Prejuízos da TAP nos próximos dois anos? Governo diz que “não pode simplesmente anuir”

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, acredita que a companhia aérea TAP vai precisar de alguns anos até sair do vermelho e aconselha a empresa a evitar decisões que possam ser “negativas e desrespeitosas” para com próprios trabalhadores.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, afirmou esta sexta-feira que o Governo “não pode simplesmente anuir” face aos prejuízos registados pela companhia aérea TAP. O ministro acredita que a TAP vai precisar de alguns anos até sair do vermelho e aconselha a empresa a evitar decisões que possam ser “negativas e desrespeitosas” para com próprios trabalhadores.

“Nós queremos acreditar que há uma estratégia [por parte do Conselho de Administração da TAP], mas era de bom senso não tomar algumas decisões acabem por ser interpretadas de forma profundamente negativa e desrespeitosa pelos portugueses e pelos próprios trabalhadores da TAP”, referiu o ministro aos jornalistas, à margem de um almoço-debate promovido pelo International Club of Portugal (ICPT) sobre ‘Os desafios da ferrovia: infraestrutura, serviços e indústria’.

Em causa estão as declarações feitas pelo CEO da TAP, Antonoaldo Neves, ao Jornal Económico de que “a TAP não vai crescer durante, pelo menos, os próximos dois anos”. Antonoaldo Neves explica que tal se deve ao facto de de não ter condições para aumentar a sua operação em Lisboa, nem ter garantias de eficiência da infraestrutura aeroportuária que permitam assumir novos compromissos com mais aviões e com a contratação de tripulações para operar esses aviões.

Pedro Nuno Santos diz que o reconhecimento de que, “durante algum tempo, há a necessidade de sofrer as consequências do início da implementação” da estratégia delineada pelo Conselho de Administração da TAP é “uma novidade” e que o Governo não pode cruzar os braços perante isso.

“Os orçamentos, que foram apresentados para 2018 e 2019, prometeram ao Conselho de Administração e, portanto, aos acionistas, que a empresa [TAP] daria lucro. Por isso, a nossa reação não pode ser simplesmente de anuir”, sublinhou o governante.

Segundo dados divulgados pela TAP, a companhia aérea registou prejuízos de 95,6 milhões de euros em 2019, em plena polémica relacionada com os prémios que a companhia paga a alguns dos seus trabalhadores. “Os prejuízos subiram 37,6 milhões face ao ano anterior “em resultado do investimento na renovação da frota sendo os custos relacionados com o processo de transformação da frota de aproximadamente 55 milhões”, justificou a empresa, em comunicado.

“A TAP continua a dar prejuízos avultados. A explicação é que durante um período inicial de nova estratégia a TAP ainda apresente prejuízos, mas só agora é que é assumido publicamente que os próximos dois anos vão dar prejuízos”, referiu Pedro Nuno Santos.

O governante advertiu ainda: “Diz o bom senso que, perante um quadro destes em que é prometido o lucro e o resultado final é de prejuízo acima de 100 milhões de euros, que se abstivessem de distribuir prémios, por respeito para com o povo português e para com a esmagadora maioria dos trabalhadores da TAP que não vão receber nada”.

Ler mais
Relacionadas

PremiumAntonoaldo Neves: “A TAP não vai crescer durante pelo menos os próximos dois anos”

Faltam ‘slots’ para os aviões da TAP no aeroporto Humberto Delgado. Antonoaldo Neves diz ao Jornal Económico que isso implica a não realização de 1.500 voos no próximo verão e que o problema não tem solução rápida.

Antonoaldo Neves: Quem vai pagar os prejuízos da TAP com a suspensão de 90 dias nos voos para a Venezuela?

A suspensão da TAP nos seus voos para a Venezuela representam prejuízos de pelo menos 10 milhões de euros, referiu o presidente executivo da TAP no final da conferência de imprensa de apresentação dos resultados de 2019.
TAP Portugal

105,6 milhões de euros de prejuízos em 2019 transformam TAP num “barril de pólvora”

A situação na TAP, segundo referiram ao Jornal Económico fontes da empresa, “é um verdadeiro barril de pólvora, porque voltou a viver um aumento de tensões entre acionistas e entre a tutela estatal e a gestão executiva, em questões que são do manifesto desagrado da Comissão de Trabalhadores”.
Recomendadas

Catarina Martins ouve de António Costa que “ainda não chegámos ao ponto” da requisição civil da saúde privada

Coordenadora do Bloco de Esquerda disse que as camas disponibilizadas pelos hospitais privados são “uma gota de água no meio de um tsunami” e voltou a exigiri que toda a capacidade instalada de saúde em Portugal fique “sob a alçada e articulação” do Serviço Nacional de Saúde.

António Costa avança com antecipação de mais de mil milhões de euros do Plano de Recuperação e Resiliência

Primeiro-ministro teve “esforço titânico do Governo” para injetar liquidez na economia elogiado pela líder parlamentar socialista Ana Catarina Mendes.
Ana Catarina Mendes

Ana Catarina Mendes volta a atacar Ricardo Baptista Leite no debate parlamentar

Líder do grupo parlamentar do PS disse que o combate à pandemia de Covid-19 “não é o combate dos voluntários por um dia para fazer política no outro”, depois de ter criticado o vídeo partilhado nas redes sociais pelo médico e deputado social-democrata.
Comentários