Presidente da Renault interrogado por suspeitas de fraude fiscal

Autoridades japonesas suspeitam que Carlos Ghosn tenha declarado um rendimento inferior aquele que aufere na realidade. As ações da Renault e Nissan caíram de forma abrupta na bolsa como consequência desta investigação.

Carlos Ghosn

O presidente da Renault, Carlos Ghosn está a ser interrogado no Japão por suspeitas de fraude fiscal e por ter declarado um salário inferior àquele que aufere de facto, revela a agência “Reuters”, citando o jornal nipónico “Asahi”.

Carlos Ghosn que é também o chairman da Nissan Motor encontra-se a ser ouvido pelas autoridades japonesas, existindo neste momento a dúvida se já terá ou não sido detido. A sede da Nissan bem como outros espaços ligados à fabricante de automóveis estão a ser alvos de buscas.

Esta situação está já a provocar a queda abrupta das duas empresas cotadas em bolsa. A Renault está a cair mais de 13%, enquanto a Nissan se encontra a desvalorizar 7%. Nascido no Brasil, descendente de libaneses e cidadão francês, Carlos Ghosn iniciou sua carreira na Michelin em França, seguindo depois para a Renault.

Juntou-se à Nissan em 1999, tendo sido escolhido para CEO em 2001, lugar que ocupou até ao ano passado. Em junho, deste ano os acionistas da Renault aprovaram a remuneração de Ghosn de 7,4 milhões de euros a serem distribuídos pelos resultados do último ano. Além disso, Carlos Ghosn terá lucrado 9,2 milhões de euros no seu último ano como presidente executivo da Nissan.

Recomendadas

‘Caso EDP’: empresa confirma que já foi notificada pelo DCIAP para ser constituída arguida

Em comunicado, a energética portuguesa afirmou que “em linha com as notícias divulgadas na imprensa portuguesa no final do dia de ontem, a EDP foi hoje notificada pelo DCIAP de que deverá, nos próximos dias, designar um legal representante que compareça no DCIAP, a fim de ser constituída arguida”.

Nova companhia aérea de Neeleman deverá iniciar voos em 2021

A Breeze Airways, fundada por David Neeleman, cuja saída da TAP foi anunciada recentemente, deverá iniciar os voos em 2021, um lançamento que foi adiado pela pandemia de Covid-19, avançou hoje a Bloomberg.

Salários da CGD aumentaram em 2019 com início de pagamento de bónus

Os salários da administração da CGD cresceram para 3,6 milhões de euros no ano passado, um aumento de 22,5% justificado com o início de um programa de pagamento de remunerações variáveis, que já estava previsto, revelou o banco.
Comentários