Portugueses estão confiantes na melhoria da situação económica do país

De acordo com este estudo, 74% dos inquiridos acredita que o seu poder de compra se irá manter em 2018 e 68% perspetiva que a situação financeira do agregado familiar se vai manter também.

Os consumidores portugueses acreditam que a a situação económica e financeira é tendencialmente melhor do que em 2017, segundo o mais recente estudo do IPAM – Instituto Português de Administração de Marketing.

De acordo com este estudo, 74% dos inquiridos acreditam que o seu poder de compra se irá manter em 2018 e 68% perspetivam que a situação financeira do agregado familiar se vai manter também.

Além disso, 49% consideram que a situação do país irá melhorar no país em causa, enquanto 46% garantem que o seu rendimento aumentou em 2017.

A justificar o aumento do orçamento disponível, 35% dos inquiridos destacaram a integração no mercado de trabalho de um elemento do agregado familiar.

No caso da população que teve uma diminuição do orçamento disponível, para 33% dos inquiridos deveu-se a uma redução salarial e para 67% a uma situação de desemprego no agregado familiar.

Este estudo do IPAM, relativo aos hábitos de consumo dos portugueses nos últimos 12 meses e à sua evolução para 2019, apenas 3% dos inquiridos acreditam que a sua situação económica vai piorar.

O preço mantém-se determinante para a decisão de compra da maioria dos consumidores

“Considerando esta melhoria geral de rendimentos da população, o IPAM procurou compreender quais os fatores considerados na compra de determinados produtos de forma a melhor caracterizar o comportamento dos consumidores. No caso dos produtos alimentares, realçou-se a preocupação com o preço como sendo importante, particularmente para 25% dos inquiridos”, explica um comunicado do IPAM.

De acordo com esse documento, “no caso dos bens não duráveis – como, por exemplo, roupa, sapatos e brinquedos -, apesar da melhoria do poder de compra, os argumentos financeiros ganham cada vez mais importância para 75% da população inquirida”.

“A este nível, a preocupação com o preço dos produtos (28%) assume relevância. Importa ainda salientar a seleção do local de compra, nomeadamente em função de campanhas e promoções, consideradas importantes para 28% dos inquiridos”, acrescenta o referido comuniaado.

O estudo do IPAM evidencia ainda uma tendência clara de manutenção das compras nas diferentes áreas, o que já vinha a ser visível desde 2016, designadamente com a cosmética e maquilhagem, atividades de educação e formação para os filhos, despesas no cabeleireiro, entre outras.

Em termos conjunturais, o estudo do IPAM analisou fatores que influenciam o comportamento dos consumidores na compra de produtos, como a instabilidade, a diminuição do orçamento disponível, o desemprego, a apreensão generalizada face ao futuro, “testemunhando um aumento generalizado de confiança”.

“Neste contexto, o IPAM acredita ser possível afirmar que, independentemente de algumas mudanças nas condições de vida dos consumidores, houve uma adaptação à situação de crise e uma mudança profunda de comportamentos com impacto na perceção de qualidade de vida. Algumas alterações efetuadas mantiveram-se, havendo áreas em que se verificam alterações nas perspetivas dos consumidores”, sublinha o referido comunicado.

O estudo do IPAM foi promovido entre os dias 28 de fevereiro e o dia 8 de março de 2018, com uma amostra composta por 450 indivíduos: 25% dos inquéritos foram entrevistados diretamente e 75% foram entrevistados ‘on-line’.

A coordenação do estudo foi da responsabilidade da Professora Mafalda Ferreira, professora do IPAM Porto e Doutorada em Psicologia Social pela Universidade de Cádiz.

Fundado em 1984, o IPAM é a mais antiga e a maior escola de ‘marketing’ em Portugal e uma das mais antigas em todo o Mundo.

Com ‘campus’ no Porto e em Lisboa, o IPAM formou nas últimas três décadas de atividade mais de 10.000 alunos e detém inúmeras parcerias com escolas nacionais e internacionais, como a Pace University de Nova Iorque.

O IPAM integra a rede Laureate International Universities que, em Portugal, detém ainda a Universidade Europeia e o IADE – Universidade Europeia.

“As três instituições portuguesas são certificadas internacionalmente pela B Corp, por contribuírem na sua atividade para uma sociedade mais equilibrada, diversa, participativa e evoluída”, destaca o comunicado do IPAM.

Com mais de um milhão de estudantes, presente em 25 países e com cerca de 70 instituições de ensino superior, a Laureate International Universities reclama a liderança mundial na oferta de instituições de ensino superior.

Ler mais

Recomendadas

Portugal promove “soluções para impacto assimétrico da crise”, garante ministro das Finanças

“Chegámos a um acordo sem precedentes que permite a emissão de dívida europeia em larga escala para financiar a recuperação economia europeia através dos programas de recuperação europeus”, referiu João Leão depois da reunião do G20.

Lei que acelera levantamento das penhoras entra em vigor amanhã

Na origem desta lei, publicada esta sexta-feira, está uma proposta do Governo – alvo de várias alterações durante a discussão na especialidade, no parlamento – de alteração a diversos códigos fiscais.

Nazaré da Costa Cabral: “Existe uma grande incerteza quanto ao desempenho da economia em 2021”

A presidente do Conselho das Finanças Públicas, Nazaré da Costa Cabral, diz que a situação da economia portuguesa é “complexa”, estando dependente da evolução da pandemia e da capacidade de recuperar da “má imagem” internacional para voltar a conquistar turistas.
Comentários