Portugueses são dos que menos se identificam com o “ser europeu”

O Eurobarómetro do Parlamento Europeu divulgou ontem que apesar de 54% dos portugueses consideram que pertencer à União Europeia é uma coisa boa, sobre o sentimento de pertença à UE são dos que menos se identificam com o estatuto europeu.

O Eurobarómetro do Parlamento Europeu publicado ontem revela que os valores de confiança dos europeus em relação à UE são semelhantes aos registados antes da crise de 2007 no que respeita aos benefícios de pertencer à família europeia.

“As conclusões do inquérito são muito encorajadoras. Representam a vontade que têm que a UE responda a uma só voz aos acontecimentos recentes que criaram um mundo mais incerto e perigoso. Cabe a nós, líderes políticos, mostrar que têm razão. Devemos convencê-los, pelo nosso trabalho diário e decisões, que a União pode proteger e melhorar as suas vidas quotidianas”, comentou Antonio Tajani, Presidente do Parlamento Europeu.

O Eurobarómetro mostra ainda que a adesão à UE é vista como positiva aos olhos de 57% dos europeus. Um aumento de quatro pontos percentuais em comparação com o ano passado e praticamente ao mesmo nível de 2007 (58%). No entanto, as percentagens variam significativamente de país para país.

Os resultados mostram ainda que com os últimos acontecimentos internacionais, mais de 70% dos europeus querem uma intervenção mais firme e conjunta por parte da União Europeia na cena internacional. Nomeadamente em relação à eleição de Donald Trump, mundo árabe, a crescente influência da Rússia e da China e ao Brexit.

Uma forte maioria pede ainda que a UE seja mais firme na luta contra o terrorismo (80%) e desemprego (78%), na proteção do ambiente (75%) e no combate à fraude fiscal (74%).

Outro resultado do relatório aponta para um número crescente de europeus (43%) que sente que as suas vozes interessam ao nível europeu. Uma evolução em seis pontos percentuais comparativamente a 2016. No entanto, seis em cada dez europeus consideram que as suas vozes contam no seu país, o que representa um aumento em dez pontos percentuais em relação ao ano anterior.

Finalmente, a maioria dos europeus afirma que as desigualdades entre as diferentes classes sociais são significativas e um terço duvida que a crise vai terminar nos próximos anos.

Portugueses acham que a crise vai durar ainda muito anos

Relativamente a Portugal, a maioria dos portugueses considera que são insuficientes as ações da UE contra o desemprego (80%), sendo que esta é a área prioritária de ação, seguindo-se o terrorismo.

No que respeita ao crescimento do país, um terço dos portugueses (31%) acha que a crise vai durar ainda muitos anos, embora um quarto dos inquiridos (25%) sinta que “já estamos a regressar ao crescimento”.

Sobre o sentimento de pertença à UE, os portugueses são dos que menos se identificam com o “ser europeu” (45%) entre os seus congéneres, enquanto 97% se assume desde logo português. No entanto, mais de metade (54%) considera ser positivo pertencer à família europeia, 32% diz que não é bom, nem mau, apenas 9% diz que é mau e 5% não tem opinião.

Recomendadas

Fundos ESG ainda têm muito espaço para crescer em Portugal

No ano passado, a maioria das subscrições de fundos ESG foram feitas por pessoas singulares (99,2%), segundo os dados da CMVM, que mostram que as subscrições líquidas se revelaram nos quatro últimos anos, apesar de 2020 ter apresentado uma diminuição de 75% face a 2019.

Eletricidade. Desde 2009 que o valor da dívida tarifária não era tão baixo

A dívida vai afundar mil milhões em 2022, a maior descida registada desde 2008.

“Apoios de nove milhões foram cruciais para minimizar prejuízos”, revela presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

“Esses apoios foram cruciais para, de alguma forma, minimizar aquilo que poderiam ser os prejuízos dos agricultores na venda das suas uvas”, revela Gilberto Igrejas. “Foram nove milhões de euros, na Região Demarcada do Douro, muito importantes para que o tecido produtivo não tivesse quebras superiores”, assegura o presidente do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP), na edição do podcast “Conversas com Norte” que irá para o ar na próxima segunda-feira.
Comentários