Portugueses estão confiantes na melhoria da situação económica do país

De acordo com este estudo, 74% dos inquiridos acredita que o seu poder de compra se irá manter em 2018 e 68% perspetiva que a situação financeira do agregado familiar se vai manter também.

Os consumidores portugueses acreditam que a a situação económica e financeira é tendencialmente melhor do que em 2017, segundo o mais recente estudo do IPAM – Instituto Português de Administração de Marketing.

De acordo com este estudo, 74% dos inquiridos acreditam que o seu poder de compra se irá manter em 2018 e 68% perspetivam que a situação financeira do agregado familiar se vai manter também.

Além disso, 49% consideram que a situação do país irá melhorar no país em causa, enquanto 46% garantem que o seu rendimento aumentou em 2017.

A justificar o aumento do orçamento disponível, 35% dos inquiridos destacaram a integração no mercado de trabalho de um elemento do agregado familiar.

No caso da população que teve uma diminuição do orçamento disponível, para 33% dos inquiridos deveu-se a uma redução salarial e para 67% a uma situação de desemprego no agregado familiar.

Este estudo do IPAM, relativo aos hábitos de consumo dos portugueses nos últimos 12 meses e à sua evolução para 2019, apenas 3% dos inquiridos acreditam que a sua situação económica vai piorar.

O preço mantém-se determinante para a decisão de compra da maioria dos consumidores

“Considerando esta melhoria geral de rendimentos da população, o IPAM procurou compreender quais os fatores considerados na compra de determinados produtos de forma a melhor caracterizar o comportamento dos consumidores. No caso dos produtos alimentares, realçou-se a preocupação com o preço como sendo importante, particularmente para 25% dos inquiridos”, explica um comunicado do IPAM.

De acordo com esse documento, “no caso dos bens não duráveis – como, por exemplo, roupa, sapatos e brinquedos -, apesar da melhoria do poder de compra, os argumentos financeiros ganham cada vez mais importância para 75% da população inquirida”.

“A este nível, a preocupação com o preço dos produtos (28%) assume relevância. Importa ainda salientar a seleção do local de compra, nomeadamente em função de campanhas e promoções, consideradas importantes para 28% dos inquiridos”, acrescenta o referido comuniaado.

O estudo do IPAM evidencia ainda uma tendência clara de manutenção das compras nas diferentes áreas, o que já vinha a ser visível desde 2016, designadamente com a cosmética e maquilhagem, atividades de educação e formação para os filhos, despesas no cabeleireiro, entre outras.

Em termos conjunturais, o estudo do IPAM analisou fatores que influenciam o comportamento dos consumidores na compra de produtos, como a instabilidade, a diminuição do orçamento disponível, o desemprego, a apreensão generalizada face ao futuro, “testemunhando um aumento generalizado de confiança”.

“Neste contexto, o IPAM acredita ser possível afirmar que, independentemente de algumas mudanças nas condições de vida dos consumidores, houve uma adaptação à situação de crise e uma mudança profunda de comportamentos com impacto na perceção de qualidade de vida. Algumas alterações efetuadas mantiveram-se, havendo áreas em que se verificam alterações nas perspetivas dos consumidores”, sublinha o referido comunicado.

O estudo do IPAM foi promovido entre os dias 28 de fevereiro e o dia 8 de março de 2018, com uma amostra composta por 450 indivíduos: 25% dos inquéritos foram entrevistados diretamente e 75% foram entrevistados ‘on-line’.

A coordenação do estudo foi da responsabilidade da Professora Mafalda Ferreira, professora do IPAM Porto e Doutorada em Psicologia Social pela Universidade de Cádiz.

Fundado em 1984, o IPAM é a mais antiga e a maior escola de ‘marketing’ em Portugal e uma das mais antigas em todo o Mundo.

Com ‘campus’ no Porto e em Lisboa, o IPAM formou nas últimas três décadas de atividade mais de 10.000 alunos e detém inúmeras parcerias com escolas nacionais e internacionais, como a Pace University de Nova Iorque.

O IPAM integra a rede Laureate International Universities que, em Portugal, detém ainda a Universidade Europeia e o IADE – Universidade Europeia.

“As três instituições portuguesas são certificadas internacionalmente pela B Corp, por contribuírem na sua atividade para uma sociedade mais equilibrada, diversa, participativa e evoluída”, destaca o comunicado do IPAM.

Com mais de um milhão de estudantes, presente em 25 países e com cerca de 70 instituições de ensino superior, a Laureate International Universities reclama a liderança mundial na oferta de instituições de ensino superior.

Ler mais

Recomendadas

5G: Começou hoje a segunda fase da migração das frequências da TDT

A segunda fase da alteração da rede de emissores da televisão digital terrestre (TDT) arrancou esta segunda-feira, 24 de fevereiro, em Vila Nova de São Bento, no concelho de Serpa, um passo essencial para a implementação da quinta geração móvel (5G).

EUA: coronavírus não prejudica, por enquanto, a ‘phase 1’ do acordo comercial com a China

O secretário do tesouro norte-americano, Steven Mnuchin, reconhece que o coronavírus pode atrasar o início das negociações sobre o aprofundamento do acordo comercial com Pequim, mas garantiu não estar preocupado com esse cenário.
catarina_martins_bloco_esquerda_legislativas_1

BE quer subsídio de alimentação da Função Pública como referência para o setor privado

A medida consta de um projeto de lei apresentado pelos bloquistas, que visa que o subsídio diário de alimentação dos trabalhadores do setor privado não seja inferior ao que definido para os trabalhadores da Administração Pública.
Comentários