Preço de vendas das casas desce 2,1% em setembro

Em termos homólogos, os preços das habitações subiram 7,9% em setembro, revelando um abrandamento face ao crescimento de 11,7% verificados no mês anterior.

Cristina Bernardo

Os preço de venda das casas em Portugal Continental verificaram uma descida de 2,1% em setembro face ao mês anterior, de acordo com os últimos resultados do Índice de Preços Residenciais da Confidencial Imobiliário divulgados esta terça-feira, 27 de outubro.

Com exceção de variações negativas residuais que não foram além dos 0,3%, esta foi também a primeira descida em cadeia desde setembro de 2015, sendo também uma das descidas a nível mensal mais expressiva dos preços das casas desde 2007, e somente superada pela variação de negativa de 2,2% de maio de 2011.

Em termos homólogos, os preços das habitações subiram 7,9% em setembro, revelando um abrandamento face ao crescimento de 11,7% verificados no mês anterior. Desta forma, o ritmo de crescimento homólogo dos preços da habitação em setembro fica em menos de metade do início do ano, quando tal valorização atingiu os 17,4%.

Ricardo Guimarães, Diretor da Confidencial Imobiliário, afirma que “a descida registada agora em setembro só terá um significado em função da evolução que se venha a observar nos próximos meses. Na prática, esta redução repõe os preços no mesmo patamar de março de 2020, anulando o crescimento registado desde então”.

O responsável considera por isso ser “normal haver expetativas de descida nos preços, em face da crise económica e social em curso. Mas é igualmente admissível que, conforme sucedeu até agora, o mercado opte por resistir e aguardar por informação quanto à resolução da pandemia”.

Recomendadas

Avaliação bancária às casas fixou-se nos 1.131 euros por metro quadrado em outubro

O valor mediano do metro quadrado cresceu três euros de setembro para outubro, segundo os dados do Instituto Nacional de Estatística divulgados esta sexta-feira. Madeira verificou o maior aumento dos valores atribuídos pela banca aos imóveis.

Alojamento local com quebras de faturação superiores a 75% no segundo trimestre

Esta é uma das conclusões do inquérito realizado a 868 titulares e gestores de AL do país, promovido pelo DINÂMIA’CET – Centro de Estudos sobre a Mudança Socioeconómica e o Território, do ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa.

Estrangeiros responsáveis por 80% da procura por casas na Comporta

Investidores internacionais impulsionam imobiliário de luxo na Comporta. Procura deverá aumentar no próximo ano com a retoma do turismo a partir do segundo trimestre de 2021, estima a Engel & Völkers.
Comentários