Preços na produção industrial em Portugal caem acima da média europeia em agosto

Os preços na produção industrial caíram 2,5% na zona euro e 2,3% na União Europeia (UE) em agosto, em termos homólogos de 2019, de acordo com o Eurostat.

Os preços na produção industrial caíram 2,5% na zona euro e 2,3% na União Europeia (UE) em agosto, em termos homólogos de 2019, de acordo com os dados divulgados pelo Eurostat, esta quinta-feira. Portugal registou um recuo acima da média (-3,3%).

Comparativamente com o mês de julho, os preços na produção industrial cresceu 0,1% na zona euro e 0,2% na UE. Nesta comparação Portugal registou um desempenho em contraciclo, com uma quebra de 0,1% dos preços na produção industrial.

Na variação homóloga, Lituânia (-6,8%), Letónia (-5,1%) e Itália (-4,0%) registaram as maiores quedas. Por oposição, Malta (1,6%), Hungria (0,4%) e a Eslovénia (0,3%) foram os únicos países a registar subidas dos preços na produção industrial.

Perante o mês de julho, Estónia (3,1%), Dinamarca (2,2%) e Finlândia (1,6%) registaram os maiores ganhos. Já a Bulgária (-0,5%), a Eslováquia (-0,4%), a República Checa, a Croácia e a Roménia (-0,3%) tiveram as maiores quebras.

Recomendadas

OCDE diz que economia mundial vai contrair 4,2% em 2020, recuperando 4,2% e 3,7% nos anos seguintes

China vai concentrar um terço do crescimento mundial em 2021 e é a única das principais economias a terminar 2020 com nota positiva. Zona euro sofre uma quebra de 7,5% este ano, e nos seguintes terá, tal como os Estados Unidos, “um contributo menor do que o seu peso na economia mundial” no que toca à recuperação.

OCDE prevê que economia portuguesa cresça apenas 1,7% em 2021 e 1,9% em 2022

“Economic Outlook” prevê recuperação mais lenta da economia nacional do que a prevista pelo Governo e um pico do desemprego no próximo ano. Mas revê em baixa a quebra do PIB em 2020, apontando para 8,4%.

Economia da zona euro precisa de mais apoio com segunda vaga, considera FMI

“Com a segunda vaga, as políticas orçamentais nacionais provavelmente necessitam de dar um apoio geral por mais tempo do que o inicialmente estimado”, indicou o FMI, na sua revisão da economia da zona euro.
Comentários