80%). Do outro lado da tabela, com uma opinião negativa em relação à democracia do país, estão a Grécia (26%), Roménia (34%) e Bulgária (35%).

Ainda assim, regista-se um decréscimo nos níveis de satisfação dos portugueses com a democracia em relação à primavera de 2018 (75%) e ao ano de 2017 (média de 71%). “Esta quebra deve ser, contudo, contrastada com o facto de que foi apenas no outono de 2016 que a proporção de portugueses satisfeitos com o funcionamento da democracia nacional voltou a ser maioritária, após um período de enorme insatisfação durante os anos da crise financeira e intervenção externa”, indica o Eurobarómetro.

Já em relação à UE, 78% dos portugueses têm uma opinião positiva. O sentimento de cidadania europeia é maior entre os homens (83%) do que entre as mulheres (74%), e bastante fraco entre os mais idosos (apenas 49% dos indivíduos com mais de 75 anos afirmam sentir-se europeus, contra 91% dos jovens dos 15 aos 24 anos). Portugal é o sexto país com a maior taxa de confiança na União Europeia (55%), depois da Lituânia (65%), Dinamarca (60%), Suécia (59%), Holanda (57%) e Malta (56%).

Quanto ao futuro do projeto europeu, 67% dos portugueses estão otimistas. O valor fica acima da média europeia, que se fixou nos 58%). A diferença entre otimistas e pessimistas em Portugal (42 pontos percentuais) corresponde ao dobro da diferença média na União Europeia (21 pontos percentuais). Entre os estados-membros, o pessimismo é maior que o otimismo apenas na Grécia.

Ler mais
Recomendadas

PCP propõe cancelar leilão do 5G e criação de um operador de telecomunicações público

PCP considera que o 5G representa uma oportunidade de criar “um serviço público e universal de telecomunicações em Portugal”. Por isso, propõe “uma mudança estratégica no desenvolvimento do setor das telecomunicações”.

Iniciativa Liberal quer que lugares de topo nas entidades reguladoras sejam escolhidos por concurso internacional

A medida consta de um projeto de lei apresentado por João Cotrim Figueiredo, que visa reforçar a independência dos reguladores face “aos reguladores e ao poder político” e assegurar uma “maior abrangência” e maior “nível de competência” das instituições.

Primeiro-ministro francês pede que não se baixe guarda perante ressurgimento da doença

O primeiro-ministro francês pediu esta segunda-feira aos franceses e aos serviços do Estado que “não baixem a guarda” face ao ressurgimento da Covid-19, para que não seja preciso voltar a impor um “confinamento geral”.
Comentários