Precariedade habitacional e laboral e transportes na origem do aumento de casos de Covid-19 em Loures

“Estamos a falar de uma população ativa que trabalha. A subsistência acaba por ser mais forte do que o confinamento. Confirma-se que não estamos todos no mesmo barco e que as condições sociais são um fator agravante da covid-19”, apontou o autarca.

A precariedade habitacional, laboral e a necessidade de utilização de transportes públicos são as principais causas para o aumento das infeções no concelho de Loures, anunciou hoje a autarquia, indicando que se registam 500 casos ativos. O município de Loures, no distrito de Lisboa, é um dos concelhos da região de Lisboa e Vale do Tejo que regista mais casos positivos da covid-19, com um total acumulado de 1.383 desde o início da pandemia.

No entanto, numa conferência de imprensa realizada ao final da manhã, o presidente da Câmara Municipal de Loures, Bernardino Soares (CDU), ressalvou que desses casos mantêm-se ativos 33%, ou seja, cerca de 500.

O autarca explicou que existe uma equipa de trabalho, composta por elementos da Saúde Pública, Segurança Social e Câmara Municipal no terreno e que “todos os focos estão identificados”, assim como “as medidas necessárias para os controlar”.

Relativamente às razões para o aumento de casos, os responsáveis apontam para as situações de precariedade habitacional, social e a necessidade de utilização de transportes públicos. “Estamos a falar de uma população ativa que trabalha. A subsistência acaba por ser mais forte do que o confinamento. Confirma-se que não estamos todos no mesmo barco e que as condições sociais são um fator agravante da covid-19”, apontou.

Neste momento, as freguesias mais afetadas no concelho são as uniões de freguesia de Camarate, Unhos e Apelação e a de Sacavém e Prior Velho. Portugal regista hoje 1.505 mortes relacionadas com a covid-19, mais um do que na quinta-feira, e 36.180 infetados, mais 270, segundo o boletim epidemiológico divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Recomendadas

Regulador americano autoriza terceira dose da Pfizer para idosos e adultos de risco

A Food and Drug Administration (FDA) anunciou que os adultos com mais de 65 anos podem receber a terceira dose da vacina desenvolvida pela Pfizer/BioNTech, desde que seis meses após a segunda dose. A autorização estende-se ainda a adultos que estejam em risco elevado de contrair complicações severas após a infeção.

Miguel Gouveia diz que votar na Coligação Confiança é a “garantia da liberdade que se vive e sente” no Funchal

O candidato da Coligação Confiança considerou que no próximo fim-de-semana, “estaremos à altura da confiança dos funchalenses, porque ninguém quer voltar para trás, ninguém quer voltar a um passado de má memória, em que esta Câmara era um mau exemplo para todas as Câmaras do país, em termos financeiros, urbanísticos, na causa animal, na igualdade e na sustentabilidade e, acima de tudo, era um mau exemplo na liberdade que deve caracterizar o poder local autónomo”.

Governo não vai obrigar a englobamento de rendas no IRS

“O Governo não está a estudar ou a preparar para este Orçamento do Estado o englobamento de rendimentos prediais nem de juros de depósito”, disse fonte do Executivo ao “Observador”.
Comentários