Presidente da Assembleia da Madeira vai suspender mandato e voltar à advocacia

O dirigente do CDS-Madeira José Manuel Rodrigues já tinha manifestado a vontade de que “o CDS pudesse vir a ter duas secretarias regionais [no Governo Regional] e a presidência da Assembleia” da Região, tendo o seu nome surgido como possível candidato.

O ainda presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Tranquada Gomes, afirmou esta quinta-feira que vai suspender o mandato logo que seja apresentada a candidatura do centrista José Manuel Rodrigues a este cargo e voltar a exercer a advocacia.

“Vou suspender o meu mandato a partir do momento em que dê entrada na Assembleia Legislativa da Madeira o requerimento da candidatura do deputado José Manuel Rodrigues subscrita pelo PSD e CDS”, declarou o social-democrata Tranquada Gomes.

“Eu vou voltar à minha atividade privada como advogado”, acrescentou Tranquada Gomes à agência Lusa.

O dirigente do CDS-Madeira José Manuel Rodrigues já tinha manifestado a vontade de que “o CDS pudesse vir a ter duas secretarias regionais [no Governo Regional] e a presidência da Assembleia” da Região, tendo o seu nome surgido como possível candidato.

A proposta de candidatura de José Manuel Rodrigues à presidência do principal órgão de governo próprio da Madeira tem de ser subscrita por cinco dos 47 deputados da Assembleia da Madeira e o CDS tem apenas três parlamentares, pelo que necessita do apoio de elementos de outras bancadas, nomeadamente, do PSD.

Este cenário deve cumprir-se na sexta-feira, no decorrer da Comissão Permanente do parlamento insular, sendo uma consequência do resultado das eleições regionais de 22 de setembro.

O PSD venceu as eleições legislativas, mas perdeu a maioria absoluta com que sempre governou a região autónoma, obtendo 56 mil 449 votos e a eleição de 21 deputados, razão pela qual teve de se coligar com o CDS que apenas elegeu três deputados.

Tranquada Gomes, terceiro deputado eleito na lista do PSD/Madeira, exerceu o cargo de presidente do parlamento regional na última legislatura, sucedendo a Miguel Mendonça.

Confrontado a 4 de outubro com a possibilidade de o PSD apoiar uma candidatura do CDS à presidência do parlamento insular, o presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, declarou: “Não confirmo, nem desminto, porque ainda não passámos a essa fase”.

Por seu turno, o líder do CDS-Madeira, Rui Barreto, anunciou que o partido teria duas secretarias no novo executivo madeirense e um lugar “de relevo” na Assembleia Legislativa.

Na terça-feira, dia da assinatura do acordo programático para a governação, subscrito pelos líderes do PSD e CDS, quando questionado sobre a sua intenção de se candidatar a presidente do parlamento regional, José Manuel Rodrigues, recusou as acusações de que teria usado de “chantagem” para vir a exercer o cargo.

Ler mais
Recomendadas

Justiça ‘reality show’

Do que aqui se trata não é da questão da violação do segredo de justiça: essa existe, todos sabemos. Aquilo a que me refiro é a processos que fruto da inércia investigatória das autoridades, acidental ou propositada, podem ser licitamente acedidos e divulgados.

MB-Advogados: “Área fiscal pode ter grande relevo porque os contribuintes estão mais atentos”

A sociedade de advogados é dirigida por João Paulo Marques e Hugo Ricardo Barradas, apresenta uma oferta transversal de serviços em várias áreas da advocacia como: contencioso; reestruturação e insolvência; direito societário; fiscal; imobiliário; laboral; propriedade material e tecnologia; e direito do desporto.

Garrigues assessora Apax na aquisição da GNB Vida

A equipa da Garrigues foi liderada por Mário Lino Dias, com a participação de José de Seabra Marcão e Inês Freire de Andrade.
Comentários