Presidente da Câmara do Porto Santo considera que TAP tem tratado Porto Santo de forma “injusta e “incorreta”

“Basta ver as promoções no site da TAP e ver as opções daquela empresa, ignorando o Porto Santo, que é uma parcela do território português”, apontou, referindo que uma viagem entre a ilha e Lisboa está presentemente a custar “cerca de 600 euros”.

Foto Luís Santos

O presidente da Câmara do Porto Santo considera “injusta” e “incorreta” a forma como a transportadora aérea nacional TAP trata aquela ilha, defendendo a criação de uma ponte aérea, a preços justos, entre a ilha e Portugal continental.

“Não é justa, não é correta, a forma como a TAP trata o Porto Santo e a Região e, por isso, não me vou calar”, declarou Idalino Vasconcelos à agência Lusa.

O autarca porto-santense argumentou que a TAP é uma empresa pública, pelo que ” tinha o dever de tratar a linha aérea Porto Santo – Lisboa com o cuidado que a ilha merece por direito constitucional”.

O responsável municipal argumentou que esta companhia aérea devia criar de “uma ponte aérea, a preços justos e adequados, mas prefere fazer viagens de longo curso e ignora o Porto Santo”.

“Basta ver as promoções no site da TAP e ver as opções daquela empresa, ignorando o Porto Santo, que é uma parcela do território português”, apontou, referindo que uma viagem entre a ilha e Lisboa está presentemente a custar “cerca de 600 euros”.

O autarca mencionou que transmitiu estas preocupações ao Governo e o Presidente da República, mas “sem resultados à vista”.

Idalino Vasconcelos salienta que tem apelado para a resolução do que considera ser um  dos “grandes entraves à economia” daquela ilha afetada pela dupla insularidade.

Entre essas, enunciou “a mobilidade e custo escandaloso das ligações aéreas entre o Porto Santo, Madeira e Portugal continental”, as “acessibilidades e ligações entre as ilhas, em especial no transporte marítimo regional e regular no mês de janeiro” e as “transferências do Orçamento do Estado extremamente diminutas e injustas”.

“Tenho sensibilizado regularmente o Governo Regional e demonstrado a minha insatisfação para que o Governo da República corrija uma injustiça na distribuição das verbas de Orçamento de Estado”, disse, complementando “não ter ilusões”, porque tem sido visível a forma “como a República trata a Região”.

O responsável social-democrata pelo município do Porto Santo ainda realçou que a ilha pretende ver “retomada a operação aérea da Dinamarca”, bem como com a Inglaterra, Alemanha e Itália “assim que a situação possa evoluir favoravelmente”, como forma de trazer mais turistas ao Porto Santo.

Idalino Perestrelo recorda que aquela ilha “é procurada pela sua natureza, tranquilidade, segurança e pela arte de bem receber”, tendo uma população que ronda os cinco mil habitantes e uma praia de areia amarela, fina, com nove quilómetros de extensão que “ostenta diversos galardões, entre os quais o das Sete Maravilhas de Portugal e Porto Santo Sem Lixo Marinho.

O responsável salientou que, este ano, o Porto Santo esteve em destaque em várias revistas de distribuição mundial pela segurança do seu areal, tendo sido recentemente aprovada a sua candidatura, pela Unesco, para inclusão na Rede Mundial de Reservas da Biosfera, cujo “anúncio final será feito no próximo mês de outubro”.

Também foi aprovada recentemente a candidatura para a recuperação e requalificação de 14 fontenários, três moinhos de vento e da Ecoteca do Porto Santo, no âmbito do Programa Madeira 14-20, o que representa um investimento de 345 mil euros, o que é um “antigo desejo do povo do Porto Santo”, mencionou.

Estes projetos evidenciam a importância que o Porto Santo deve merecer como destino turístico, que tem resistido à sazonalidade, sendo uma ilha segura que enfrenta uma pandemia que afetou a vida das pessoas e a sua economia.

“Estamos sensíveis a este aspeto, mas este Covid-19 veio destruir o nosso modo de viver e de agir, por isso, todos temos de nos adaptar às novas circunstâncias e à realidade”, conclui.

Ler mais
Recomendadas

Miguel Albuquerque diz que “a Madeira vai ultrapassar efeitos devastadores no turismo”

O presidente do Governo da Madeira mostrou-se este domingo convicto de que a região vai conseguir superar “mais este grande desafio” dos “efeitos devastadores” no setor do turismo provocado pela pandemia da covid-19.

Festas de Natal e Fim do Ano na Madeira vão acontecer com adaptações

O secretário do Turismo da Madeira afirmou este domingo que os concursos para as tradicionais festas de Natal e Fim de Ano na região já foram lançados, mas os programas vão ser adaptados ao contexto da pandemia da Covid-19.

Madeira: Secretaria Regional do Mar promove Encontro do Mar em novembro

Mafalda Freitas vincou a dimensão da Zona Económica Exclusiva da Madeira (ZEE), com uma área superior a mais de 440 mil metros quadrados. “O número pode não dizer muito, mas já é diferente se dissermos que é uma ZEE superior à da Bélgica, Chipre, Alemanha e Suécia juntos”, sublinhou.
Comentários