Presidente da Renault interrogado por suspeitas de fraude fiscal

Autoridades japonesas suspeitam que Carlos Ghosn tenha declarado um rendimento inferior aquele que aufere na realidade. As ações da Renault e Nissan caíram de forma abrupta na bolsa como consequência desta investigação.

Carlos Ghosn

O presidente da Renault, Carlos Ghosn está a ser interrogado no Japão por suspeitas de fraude fiscal e por ter declarado um salário inferior àquele que aufere de facto, revela a agência “Reuters”, citando o jornal nipónico “Asahi”.

Carlos Ghosn que é também o chairman da Nissan Motor encontra-se a ser ouvido pelas autoridades japonesas, existindo neste momento a dúvida se já terá ou não sido detido. A sede da Nissan bem como outros espaços ligados à fabricante de automóveis estão a ser alvos de buscas.

Esta situação está já a provocar a queda abrupta das duas empresas cotadas em bolsa. A Renault está a cair mais de 13%, enquanto a Nissan se encontra a desvalorizar 7%. Nascido no Brasil, descendente de libaneses e cidadão francês, Carlos Ghosn iniciou sua carreira na Michelin em França, seguindo depois para a Renault.

Juntou-se à Nissan em 1999, tendo sido escolhido para CEO em 2001, lugar que ocupou até ao ano passado. Em junho, deste ano os acionistas da Renault aprovaram a remuneração de Ghosn de 7,4 milhões de euros a serem distribuídos pelos resultados do último ano. Além disso, Carlos Ghosn terá lucrado 9,2 milhões de euros no seu último ano como presidente executivo da Nissan.

Recomendadas
pedro-pardal-henriques

Motoristas avançam com greve ao trabalho suplementar no início de setembro

O sindicato dos motoristas de matérias perigosas vai entregar hoje o pré-aviso de greve ao trabalho suplementar, após não chegarem a acordo com os patrões. “O único regime em que as pessoas podem fazer trabalho suplementar sem receberem é a Coreia do Norte”, disse Pardal Henriques.

Adivinhar o futuro

É necessário o relançamento de uma política fiscal que favoreça a atividade empresarial, sobretudo que permita o incremento da competitividade.

Dividir Google, Amazon, Facebook, Apple e Microsoft: o Oriente agradece

Atualmente, quando se pensa na divisão das megaempresas para ganhar terreno no plano concorrencial, não se pode pensar apenas no plano económico, também importa pensar no plano geopolítico.
Comentários