PremiumPresidente da Activotrade: “Corretagem tradicional já não existe”

Luís Gomes, fundador e presidente da Activotrade, explica, em entrevista, que após a última crise financeira, os reguladores têm acompanhado a digitalização. No entanto, a longo prazo, considera que regulação europeia irá obrigar as corretoras a encontrar novos mercados fora deste espaço.

O foco da Activotrade é a negociação online. Em que é que o online trading difere da corretagem tradicional?

Aquilo que designamos por corretagem tradicional já não existe. A imagem de um operador a receber uma chamada do cliente, com este último a discutir e a transmitir uma determinada ordem já deixou de existir. Atualmente, todos os clientes realizam as suas compras e vendas em bolsa através de plataformas de negociação online. Apenas em casos muito pontuais, nomeadamente falha de ligação à Internet, problemas técnicos com a plataforma, entre outros, obrigam o cliente a solicitar a transmissão da sua instrução por via telefónica ou correio electrónico. Ou seja, a corretagem tradicional, tal como a imaginamos, é algo que foi ultrapassado há muitos anos, tratando-se de algo muito residual.

Artigo reservado a assinantes do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

 

Recomendadas

Premium‘Compliance Officer’: Polícia de empresa além-fronteiras com trabalho extra

Joana Simões Ferreira, da norte-americana Oracle, e Joaquim Triadú i Vila-Abadal, do grupo espanhol Mediapro, falaram da importância de um código de conduta adaptado às necessidades locais.

PremiumCDS vai pedir ao Governo esclarecimentos sobre motoristas da Carris a passar multas

Centristas consideram “inadmissível” medida aprovada por Câmara de Lisboa. Defendem que “desrespeita” as forças e serviços de segurança e querem, por isso, esclarecimento de Eduardo Cabrita.

PremiumConhecer regras e gerir riscos é a chave em ‘compliance’

A II conferência da Abreu sobre este tema reuniu especialistas de multinacionais e vários advogados do escritório. Ética, lavagem de dinheiro, código de conduta, M&A e concorrência estiveram em cima da mesa.
Comentários