PremiumPresidente da Activotrade: “Corretagem tradicional já não existe”

Luís Gomes, fundador e presidente da Activotrade, explica, em entrevista, que após a última crise financeira, os reguladores têm acompanhado a digitalização. No entanto, a longo prazo, considera que regulação europeia irá obrigar as corretoras a encontrar novos mercados fora deste espaço.

O foco da Activotrade é a negociação online. Em que é que o online trading difere da corretagem tradicional?

Aquilo que designamos por corretagem tradicional já não existe. A imagem de um operador a receber uma chamada do cliente, com este último a discutir e a transmitir uma determinada ordem já deixou de existir. Atualmente, todos os clientes realizam as suas compras e vendas em bolsa através de plataformas de negociação online. Apenas em casos muito pontuais, nomeadamente falha de ligação à Internet, problemas técnicos com a plataforma, entre outros, obrigam o cliente a solicitar a transmissão da sua instrução por via telefónica ou correio electrónico. Ou seja, a corretagem tradicional, tal como a imaginamos, é algo que foi ultrapassado há muitos anos, tratando-se de algo muito residual.

Artigo reservado a assinantes do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

 

Recomendadas

Premium“Goste-se ou não, Bruno de Carvalho vale um milhão de euros a mais de quotizações”

Um ano depois das agressões de Alcochete, Carlos Vieira analisa o atual momento do Sporting e sobre a pespetiva de ser campeão nos próximos anos, admite que “podem sempre existir ‘cisnes negros’”.

PremiumRogério Fernandes Ferreira: “O futuro passa por firmas especializadas”

Sete anos depois, o fiscalista não se arrepende de sair da PLMJ para criar a sua firma. E diz que os escritórios do futuro serão grandes sociedades ‘full service’ ou boutiques especializadas como a RFF.

PremiumPaula Fernandes: “‘Networking’ e criatividade são as principais capacidades no futuro”

A ‘senior manager’ da Accenture Technology Portugal diz que o “Human + Worker” é uma tendência tecnológica nas organizações. “É esta mobilidade, adaptação e flexibilidade que temos de incorporar e promover nos nossos colaboradores”, afirma, entrevista ao Jornal Económico.
Comentários