Pacientes em Portugal ficam em média 7,9 dias no hospital

Os pacientes na Hungria são quem fica mais dias nos hospitais, enquanto os doentes na Bulgária são quem fica menos tempo.

As notícias de que existem portugueses que ficam mais dias nos hospitais do que o necessário são muitas vezes repetidas. O Eurostat, gabinete europeu de estatística, divulgou os dados relativos a 2017 e Portugal, dados de 2015, encontra-se no meio da tabela, que vai dos 4,5 dias aos 9,8 dias de permanência nos hospitais.

No ano em análise, os portugueses ficavam uma média de 7,9 dias nos hospitais, mantendo-se a média desde 2015, segundo os dados divulgados pelo Eurostat. Com a análise a englobar outros países da União Europeia, verifica-se que os Países Baixos têm a taxa mais baixa, com os pacientes a ficarem nos hospitais durante 4,5 dias.

Por sua vez, a Hungria reflete a maior taxa, com os pacientes húngaros a ficarem nos hospitais durante 9,8 dias. Entre as estadias mais duradouras fica também a República Checa, com 9,6 dias, França com 9,1 dias e a Alemanha com os pacientes a permanecerem 9 dias nos hospitais.

Contrariamente, as estadias mais baixas concentram-se na Bulgária com 5,3 dias, Noruega com 5,4 dias e Dinamarca e Suécia com 5,5 dias e 5,6 dias, respetivamente.

Embora os hospitais verifiquem uma maior prevalência de pacientes do sexo feminino, os pacientes masculinos têm estadias de maior duração na maioria dos estados membros.

Recomendadas

Moody’s alerta para as consequências económicas negativas do coronavírus

A agência norte-americana compara mesmo o coronavírus com o da epidemia da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS) que matou 774 pessoas em todo o mundo em 2003

Santander lucra 6,5 mil milhões em 2019, menos 17% que em 2018

O banco espanhol apresentou resultados a caírem por causa dos custos extraordinários com a operação que tem no Reino Unido. Mas em Espanha os lucros subiram. O Santander Totta, em Portugal, contribuiu com 525 milhões de euros para o resultado líquido.

Nigel Farage: “O Brexit é apenas o início de uma reconfiguração na Europa”

O antigo presidente do UKIP e cofundador do Partido Brexit considera que a saída do Reino Unido da União Europeia é resultado de um exercício democrático. “Não há volta a dar. Isto é uma vitória”, afirmou esta quarta-feira em conferência de imprensa em Bruxelas.
Comentários