Presidente de Angola aprova acordo de financiamento no valor de 582 milhões de euros

João Lourenço refere que o acordo foi aprovado ao abrigo do Projeto de Estabilização Macroeconómica e Financiamento da Política de Desenvolvimento Inclusivo e Diversificação Económica de Angola.

O Presidente angolano aprovou um Acordo de Financiamento à Tesouraria com o Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) no valor global de 700 milhões de dólares (582 milhões de euros), segundo um decreto presidencial.

Em despacho presidencial nº59/21 de 03 de maio, a que a Lusa esta quinta-feira acesso, João Lourenço refere que o acordo foi aprovado ao abrigo do Projeto de Estabilização Macroeconómica e Financiamento da Política de Desenvolvimento Inclusivo e Diversificação Económica de Angola.

Denominado Development Policy Financing Operation (DPF2), o acordo, assinala o documento, surge igualmente da necessidade de se “estabelecer as bases para o crescimento sustentável, promover a inclusão social e financeira e a efetiva prestação dos serviços públicos” com o apoio do Banco Mundial (BM).

A ministra das Finanças angolana, Vera Daves, “é autorizada, com a faculdade de subdelegar”, a assinar o referido acordo de financiamento e toda a documentação relacionada com o mesmo, em nome e representação da República de Angola.

Recomendadas

Banco Mundial responsabiliza vacinação desigual por recuperação económica a dois tempos

A diretora-geral do Banco Mundial, Ngozi Okonjo-Iweala, afirmou este sábado, numa conferência à margem da cimeira do G7, que a distribuição desigual de vacinas vai ter impacto na recuperação económica mundial, em especial em África e na América Latina. 

Músicas tradicionais de Portugal, Espanha, Cabo Verde e Cuba em festival no Seixal

Dedicado à música popular e tradicional, o festival congrega artistas, instrumentos e ritmos nativos originais, nos dias 19 e 20 de junho, em concertos que se realizam sempre a partir das 19:00 horas, em ambos os dias.

Mastercard anuncia financiamento de 1,3 mil milhões para África

Reeta Roy disse que esta iniciativa deverá “desbloquear o potencial económico do setor da saúde e criar empregos e oportunidades para milhares de pessoas” e defendeu que são necessários “investimentos sistémicos para aumentar a segurança e a resiliência do sector”.
Comentários