Presidente da Proteção Civil também é arguido no caso das golas

O presidente da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, Mourato Nunes, foi na quarta-feira constituído arguido na investigação ao negócio das golas antifumo, juntamente com o secretário de Estado, disse à Lusa fonte ligada ao processo.

Mourato Nunes, tenente-general e ex-comandante geral da GNR, foi constituído arguido, juntamente com o secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, que no mesmo dia da operação do Ministério Público pediu a demissão do cargo, pasta que agora passará para a responsabilidade do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

O Ministério Público (MP) está a investigar os negócios efetuados no âmbito dos programas “Aldeia Segura”, “Pessoas Seguras”, nos quais foram distribuídos cerca de 70 mil ´kits´ com as golas antifumo, e “Rede Automática de Avisos à População” (SMS) por suspeitas de fraude na obtenção de subsídio, de participação económica em negócio e de corrupção.

Foram realizadas oito buscas domiciliárias e 46 não domiciliárias, no inquérito que é dirigido pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

As buscas decorreram em vários locais, incluindo o Ministério da Administração Interna, a Secretaria de Estado da Proteção Civil, a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e Comandos Distritais de Operações de Socorro e empresas que realizaram contratos com o Estado.

A operação tem a participação de seis magistrados do MP.

O caso das golas antifumo (golas que fazem parte do ‘kit’ distribuído à população no âmbito do programa “Aldeia Segura”, “Pessoas seguras”) levou o ministro da Administração Interna a pedir um “inquérito urgente” sobre a contratação de “material de sensibilização para incêndios”, a 27 de julho.

Dois dias depois da decisão do ministro, o adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil, Francisco Ferreira, demitiu-se, depois de ter sido noticiado o seu envolvimento na escolha das empresas que produziram os ‘kits’ de emergência.

Ler mais
Relacionadas

Ex-Secretário de Estado da Proteção Civil celebrou contratos de 1,8 milhões de euros. Só um foi a concurso público

Sistema de alerta por mensagem para as populações, contrato com operadores de telecomunicações e os contratos celebrados pelo filho de José Artur Neves levaram à demissão do secretário de Estado da Proteção Civil, depois de dois anos no Governo.

Perfil: José Artur Neves, o secretário de Estado que não resistiu ao calor da polémica das golas antifumo

Engenheiro técnico civil de formação, José Artur Neves é natural de Arouca, Aveiro. O socialista resistiu à polémica inicial com as golas antifumo, mas demitiu-se no dia em que foi constituído arguido, a três semanas das legislativas.

“O senhor jornalista tem aqui material que é inflamável”. As frases que marcam o caso das golas antifumo

Entre 26 e 30 de julho, o caso das golas antifumo gerou reações intempestivas do ministro e declarações incrédulas do líder da oposição nas redes sociais.
Francisco Ferreira

Golas antifumo: PGR confirma 54 buscas realizadas por 200 operacionais

A Procuradoria Geral da República confirma megaoperação com buscas no ministério da Administração Interna e sede da Proteção Civil no âmbito do inquérito que investiga a polémica com as golas antifumo. Revela que estão em curso oito buscas domiciliárias e 46 não domiciliárias e que há suspeitas de corrupção. No terreno estão 200 inspetores da PJ e do fisco.
Recomendadas

Banco de Portugal vai sujeitar diretores do risco, compliance e auditoria ao ‘Fit & Proper’

Está em consulta pública até ao final de março um projeto de alteração de Aviso do Banco de Portugal que vai rever os requisitos aplicáveis em matéria de governo interno dos bancos. Entre as principais novidades introduzidas pelo regulador, destaca-se o alargamento do processo de avaliação e adequação diretores do risco, de compliance e de auditoria interna, e um relatório anual de autoavaliação dos bancos sobre o cumprimento das regras de controlo interno.

Coca-Cola Portugal nomeia primeira diretora-geral de nacionalidade portuguesa

Sandra Vera-Cruz junta-se a Rui Serpa que, em 2018, assumiu funções de diretor-geral na Coca-Cola European Partners, como os únicos portugueses com funções de chefia numa das maiores empresas ligadas ao setor das bebidas a nível mundial.

Telefónica aposta mais de três mil milhões na La Liga até 2022

Números assegurados pela Telefónica têm por base o potencial que os conteúdos exclusivos da La Liga Santander e La Liga SmartBank que poderão proporcionar outros ganhos no que respeita à retransmissão dos jogos.
Comentários