Portugueses pretendem gastar menos e poupar mais este ano

Enquanto que um terço dos portugueses revela ter intenções de gastar mais do que em 2020, mais de metade afirma reforçar os esforços na poupança, um indicador que coloca Portugal situa-se acima da média europeia.

Embora 2021 se traduza num ano de recuperação económica face aos impactos da pandemia em 2020, os portugueses continuam reticentes quanto aos seus gastos, um panorama que é semelhante ao contexto europeu.

De acordo com os dados divulgados no Barómetro Europeu do Consumo Cetelem 2021, esta terça-feira, apenas 34% dos portugueses diz ter intenções de gastar mais do que em 2020, um valor que se assemelha à média europeia e que representando um aumento de 3 pontos percentuais (p.p) comparativamente a 2020, altura em que 31% afirmava estar em condições de gastar mais do que em 2019. Em Itália, por norma um dos países onde o consumo é maior, este valor é de 38%, verificando-se a queda mais significativa (-26 p.p).

É a nível da poupança que se vê um aumento em termos de consumidores: 54% dos europeus afirmam que pretendem poupar mais do que no ano anterior, um aumento de 3 p.p e um valor recorde. Em Portugal, as intenções de poupança desceram 1 p.p face a 2020, apesar de permanecerem historicamente elevadas (59%) e estarem acima da média europeia (54%). Em Itália, estas intenções aumentaram 11 pontos, para 51%, mas continuam abaixo da média europeia.

O Barómetro indica também que, independentemente da capacidade financeira, há menos vontade de consumir: 48% dos europeus defendem esta ideia, com 26% a referir que não pretende consumir mesmo tendo capacidade para o fazer. Os restantes 22% indicam que não o querem fazer pois, de facto, não possuem meios financeiros para tal.

Os valores registados em contexto nacional assemelham-se à média europeia, com 47% dos portugueses a ter menos vontade de consumir, embora 22% dos mesmos tenha capacidade financeira para tal. Em contexto europeu, é em países como a Áustria (62%) e França (55%) que o desejo de consumir está mais ausente.

Os gastos com viagens e lazer (47%) são aqueles que apresentam uma maior expressão em contexto europeu, embora registem uma quebra na ordem dos 13 pontos percentuais em comparação com o ano anterior. Na segunda e na terceira posições das intenções de compra dos europeus destacam-se, respetivamente, os eletrodomésticos (42%) e os smartphones (38%).

Recomendadas

Portugal terá a ganhar com acordo tributário global, diz ministro das Finanças

João Leão ressalva, contudo, ser “prematuro retirar consequências diretas para Portugal” deste compromisso, uma vez que este dependerá da forma como a criação de uma taxa mínima global sobre os lucros daquelas empresas e a atribuição de direitos fiscais aos países onde as empresas operam e não apenas onde estão sedeadas se irão articular e também de questões que precisam ainda de ser consensualizadas.

Detalhes são importantes na continuação de acordo tributário do G7, dizem especialistas

No passado fim de semana, os países que integram o G7 alcançaram um acordo sobre a reforma do sistema tributário mundial que prevê uma taxa de imposto mínima de 15% sobre as empresas e que as multinacionais paguem impostos nos países onde obtêm receitas e lucram e não apenas naquele (s) onde estão sedeadas.

PremiumPatrões e sindicatos: resposta à crise não foi suficiente

Desde a burocracia excessiva no acesso aos apoios à insuficiência das medidas para proteger rendimentos e empresas, tanto patrões, como sindicatos apontam falhas no primeiro ano de João Leão à frente das Finanças portuguesas.
Comentários