Preço médio do arrendamento aumentou 10% em junho

Lisboa continua a ser a região com as rendas mais elevadas ao atingir, em média, os 1.546 euros.

Cristina Bernardo

O preço médio do arrendamento em Portugal registou um aumento de 10% em junho, face ao verificado no mês anterior, de acordo com um estudo divulgado pelo portal “Imovirtual” esta quinta-feira, 9 de julho.

Lisboa continua a ser a região com as rendas mais elevadas ao atingir, em média, os 1.546 euros, enquanto os distritos de Portalegre (320 euros), Guarda (357 euros), Castelo Branco (381 euros) e Vila Real (465 euros), verificam os valores mais baixos de arrendamento.

Em termos de subida no preço médio de venda, Setúbal com 4%, foi o que registou o maior crescimento, seguido por Lisboa (3.7%), Porto (2.7%), Faro (2.4%) e a Região Autónoma da Madeira (0.4%). No entanto, em termos de valores absolutos, a capital do país (577.150 euros) continua a ser a região mais cara para a compra de imóvel.

Em sentido inverso, os distritos com valores médios de venda mais baixos são Castelo Branco (120.534 euros), Guarda (124.678 euros), Beja (130.151 euros) e Portalegre (135.454 euros).

Comparativamente ao período homólogo do ano passado, cujo valor foi de 1.208 euros, verifica-se que o preço médio de arrendamento caiu 0,2%. O preço médio de venda, no entanto, aumentou 2,9%, sendo que em junho de 2019 situava-se nos 349.044 euros.

Recomendadas

PremiumMercado imobiliário dá sinais de recuperação após desconfinamento

Durante o período do confinamento, o setor imobiliário viu a sua atividade suspensa, mas a recuperação tem sido sólida, garantem os mediadores. Impacto da recessão ainda não se fez sentir.

Vistos Gold: Investimento cai 43% em julho para 56 milhões

O investimento captado através dos vistos ‘gold’ recuaram 43% em julho, em termos homólogos, e diminuíram 37% face a junho, para 56 milhões de euros, segundo contas feitas pela Lusa com base nas estatísticas do SEF.

Custos de construção com aumento homólogo de 1,1% em junho

Em relação ao mês anterior regista-se um crescimento de 0,4 pontos percentuais (p.p.). Já o preço dos materiais e o custo da mão de obra apresentaram, respetivamente, variações de 0,6% e de 1,8% face ao período homólogo.
Comentários