Powell não sacia curiosidade sobre novo corte de juros

Presidente da Reserva Federal norte-americana considerou que a economia norte-americana está num bom momento, no entanto, reconheceu que as incertezas provocadas pela guerra comercial colocam um novo “desafio” à ação do banco central.

EPA/JIM LO SCALZO

As atenções dos mercados e analistas estavam centradas no discurso mais aguardado desta sexta-feira em Jackson Hole, mas Jerome Powell não saciou a curiosidade de mais detalhes sobre a ação futura da Reserva Federal norte-americana e centrou-se antes no “desafio” resultante da incerteza provocada pela guerra comercial.

“Temos muita experiência em abordar desenvolvimentos macroeconómicos típicos deste enquadramento. Mas encaixar a incerteza da política comercial nessa estrutura é um novo desafio”, admitiu Powell.

No entanto, o presidente do banco central norte-americano destacou o bom momento da economia norte-americana. “Ao longo do ano, temos monitorizado três factores que têm pesado nas perspetivas favoráveis: abrandamento do crescimento mundial, a incerteza da política comercial, e a inflação moderada”, disse.

O presidente do banco central norte-americano reconheceu que o crescimento do outlook se tem “deteriorado desde meio do ano passado”, mas voltou a sinalizar que a Fed irá “agir de forma apropriada”.

“Os participantes do Comité reagiram de maneira geral a estes desenvolvimentos e os riscos que eles representam ao reverem em baixa as projeções do caminho apropriado para as taxas de juro”, acrescentou.

No final de julho, a Fed cortou a taxa de juro diretora em 25 pontos base, para um intervalo de 2% a 2,25%. A descida da federal funds rate foi a primeira em mais de uma década e representa uma viragem na política monetária da maior economia do mundo. Desde 2015, a Fed prosseguia num processo de ‘normalização’ dessa política, tendo no ano passado subido a taxa de juro quatro vezes até chegar ao intervalo de 2,25% a 2,50%..

Ler mais

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha em queda apesar da subida das papeleiras

A pressionar o mercado estiveram, entre outras, as ações do BCP, da NOS e da Jerónimo Martins. Na Europa o verde dominou os mercados ajudados pelos novos inputs sobre a guerra comercial, que sinalizam uma aproximação entre os EUA e a China para fecharem o acordo de “fase um”.

Exclusivo: Farfetch com ‘breakeven’ em 2021 é “cenário perfeitamente realista”, diz José Neves

Em entrevista ao JE, o CEO diz que a empresa ainda não tem ‘guidance’ oficial, mas vê como correta a estimativa dos analistas sobre o ‘breakeven’ ao nível do EBITDA daqui a dois anos. A melhoria da margem no terceiro trimestre mostra o caminho a seguir, diz, mostrando confiança numa subida das ações. Cotação do título dispara 33% na abertura em Wall Street.

Bolsa de Nova Iorque abre em alta. Farfetch dispara 30% após divulgar resultados

A empresa de ‘e-commerce’, liderada pelo português José Neves, viu o seu prejuízo aumentar 10,6% face ao período homólogo, para 86,5 milhões de dólares, mas teve um disparo de 90% nas receitas (255,5 milhões de dólares).
Comentários