PremiumPreços da habitação são “incomportáveis” para as famílias portuguesas

Associação Lisbonense de Proprietários assume que Portugal continua com casas a “preço de saldo” no plano internacional, algo que se irá manter seja para comprar ou arrendar. Economista diz que tudo dependerá das políticas públicas ao nível de impostos.

Um ano depois da pandemia ter chegado a Portugal os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) indicam que os preços das casas subiram 8,4% face ao ano anterior, aumentando 8,7% no caso das habitações usadas, e 7,4% nas habitações novas. Em 2020 foram transacionadas 171.800 casas, menos 5,3% que no ano anterior, o que representou um volume de negócios de 26.200 milhões de euros, mais 2,4% que no ano anterior.

Em declarações ao Jornal Económico (JE), Diana Ralha, diretora da Associação Lisbonense de Proprietários (ALP) faz um balanço do último ano na habitação. “Se a nível nacional, o valor da habitação é cada vez mais incomportável para as famílias portuguesas, atingindo uma percentagem do rendimento disponível superior a 30% a verdade é que continuamos com o imobiliário a “preço de saldo” no plano internacional, e isso irá manter-se como um dos grandes atrativos do nosso mercado, quer na compra e venda, quer no arrendamento”, explica.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Como são financiadas as nossas reformas? Veja o “Economize”, programa de finanças pessoais

Acompanhe o “Economize” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Como são financiadas as nossas reformas? Esta sexta-feira há “Economize”, programa de finanças pessoais

Acompanhe o “Economize” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Saiba quem é pode beneficiar do pagamento repartido de dívidas à Segurança Social

Entrou em vigor a 8 de abril um regime excecional de pagamento faseado de dívidas de contribuições à segurança social que não se encontrem em fase de processo executivo.
Comentários