Preocupações com crise na Evergrande afetam Wall Street

A marcar este arranque de sessão está também a quebra das empresas como a Nike e da retalhista de calçado desportivo Foot Locker.

Brendan McDermid/Reuters

A bolsa de Nova Iorque abriu a sessão desta sexta-feira em terreno negativo devido aos receios com a crise provocada pelas das dívidas na Evergrande, pois não há confirmação de que tenha sido cumprido o pagamento de um cupão de 85 milhões de dólares, cujo prazo acabava ontem.

No início da sessão, o S&P 500 cai 0,32%, para 4,434.86 pontos, o tecnológico Nasdaq desvaloriza 0,53%, para 14,972.6 pontos, e o industrial Dow Jones desce 0,33%, para 34,650.68 pontos.

“Wall Street arranca em baixa, com o sector de criptomoedas a merecer atenção, perante a queda de cotação de criptos como Bitcoin e Ethereum, pressionada pela proibição do Banco Central da China a transações criptográficas, ao mesmo tempo que reiterou a ameaça de parar a sua mineração. O corte de outlook da Nike condiciona a empresa e todo o sector”, explica o analista de mercados do Millennium bcp Ramiro Loureiro.

Além da Nike, que está a cair 6,33%, também as ações da empresa Under Armour estão a descer 2,52%, enquanto a retalhista de calçados Foot Locker desvaloriza 4,95%.

A semana ficou também marcada pela reunião da Reserva Federal (Fed) norte-americana onde Jerome Powell indicou que pode começar a reduzir a sua principal taxa de juro algures no próximo ano.

Recomendadas

S&P 500 inverte tendência de abertura e fecha no verde na antecâmara de resultados do sector tecnológico

Numa semana que verá gigantes tecnológicos como a Netflix ou a Tesla reportarem os seus resultados do terceiro trimestre, a expectativa quanto a números fortes quanto ao sector empresarial norte-americano acabou por levar a melhor face às preocupações do início da sessão causadas pelos desapontantes dados macro vindos dos EUA e da China.

PSI-20 fecha em queda alinhada com bolsas da Europa que foram afetadas pela China

O índice lisboeta fechou com 11 títulos em queda, dos quais se destacam os da Jerónimo Martins que recuaram -2,47%, os da Sonae que perderam -1,35% e os do BCP que voltaram a cair. Na Europa, os ventos asiáticos derrubaram bolsas. Crise energética faz subir yields.

Wall Street começa semana no vermelho depois de dados desapontantes nos EUA e China

A semana arrancou com dados negativos sobre a produção industrial americana e chinesa, onde os números do crescimento no terceiro trimestre também desapontaram ao mostrar uma evolução do PIB abaixo do esperado.
Comentários