Prazo para subscrever às “Obrigações TAP 2019-2023” termina esta terça-feira

Com este empréstimo obrigacionista lançado no dia 3 de junho, a TAP pretende levantar 200 milhões de euros. As obrigações têm uma maturidade de quatros anos e oferecem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Os resultados da operação serão conhecidos esta quarta-feira, dia 19.

Termina às 15 horas desta terça-feira o prazo de subscrição ao empréstimo obrigacionista lançado pela TAP, dona da companhia aérea TAP Air Portugal. A empresa luso-brasileira vai colocar 200 mil obrigações – denominadas “Obrigações TAP 2019-2023” – e pretende angariar 200 milhões de euros, com a maturidade até 2023 e a oferecerem uma rentabilidade de 4,375% por ano. Cada obrigação vale assim um euro.

Com esta emissão de dívida, lançada no dia 3 junho, a TAP pretendia inicialmente levantar 50 milhões de euros. Mas, na passada sexta-feira, dia 14, a empresa detida maioritariamente pela Parpublica, holding do Estado português, e pela Atlantic Gate, do empresário brasileiro, David Neeleman, decidiu aumentar o valor da oferta pública de subscrições para 200 milhões.

Os resultados da oferta serão apurados esta quarta-feira, dia 19, com a estreia dos títulos em mercado no próximo dia 24 de junho.

O chairman da TAP, Miguel Frasquilho, que foi nomeado pelo acionista Estado, disse ao Jornal Económico, no início deste mês, que este empréstimo obrigacionista destina-se a financiar a “atividade corrente, como em qualquer empresa”, e permitirá “alongar a maturidade da nossa dívida, portanto é interessante em termos de gestão de balanço”.

Polémica dos prémios coincidiu com oferta

A operação foi comunicada ao mercado, na Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM), dias antes de o estalar da polémica que envolveu a atribuição de prémios a 180 administradores, no valor de 1,171 milhões de euros, relativos ao exercício de 2018.

Sobre estes prémios, o primeiro-ministro, António Costa, disse que “é incompatível com os padrões de sobriedade que devem existir nas empresas em que o Estado participa” durante o debate quinzenal na Assembleia da República, no passado dia 6.

Mais tarde, também o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, falou sobre a polémica atribuição de prémios e afirmou que “o Estado tem metade do capital da TAP e deve acompanhar atentamente a gestão da TAP”, o que inclui a política de prémios.

Em comunicado divulgado no dia 8 de junho, o conselho de administração da TAP afirmou que se tinha verificado “um mal entendido relativamente à deliberação” sobre a atribuição dos prémios e resolveu criar um ‘comité de recursos humanos‘ para reforçar a estrutura de governo interno da empresa e “melhorar a articulação relativamente a esta matéria”. O ‘comité de recursos humanos’ será presidido pelo presidente da comissão executiva da TAP, Antonoaldo Neves.

No ano passado, a TAP registou prejuízos de 118 milhões de euros, o que compara com os lucros de 21 milhões, registados em 2017.

PremiumPrémios polémicos evocam ‘fantasma’ da recompra da TAP

Ler mais
Relacionadas

TAP aumenta oferta de obrigações para 200 milhões de euros

O prazo de subscrição arrancou a 3 de junho, decorrendo até às 15 horas do dia 18 de junho. As obrigações têm um prazo de quatro anos, até 2023, com uma taxa de juro de 4,375%.

Chairman Frasquilho discordou, mas o CEO Antonoaldo avançou com o pagamento de prémios na TAP

O Jornal Económico sabe que o Chairman Miguel Frasquilho discordou dos prémios na TAP. Mas, mesmo assim, o CEO, Antonoaldo Neves, avançou com o pagamento de alguns prémios, no valor de 1,171 milhões de euros, destinados a 180 quadros, no âmbito do “programa de mérito” da empresa. O Primeiro ministro, António Costa, considera estes prémios incompatíveis com padrões de sobriedade que devem existir nas empresas participadas pelo Estado.

TAP será reavaliada antes de alienar direitos económicos

Os accionistas vão votar as contas de 2018 a 29 de abril. A transportadora aérea será reavaliada para se saber quanto valem os direitos a alienar.
Recomendadas

Ligações fluviais entre Barreiro e Lisboa não estão asseguradas na manhã e início da tarde deste sábado

Entre as 7h25 e as 14h55, no sentido entre o Barreiro e Lisboa, e entre as 7h55 e às 15h25, no sentido contrário, as ligações não estão asseguradas, estando os horários “sujeitos a confirmação”, diz Soflusa em comunicado.

BdP e CMVM já enviaram as respostas que a ASF precisa para avaliar idoneidade da administração da Mutualista

O Banco de Portugal enviou ontem por escrito a informação que a ASF diz ter pedido para avançar com a avaliação da idoneidade da administração de Tomás Correia. A CMVM também já respondeu ao regulador dos seguros.

Efacec emitiu obrigações no valor de 58 milhões de euros

De acordo com a informação da empresa liderada por Isabel dos Santos, esta operação vai suportar o crescimento sustentado dos negócios do grupo. A Optimal Investments e a Beka Finance atuaram como assessores financeiros da operação.
Comentários