Preço da carne de porco aumenta 40% em dois meses

O início das exportações para a China, em janeiro, trouxe novo alento ao setor que assume o “bom momento”.

O preço da carne de porco aumentou no mercado português cerca de 40% em apenas dois meses, graças à abertura, em janeiro, do mercado chinês aos produtores portugueses.

David Neves, presidente da Associação dos Suinicultores de Leiria, afirma, em declarações ao “Correio da manhã”, que a “abertura das exportações à China acabou por relançar o setor”, considerando que os produtores começam agora a vender a preços justos. “A crise de 2015, por causa do embargo à Rússia, criou-nos grandes dificuldades, que começamos agora a superar”, declarou o responsável, acrescentando que já se fala em “aumentar a produção”.

Mas enquanto os produtores fazem a festa, os consumidores nem tanto. Em menos de um mês, o quilo da costeleta passou dos 2,99 euros, para 3,99 euros. No que diz respeito às carnes desmanchadas, a barriga, por exemplo, passou de 2,5 euros para 2,95 euros e a pá subiu de 1,63 para 2,55 euros. “É o maior aumento da carne de porco de que me lembro, em tão pouco tempo e os fornecedores já nos disseram que na próxima semana volta a aumentar”, disse ao CM o cortador José Luís Pereira, do Supertalho, em Braga.

Fonte da Associação Portuguesa dos Industriais de carnes adiantou ao jornal que o preço da carcaça (peça de porco inteira) passou de 1,60 euros por quilo, em finais de janeiro, para 2,20 euros na semana passada, ou seja, em pouco mais de dois meses, o preço subiu cerca de 40%.

Recomendadas

Combustíveis. Preço da gasolina desce e gasóleo fica inalterado

A gasolina desce e o gasóleo fica inalterado nos postos de combustível nacionais na próxima semana, depois dos fortes recuos que tiveram lugar esta semana.

Isenção automática de IMI chegou este ano a 1,17 milhões de pessoas

Em causa está um benefício que é atribuído de forma automática pela Autoridade Tributária e Aduaneira aos proprietários de imóveis de valor patrimonial inferior a 66.500 euros e com agregados familiares cujo rendimento bruto anual não exceda 2,3 indexantes de apoios sociais, ou seja, 15.295 euros (475 euros x 14 meses x 2,3 IAS).

Sabe o que é o atestado médico de incapacidade multiuso?

Informamos sobre este documento e sobre como requerê-lo.
Comentários