Preços das casas vão estabilizar em Lisboa e subir nas periferias

2018 foi um ano de recordes em quase todas as frentes do mercado imobiliário. A rede imobiliária Century 21 Portugal não fugiu à regra e terminou o ano com um aumento de 17% na faturação, superando os 41 milhões de euros, resultado do número de transações de venda que ultrapassou as 12.500 de casas representando […]

2018 foi um ano de recordes em quase todas as frentes do mercado imobiliário. A rede imobiliária Century 21 Portugal não fugiu à regra e terminou o ano com um aumento de 17% na faturação, superando os 41 milhões de euros, resultado do número de transações de venda que ultrapassou as 12.500 de casas representando um crescimento de 14%.

Números que poderiam ser mais elevados se a oferta correspondesse à procura. Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal, revela ao Diário Imobiliário que é nos segmentos médio e médio baixo que se concentra, atualmente, a procura. “Contudo, a oferta disponível no mercado não é suficiente nem ajustada a este perfil de procura”, admite.

Já o valor médio de venda dos imóveis, a nível nacional, superou os 140,5 mil euros, o que revela um acréscimo de cerca de 9% face ao valor médio de 129 mil euros registado em 2017. Esta subida do valor médio das transações reflete, por um lado, o aumento dos preços dos imóveis e, por outro lado, o tipo de habitações em oferta, no mercado.

Apesar da subida constante do preço das casas, o CEO da Century 21 revela que os indicadores da mediadora “levam-nos a acreditar que os preços vão estabilizar em Lisboa e subir nas periferias”.  Ricardo Sousa, acrescenta que o nível de preços dos imóveis no centro da cidade já está a superar o rendimento disponível das famílias portuguesas para aquisição de casa, pelo que a procura está a deslocalizar-se agora para as periferias, para encontrar as soluções de habitação em linha com as suas expetativas e capacidades financeiras. “Esta tendência vai, consequentemente, gerar maior pressão nos preços das zonas mais periféricas da cidade”.

O responsável indica que há cada vez mais famílias e jovens portugueses a não conseguirem aceder a soluções de habitação. “Os nossos dados indicam que mais de 20% da procura está a desistir de comprar casa. Os que avançam para aquisição de habitação acabam, muitas vezes, por abdicar de factores como a área – optam por casas mais pequenas – desistem da zona inicialmente pretendida e de alguns extras, para conseguirem imóveis dentro dos valores que podem assumir”, salienta.

Preços altos travam o mercado

Para Ricardo Sousa, atualmente o principal desafio dos portugueses na aquisição de casa, é o preço. De acordo com o estudo realizado pela Century 21 Portugal, na Área Metropolitana de Lisboa, o preço médio que as famílias estão dispostas a pagar por uma habitação é de 166 593 euros, financiado por um crédito à habitação de cerca de 506 euros mensais. Na Área Metropolitana do Porto, o preço médio que as famílias estão dispostas a pagar é 137 587 euros, financiado por um crédito à habitação até 491 euros mensais. No Algarve, o preço médio pretendido fixa-se nos 130 708 euros, financiado por um crédito à habitação de 475 euros mensais, enquanto no resto do País este valor cai para os 126 101 euros, com um financiamento de crédito à habitação de 489 euros mensais.

“Quando se analisa o mercado de oferta de habitação, o preço médio para venda, a nível nacional, é de 173 252,84 euros, um valor que supera em 24,9% o que os consumidores pretendem pagar por um imóvel. Estes indicadores permitem-nos concluir que a oferta disponível está concentrada num segmento de mercado que não é a acessível à maioria da classe média portuguesa”, refere.

De facto, o valor real das casas está desajustado ao preço praticado. “Essa é uma realidade que se verifica, por exemplo, nos imóveis usados, onde o asking price está inflacionado e o gap para o preço real de venda é, em média, 10%”.

Ainda há muito por fazer

Apesar do desquilíbrio entre oferta e procura e aos preços praticados e ao reduzido rendimento disponível dos portugueses para aquisição de casa, Ricardo Sousa, assegura que o potencial do mercado imobiliário português é inquestionável, em todos os segmentos, e ainda há muito por fazer, quer para dar resposta ao segmento nacional, quer para suprir as expetativas da procura internacional. Em 2018, foram realizadas 2218 transações internacionais de venda na rede Century 21 Portugal, numa subida de 6% face às 2087 registadas no ano anterior.

“O grande desafio que o setor enfrenta é a atração de não residentes, através do crescimento sustentado do turismo. É, igualmente, importante alavancar a atração e retenção de talento, para assegurar a fixação de empresas, e para potenciar indicadores sólidos de desenvolvimento económico, para o futuro do nosso País”, conclui.

Ler mais
Recomendadas

Saiba que cuidados deve ter ao organizar as suas férias (parte 3)

Verifique se o contrato inclui as informações referidas no programa de viagens e ainda os serviços pagos pelo cliente, de forma facultativa, bem como todas as exigências específicas acordadas entre cliente e agência.

Portugueses estão a pedir mais empréstimos para pagar contas. Pedem em média 2.239 euros

Para pagar as suas contas, os portugueses estão a aumentar os empréstimos. Nos últimos seis meses pediram 2.239 euros, mais 400 euros face ao período homólogo. Estudo da Intrum conclui, tal como o Banco de Portugal, que o aumento foi suportado pelo crescimento dos créditos pessoais sem fins específicos.

Bankinter lança Crédito Multilinha para Empresas

O banco quer dar às empresas maior flexibilidade e rapidez, e permitir aceder de forma simplificada ao crédito, “de forma a responder às suas necessidades correntes de tesouraria e de financiamento futuro”.
Comentários