Powell vê ajustes “modestos” às taxas de juros, mas admite ciclo mais longo de cortes se economia travar

“Se a economia ficar mais negativa, então sequência mais extensa de cortes nas taxas seria apropriada”, sublinhou o presidente da Fed. “Nós não vemos isso [a acontecer], não é o que esperamos, mas… certamente seguiríamos esse caminho, se se tornasse apropriado”.

A Reserva Federal (Fed) acredita que irão ser necessários apenas ajustes ligeiros às taxas de juro para conduzir a economia norte-americana às metas de crescimento, emprego e inflação, mas o banco central admite ter de iniciar um ciclo mais longo de cortes se a expansão económica abrandar, afirmou esta quarta-feira Jerome Powell.

Na conferência de imprensa que se seguiu à reunião de dois dias do Federal Open Market Committee, que resultou num corte 25 pontos base na taxa de juro diretora para 1,75%-2%, Powell combinou otimismo sobre a saúde da economia com alguma prudência dados os vários riscos.

Em julho, após a Fed ter descido a federal funds rate pela primeira vez em mais de uma década, Powell explicou que o banco central não espera ter de iniciar um longo ciclo de cortes, posição que desenvolveu esta quarta-feira.

“Vemos um outlook económico favorável, com crescimento moderado contínuo, um mercado laboral forte e a inflação perto do nosso objetivo de 2%. Como viram os membros do FOMC de forma geral pensam que estes resultados positivo serão atingidos com ajustes modestos à federal funds rate”, explicou.

Adiantou no entanto, que há riscos a este outlook positivo na forma de crescimento global fraco e desenvolvimentos no comércio internacional, nomeadamente a guerra de tarifas entre os EUA e a China.

“Se a economia ficar mais negativa, então sequência mais extensa de cortes nas taxas seria apropriada”, sublinhou. “Nós não vemos isso [a acontecer], não é o que esperamos, mas… certamente seguiríamos esse caminho, se se tornasse apropriado.

 

 

 

Ler mais
Relacionadas

Trump acusa Powell e a Fed de não terem “coragem, sentido ou visão”

O presidente norte-americano tem criticado o banco central, dizendo que a lentidão em cortar as taxas de juro está a prejudicar economia na comércio internacional.

Reserva Federal corta taxas de juro em 25 pontos base para 1,75%-2%

O banco central liderado por Jerome Powell repetiu a dose, após em julho ter feito o primeiro corte na ‘federal funds rate’ em mais de uma década.
Recomendadas

Bolsa nacional acompanha Europa, dominada pelo tema Brexit

Em Lisboa, há quinze empresas cotadas a negociar em alta, uma em baixa e duas sem variação.

Brexit, uma história interminável

O mercado está agora numa fase de algum risco acrescido, que a época de resultados não tem conseguido amenizar, até porque as empresas não fazem milagres e o ambiente económico é hoje bem mais desafiante do que há um ano

Topo da agenda: tudo o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A reunião do BCE esta quinta-feira será a última do mandato de Mario Draghi, numa semana na qual a incerteza sobre o Brexit irá continuar. A época de resultados chega ao PSI 20, com a Galp e a Jerónimo Martins a divulgarem números do terceiro trimestre.
Comentários