Presidente da Proteção Civil também é arguido no caso das golas

O presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, Mourato Nunes, foi na quarta-feira constituído arguido na investigação ao negócio das golas antifumo, juntamente com o secretário de Estado, disse à Lusa fonte ligada ao processo.

Mourato Nunes, tenente-general e ex-comandante geral da GNR, foi constituído arguido, juntamente com o secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, que no mesmo dia da operação do Ministério Público pediu a demissão do cargo, pasta que agora passará para a responsabilidade do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

O Ministério Público (MP) está a investigar os negócios efetuados no âmbito dos programas “Aldeia Segura”, “Pessoas Seguras”, nos quais foram distribuídos cerca de 70 mil ´kits´ com as golas antifumo, e “Rede Automática de Avisos à População” (SMS) por suspeitas de fraude na obtenção de subsídio, de participação económica em negócio e de corrupção.

Foram realizadas oito buscas domiciliárias e 46 não domiciliárias, no inquérito que é dirigido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

As buscas decorreram em vários locais, incluindo o Ministério da Administração Interna, a Secretaria de Estado da Proteção Civil, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e Comandos Distritais de Operações de Socorro e empresas que realizaram contratos com o Estado.

A operação tem a participação de seis magistrados do MP.

O caso das golas antifumo (golas que fazem parte do ‘kit’ distribuído à população no âmbito do programa “Aldeia Segura”, “Pessoas seguras”) levou o ministro da Administração Interna a pedir um “inquérito urgente” sobre a contratação de “material de sensibilização para incêndios”, a 27 de julho.

Dois dias depois da decisão do ministro, o adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil, Francisco Ferreira, demitiu-se, depois de ter sido noticiado o seu envolvimento na escolha das empresas que produziram os ‘kits’ de emergência.

Ler mais
Relacionadas

Ex-Secretário de Estado da Proteção Civil celebrou contratos de 1,8 milhões de euros. Só um foi a concurso público

Sistema de alerta por mensagem para as populações, contrato com operadores de telecomunicações e os contratos celebrados pelo filho de José Artur Neves levaram à demissão do secretário de Estado da Proteção Civil, depois de dois anos no Governo.

Perfil: José Artur Neves, o secretário de Estado que não resistiu ao calor da polémica das golas antifumo

Engenheiro técnico civil de formação, José Artur Neves é natural de Arouca, Aveiro. O socialista resistiu à polémica inicial com as golas antifumo, mas demitiu-se no dia em que foi constituído arguido, a três semanas das legislativas.

“O senhor jornalista tem aqui material que é inflamável”. As frases que marcam o caso das golas antifumo

Entre 26 e 30 de julho, o caso das golas antifumo gerou reações intempestivas do ministro e declarações incrédulas do líder da oposição nas redes sociais.
Francisco Ferreira

Golas antifumo: PGR confirma 54 buscas realizadas por 200 operacionais

A Procuradoria Geral da República confirma megaoperação com buscas no ministério da Administração Interna e sede da Proteção Civil no âmbito do inquérito que investiga a polémica com as golas antifumo. Revela que estão em curso oito buscas domiciliárias e 46 não domiciliárias e que há suspeitas de corrupção. No terreno estão 200 inspetores da PJ e do fisco.
Recomendadas
pardal henriques

SNMMP junta-se à Fectrans e Antram e assina acordo para contrato coletivo de trabalho dos motoristas

Só falta o Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias apreciar o acordo para o novo contrato coletivo de trabalho dos motoristas de pesados de mercadorias, mas tal só acontecerá no fim de semana, quando a estrutura sindical tiver realizado um plenário para discutir o acordo final.

Governo cria grupo de trabalho para preparar Web Summit até 2028

O ‘Grupo de Trabalho Web Summit Portugal 2019-2028’ vai entrar em vigor já este ano, com o objetivo de “assegurar a organização e a coordenação da Web Summit, em cada ano do período de 2019 a 2028”.

IKEA vai investir em novas lojas em Portugal: margem sul do Tejo, Cascais e Sintra

A multinacional sueca pretende abrir lojas de pequena dimensão em Sintra, Cascais e a sul de Lisboa, assim como centros de encomendas, de planeamento e de levantamento.
Comentários