Portugueses gastaram 10 mil milhões de euros em compras para casa em 2019

Os artigos de mercearia foram os que pesaram mais nos gastos dos portugueses em 2019. Portugueses deram preferências às ‘marcas brancas’ e ao comércio de proximidade.

As famílias portuguesas gastaram, no ano passado, 9,7 mil milhões de euros nas compras para casa, de acordo com um estudo realizado pela Nielson e divulgado esta quarta-feira pelo ‘Jornal de Notícias’ (JN). O valor corresponde a um aumento recorde de 4,8% face ao ano anterior, tendo-se registado um crescimento do consumo em todas as categorias de produtos.

Segundo o estudo, os artigos de mercearia foram os que pesaram mais nos gastos dos portugueses em 2019 (38,8%). Os laticínios continuaram a ser a segunda categoria de produtos mais procurada, apesar de se ter registado uma quebra em relação ao ano anterior: em 2018, pesavam 18,1% no talão de compra dos portugueses, enquanto em 2019 se ficou pelos 17,6%.

Os produtos, as bebidas e os artigos de higiene para o lar foram as categorias de produtos que registaram os maiores aumentos (que vão dos 6% aos 8%) em 2019. Já o consumo de produtos de mercearia e de higiene pessoal cresceram 5% da fatura dos portugueses.

O estudo mostra ainda que as marcas de distribuidor, mais conhecidas por ‘marcas brancas’, foram as que registaram o maior crescimento em 2019: 6,4% contra 4% das marcas de fabricantes. A perder terreno estão os hipermercados, com os consumidores a darem preferência crescente ao comércio de proximidade. O retalho tradicional cresceu 7,3%, enquanto os pequenos supermercados registaram um crescimento de 4,4% e os hipermercados apenas 1,4%.

Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

A edição digital do Jornal Económico vai estar disponível gratuitamente durante as próximas semanas, devido à situação de emergência nacional causada pela epidemia de Covid-19. Desta forma, todos os leitores continuarão a ter acesso ao Jornal Económico.

Défice da balança comercial aumentou para 1.547 milhões de euros em fevereiro

Tanto as importações como as exportações aumentaram no segundo mês do ano devido à subida do comércio intra-União Europeia, segundo o INE.

Mais de 264 mil portugueses estão em risco de desemprego devido à pandemia

Pandemia de Covid-19 pode fazer desemprego disparar 75% até ao final do ano, segundo cálculos do Jornal Económico, com base em cenários publicados pelo Banco de Portugal e dados do Instituto Nacional de Estatística. Serviços e indústria são os mais expostos, dizem especialistas.
Comentários