Presidência UE: Irlanda considera “improvável” conclusão do acordo UE-Mercosul no semestre

A Irlanda considera “improvável” que o acordo comercial UE-Mercosul seja concluído durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia e insiste em garantias de que a desflorestação da Amazónia vai ser travada. “Penso que é improvável que seja concluído durante a presidência portuguesa, mas seguramente gostaríamos de ver progressos, progressos positivos”, afirma o ministro […]

A Irlanda considera “improvável” que o acordo comercial UE-Mercosul seja concluído durante a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia e insiste em garantias de que a desflorestação da Amazónia vai ser travada.

“Penso que é improvável que seja concluído durante a presidência portuguesa, mas seguramente gostaríamos de ver progressos, progressos positivos”, afirma o ministro dos Assuntos Europeus da Irlanda, Thomas Byrne, em entrevista à Lusa à margem de uma visita a Lisboa.

Apontada como uma prioridade pela presidência portuguesa, a conclusão do acordo comercial, alcançado em junho de 2019 entre a UE e os países do Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai), após duas décadas de negociações, está atualmente em fase de tradução e revisão jurídica, finda a qual, com um acordo político dos 27, os países de ambos os blocos deverão ratificá-lo.

No entanto, vários Estados-membros, entre os quais a Irlanda e a França, além de eurodeputados e organizações da sociedade civil, têm manifestado fortes reservas à ratificação do acordo, invocando preocupações relativas à sua compatibilidade com o cumprimento do Acordo de Paris e ao impacto que terá para o aquecimento global, apontando nomeadamente a desflorestação da Amazónia.

“Temos preocupações e precisamos de ter a certeza de que não ficamos de braços cruzados perante o que está a acontecer na floresta amazónica neste momento, que nos preocupa profundamente”, frisa o ministro irlandês.

“Queremos garantias em relação às questões ambientais, particularmente em relação à Amazónia”, vinca.

Sublinhando que a Irlanda é “fortemente favorável, e beneficia, do comércio livre” e que para Dublin “quantos mais acordos de comércio livre existirem, melhor”, Thomas Byrne aponta contudo que o país está igualmente empenhado na proteção do ambiente e dos recursos naturais.

O ministro admite que o setor agropecuário irlandês, que deverá ser fortemente afetado pelo esperado aumento significativo das exportações de gado bovino dos países do Mercosul, “está preocupado”, mas assegura que não é essa a principal reserva irlandesa ao acordo.

“Os nossos produtores ficam sempre preocupados quando falamos de importações de produtos de carne em particular, mas eu vejo sempre os acordos comerciais como uma oportunidade para os nossos produtores. Os produtos que a Irlanda exporta, especialmente em termos de carne, são produtos ‘premium’, de qualidade realmente elevada, não são carne vulgar vendida muito barata”, afirma.

Nesse sentido, prossegue, “os acordos comerciais são uma oportunidade de aumentar os mercados para a carne” irlandesa e, no final, o consumidor decidirá”, acrescenta.

“Mas não podemos ficar numa situação em que preocupações ambientais que são fundamentais para o nosso planeta possam simplesmente ser deixadas de lado e esquecidas. Precisamos de garantias fortes em relação a isso para concluir este acordo comercial”, insiste, apontando que essas preocupações “são muito fortes” na opinião pública irlandesa.

Ler mais

Recomendadas

Contratos para obras públicas a partir de 5 milhões vão destinar 1% para obras de arte

“Prevê-se, como regra, que 1% do preço, em contratos de valor igual ou superior a cinco milhões de euros, seja aplicado em inclusão de obras de arte nas obras públicas objeto desses contratos”, acrescenta o comunicado do Conselho de Ministros.

PRR: Investimento em infraestruturas transfronteiriças reduzido para 65 milhões de euros

Na versão submetida a consulta pública, em 16 de fevereiro, o Governo previa um investimento global de 110 milhões de euros em infraestruturas rodoviárias para assegurar as ligações transfronteiriças entre Portugal e Espanha, que no documento final, entregue esta quinta-feira, foi reduzido para 65 milhões de euros.

Fórum para a Competitividade critica PRR e pede foco na saúde, licenciamentos e turismo

O turismo merece particular destaque na nota de Perspetivas Económicas do Fórum, que relembra que o saldo acumulado da balança turística nos seis anos que antecederam a pandemia é equivalente às transferências europeias para Portugal nos próximos nove anos.
Comentários