Prémio Nobel Mohan Munasinghe diz que energia nuclear não deve ser excluída das opções

Na conferência “O Mundo depois das Alterações Climáticas”, o especialista em alterações climáticas defendeu a necessidade de “manter todas as opções em aberto”. “O grande inimigo é a insustentabilidade”, referiu o professor do Sri Lanka.

Cristina Bernardo

O especialista em alterações climáticas Mohan Munasinghe referiu, esta segunda-feira, que a energia nuclear não deve ser excluída da mesa de opções. Na conferência “O Mundo depois das Alterações Climáticas”, o professor defendeu a necessidade de “manter todas as opções em aberto”.

Questionado pela assistência sobre a utilização de energia biodiesel, Mohan Munasinghe explicou a importância de pensar sobre o problema a que os atores pretendem responder. “Se compararmos carros elétricos, a emissão pode ser zero, mas tem que se questionar como é que a eletricidade está a ser produzida. É energia fóssil?”, perguntou aos presentes no encontro.

“Há muitas implicações em prática que precisamos de analisar (…). Mantenhamos todas as opções, mesmo a nuclear”, disse. O especialista voltou a frisar a necessidade de não combinar soluções: “Não apenas uma ou outra, mas a combinação. Os países têm o direito a escolher”.

Em relação ao protesto que reuniu milhares de jovens em Portugal em torno da exigência de combate à crise ambiental, na passada sexta-feira, Mohan Munasinghe confessou estar “esperançoso de que esta geração seja capaz de fazer a diferença, seja capaz de fazer mais do que a anterior”. “A minha resposta está relacionada com a minha experiência pessoal. Nos anos 60 dizíamos: «Alguma coisa tem de mudar». Nos anos 80 e 90, as pessoas começaram a estar mais preocupadas em arranjar empregos. Agora, os millennials querem de novo mudar o sistema”, assegurou o físico.

Mohan Munasinghe era vice-presidente do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas (IPCC), da Organização das Nações Unidas, quando este organismo partilhou o Prémio Nobel da Paz de 2007 com o ex-vice-presidente norte-americano Al Gore. O académico do Sri Lanka é o primeiro convidado do ciclo de encontros do Jornal Económico, do Grupo Bel e da Planetiers, que decorre na forma de um pequeno-almoço, na “Sala Belém” do Hotel Pestana Palace, em Lisboa.

Relacionadas

Mohan Munasinghe: Nobel da Paz diz que governos são cada vez menos capazes de lidar com problemas ambientais

O professor do Sri Lanka é o primeiro convidado do ciclo de encontros do Jornal Económico. Mohan Munasinghe espera que seja possível atingir “pelo menos metade dos objetivos de desenvolvimento sustentável” até 2030.
Recomendadas

Como manter a casa fresca com este calor abrasador?

Na rua, opte por vestir roupas leves e frescas, evite esforço físico e hidrate-se bem. Em casa, feche portas e janelas, corra os estores, persianas ou use toldos durante os períodos de maior calor.

Madrid vai parecer Marraquexe e Londres vai ter o clima de Barcelona. Como vamos viver em 2050?

As zonas temperadas ou frias do hemisfério norte vão ter temperaturas de cidades mais próximas do equador, sendo que estas mudanças climáticas vão apresentar efeitos prejudiciais à saúde e às infraestruturas.

Sede da UNESCO vai ter uma horta portuguesa

Ainda não há uma data definida para a implantação do projeto, mas estima-se que até ao final de 2019 a grande horta urbana, com assinatura portuguesa, da sede da UNESCO esteja já em fase de cultura.
Comentários