Presidente da Renault interrogado por suspeitas de fraude fiscal

Autoridades japonesas suspeitam que Carlos Ghosn tenha declarado um rendimento inferior aquele que aufere na realidade. As ações da Renault e Nissan caíram de forma abrupta na bolsa como consequência desta investigação.

Carlos Ghosn

O presidente da Renault, Carlos Ghosn está a ser interrogado no Japão por suspeitas de fraude fiscal e por ter declarado um salário inferior àquele que aufere de facto, revela a agência “Reuters”, citando o jornal nipónico “Asahi”.

Carlos Ghosn que é também o chairman da Nissan Motor encontra-se a ser ouvido pelas autoridades japonesas, existindo neste momento a dúvida se já terá ou não sido detido. A sede da Nissan bem como outros espaços ligados à fabricante de automóveis estão a ser alvos de buscas.

Esta situação está já a provocar a queda abrupta das duas empresas cotadas em bolsa. A Renault está a cair mais de 13%, enquanto a Nissan se encontra a desvalorizar 7%. Nascido no Brasil, descendente de libaneses e cidadão francês, Carlos Ghosn iniciou sua carreira na Michelin em França, seguindo depois para a Renault.

Juntou-se à Nissan em 1999, tendo sido escolhido para CEO em 2001, lugar que ocupou até ao ano passado. Em junho, deste ano os acionistas da Renault aprovaram a remuneração de Ghosn de 7,4 milhões de euros a serem distribuídos pelos resultados do último ano. Além disso, Carlos Ghosn terá lucrado 9,2 milhões de euros no seu último ano como presidente executivo da Nissan.

Recomendadas

Navigator nomeia dois novos administradores executivos

João Paulo Cabete Lé e Adriano Agusto Silveira são os novos administradores executivos no mandato do quadriénio em curso, com efeitos a 1 de Janeiro de 2020.

Jorge Calvete é o administrador judicial da Orey Antunes que pediu um PER

O prazo para a reclamação de créditos, começa a correr a partir da data da publicação do anúncio no Portal Citius, ou seja, 10 de dezembro de 2019. Os prazos são contínuos, não se suspendendo durante as férias judiciais.

Bankinter e COSEC assinam protocolo de distribuição de seguro de créditos

O objetivo é permitir às empresas a gestão do risco de crédito em condições mais seguras, cobrindo os prejuízos decorrentes do não pagamento das vendas a crédito de bens e serviços em Portugal e no estrangeiro.
Comentários