Poupar água nos edifícios? Sim, podemos poupar mais

São várias as áreas de um edifício – residencial ou comercial – com potencial de redução de desperdícios nos consumos de água.

No artigo “Como melhorar a eficiência hídrica em casa” exploram-se algumas das medidas de uso eficiente da água passíveis de implementar nos edifícios, como a escolha de produtos e dispositivos, máquinas de lavar e sistemas inteligentes de gestão de consumos. Todas estas medidas têm aplicação nos diferentes tipos de edifícios e frações, sejam eles residenciais ou de comércio e serviços.

A estas medidas somam-se outras soluções (Fig. 1), com interesse particular à escala dos edifícios e áreas comuns (eg. condomínios), nomeadamente quando estão em causa grandes consumos de água.

Figura 1 – Destaque de algumas soluções de eficiência hídrica em edifícios e áreas comuns (fonte: e-Book Aqua eXperience, 2018).

REABILITAÇÃO DE REDES PREDIAIS

·         Nos edifícios mais envelhecidos, deve ser analisada a necessidade de reabilitação da rede do edifício, por exemplo, quando se identifiquem perdas de água (devido a ruturas), falta de caudal ou pressão da rede, ou quando ocorrem fenómenos de deposição nas condutas. A renovação da rede predial evitará um gasto de água não útil do edifício. Deve ser efetuada com materiais certificados para água potável, duráveis e resilientes, por forma a minimizar o risco de roturas futuras e em conformidade com as normas portuguesas / europeias de certificação.

ESPAÇOS EXTERIORES

·         As lavagens ou rega de espaços exteriores representam um consumo elevado de água, muitas vezes com qualidade demasiado elevada face ao uso.

·         Assim, devem adotar-se estratégias para melhorar a sua eficiência, como:

o   Configuração dos espaços verdes e escolha de culturas que necessitem de menos água;

o   Programação dos períodos de lavagem e de rega, com adequação às condições meteorológicas, do terreno e das culturas;

o   Adoção de redes de rega eficientes (eg. sistemas gota a gota para jardins e similares e sistemas de rega por aspersão para áreas extensas).

·         A quantidade da água a aplicar em lavagens e rega localizada deve ser adequada às necessidades, reduzindo problemas de escoamento superficial e desperdício. Na rega podem ser instalados sensores de humidade no solo e de interrupção em períodos de precipitação, evitando também o escoamento superficial, que aumenta o consumo de água desnecessário e cria muitas vezes problemas em pavimentos e sumidouros.

·         Adicionalmente, podem ser considerados sistemas de aproveitamento de águas pluviais e reutilização de água como fontes de água alternativas para estes usos.

APROVEITAMENTO DE ÁGUAS PLUVIAIS ATRAVÉS DE COBERTURAS VERDES

·         Para retenção da água da chuva e garantia de conforto térmico e proteção da impermeabilização, pode optar-se por coberturas verdes ou ajardinadas, que consistem na instalação de vegetação sobre uma estrutura construída. Estes sistemas devem ser devidamente dimensionados e mantidos.

Estas e outras soluções e sugestões podem ser encontradas no e-Book Aqua eXperience.

O Aqua eXperience é um projeto de educação, sensibilização e mobilização para a eficiência hídrica e para o nexus água-energia, que pretende contribuir para a alteração de comportamentos dos utilizadores de água em meio urbano, em particular nos edifícios (residenciais, públicos e comerciais). O projeto é desenvolvido pela ADENE e pela EPAL e apoiado pelo Fundo Ambiental do Ministério do Ambiente, no quadro da Estratégia Nacional de Educação Ambiental 2020.

Recomendadas

Reduza a sua fatura de água sem passar sede

Em Portugal os custos com habitação, água, eletricidade e gás ultrapassam os 30% dos custos anuais das famílias. A despesa média por família com abastecimento de água é de 404 euros/ano, a que se soma o custo com energia para o aquecimento da água, num total de 700 euros/ano/família.

Crise hídrica em Portugal já é um cenário real

No Dia Nacional da Água relembramos o papel essencial que este recurso tem para a vida humana. O World Resources Institute estima que, em 2040, Portugal ocupe a 44º posição na lista de países que enfrentará níveis elevados de ‘stress hídrico’

Lisboa quer poupar 75% de água potável com nova rede de água reciclada

Até 2025, a CML antecipa uma redução de 6 milhões de metros cúbicos de água potável através do maior uso de água não potável para lavar ruas, regar espaços verdes ou para uso industriais.
Comentários