PremiumPresidente da Activotrade: “Corretagem tradicional já não existe”

Luís Gomes, fundador e presidente da Activotrade, explica, em entrevista, que após a última crise financeira, os reguladores têm acompanhado a digitalização. No entanto, a longo prazo, considera que regulação europeia irá obrigar as corretoras a encontrar novos mercados fora deste espaço.

O foco da Activotrade é a negociação online. Em que é que o online trading difere da corretagem tradicional?

Aquilo que designamos por corretagem tradicional já não existe. A imagem de um operador a receber uma chamada do cliente, com este último a discutir e a transmitir uma determinada ordem já deixou de existir. Atualmente, todos os clientes realizam as suas compras e vendas em bolsa através de plataformas de negociação online. Apenas em casos muito pontuais, nomeadamente falha de ligação à Internet, problemas técnicos com a plataforma, entre outros, obrigam o cliente a solicitar a transmissão da sua instrução por via telefónica ou correio electrónico. Ou seja, a corretagem tradicional, tal como a imaginamos, é algo que foi ultrapassado há muitos anos, tratando-se de algo muito residual.

Artigo reservado a assinantes do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

 

Recomendadas

PremiumGoverno enviou Margarida Corrêa de Aguiar e Caldeira Cabral para a CRESAP

O Ministério das Finanças quer acelerar as nomeações do regulador dos seguros por causa da reforma da supervisão financeira.

PremiumEstado investe 140 milhões de euros no Porto de Leixões

As empresas privadas a operar no Porto de Leixões têm investido no aumento da capacidade de resposta daquela infraestrutura e na modernização das operações, mas estão à espera que o Governo faça a sua parte.

PremiumVentos de abrandamento irão continuar a soprar

Crescimento do PIB de 2,1% em 2018, abaixo do valor do ano anterior e das expetativas do Governo, não deverá significar o fim da desaceleração económica. Pessimismo das instituições internacionais está em sintonia com todas as projeções para 2019.
Comentários