Preço da carne de porco aumenta 40% em dois meses

O início das exportações para a China, em janeiro, trouxe novo alento ao setor que assume o “bom momento”.

O preço da carne de porco aumentou no mercado português cerca de 40% em apenas dois meses, graças à abertura, em janeiro, do mercado chinês aos produtores portugueses.

David Neves, presidente da Associação dos Suinicultores de Leiria, afirma, em declarações ao “Correio da manhã”, que a “abertura das exportações à China acabou por relançar o setor”, considerando que os produtores começam agora a vender a preços justos. “A crise de 2015, por causa do embargo à Rússia, criou-nos grandes dificuldades, que começamos agora a superar”, declarou o responsável, acrescentando que já se fala em “aumentar a produção”.

Mas enquanto os produtores fazem a festa, os consumidores nem tanto. Em menos de um mês, o quilo da costeleta passou dos 2,99 euros, para 3,99 euros. No que diz respeito às carnes desmanchadas, a barriga, por exemplo, passou de 2,5 euros para 2,95 euros e a pá subiu de 1,63 para 2,55 euros. “É o maior aumento da carne de porco de que me lembro, em tão pouco tempo e os fornecedores já nos disseram que na próxima semana volta a aumentar”, disse ao CM o cortador José Luís Pereira, do Supertalho, em Braga.

Fonte da Associação Portuguesa dos Industriais de carnes adiantou ao jornal que o preço da carcaça (peça de porco inteira) passou de 1,60 euros por quilo, em finais de janeiro, para 2,20 euros na semana passada, ou seja, em pouco mais de dois meses, o preço subiu cerca de 40%.

Recomendadas

Mesmo sem Via CTT, reembolsos do IVA e IRC não serão suspensos

Os contribuintes que tenham direito ao reembolso do IRC ou do IVA, mas que não tenham aderido ao Via CTT, receberão os reembolsos devidos mesmos que sem a situação regularizada, esclarece um despacho normativo hoje publicado em Diário da República.

CGD baixa taxa mínima do spread para 1,23%. É o sexto banco a baixar custo do crédito à habitação

Em quatro meses, desde janeiro, seis bancos já reviram em baixa o spread mínimo cobrado aos clientes. O último a fazê-lo foi a CGD, depois do EuroBic, do BPI, do Crédito Agrícola, do Santander Totta e do Montepio.

Segurança Social: A partir de hoje já pode pagar online dívidas em prestações

O pedido para pagar dívidas, que se encontrem em execução civil, em prestações à Segurança Social já pode ser feito online. A nova funcionalidade, através da Segurança Social Direta, está disponível a partir desta quinta-feira, 18 de abril.
Comentários