Presidente de Angola não confirma saída da Sonangol da Galp e BCP

A petrolífera angolana detém uma participação de 19,5% no banco português. Na energética, a Sonangol intervém de forma indireta por via de uma parceria com Isabel dos Santos e o grupo Amorim.

Millennium Bcp

O Presidente de Angola não confirma a saída da Sonangol do capital social do BCP. Em conferência de imprensa, em Lisboa, João Lourenço contou este sábado que foi abordado no Porto por um empresário de um banco (sem o identificar) e que lhe disse para ficar “descansado”.

Os meios de comunicação social presentes questionaram o governante sobre as declarações proferidas ao “Expresso”, onde admitiu que a Sonangol poderia deixar de ter participações em empresas que não fizessem parte do seu ‘core business‘. João Lourenço quis clarificar as respostas e disse que nunca falou na venda de participações em negócios exclusivamente portugueses. “Nós falamos no geral”, afirmou aos jornalistas, citado pelo jornal online “Observador”.

O chefe de Estado de Angola falava em conferência de imprensa, em Lisboa, no encerramento da visita de três dias que realizou a Portugal, sobre a venda de vários ativos da Sonangol, tendo referido – sem mencionar nomes – que recebeu na sexta-feira, em reunião privada, os responsáveis de um banco português, avança a Lusa.

“Mas já agora posso dizer que há uma empresa portuguesa que me procurou ontem [sexta-feira], muito preocupada, para saber se a Sonangol ia sair ou não. Em princípio, nós sossegamos essa empresa, para dormir descansada”, disse João Lourenço citado pela Lusa.

“Estou a referir-me a um banco”, acrescentou o chefe de Estado, sendo que em Portugal a Sonangol tem apenas participações diretas e indiretas no Millennium BCP (onde detém uma posição de 19,49% do capital social, segundo a informação disponível no ‘site’ do banco datada de 30 de junho) e na Galp.

A petrolífera angolana detém uma participação de 19,5% no banco português. Na energética, a Sonangol intervém de forma indireta por via de uma parceria com Isabel dos Santos e o grupo Amorim.

Após a entrevista ao semanário do grupo Impresa, o mercado das fusões e aquisições começou a agitar-se. Na edição desta sexta-feira, o Jornal Económico noticiou que, da lista de participações que o governo angolano quereria vender, aquela que mais interesse tem despoletado é a participação na Galp Energia. Os chineses da Sinopec estão na corrida.

Fonte da banca de investimento admitiu ao jornal de economia que já estava a receber telefonemas de grande bancos internacionais, especialistas em fusões e aquisições, à procura de escritórios de advogados com relações privilegiadas com o Estado angolano. Os bancos estão já a reunir interessados que irão levar à Sonangol para que a petrolífera angolana venda a sua participação na elétrica nacional.

(Atualiza com a declaração de João Lourenço citada pela Lusa)

Ler mais
Relacionadas

Duas grandes petrolíferas internacionais interessadas na participação que a Sonangol tem na Galp

A petrolífera angolana terá pressa em vender a sua participação na Galp, devido às dívidas que acumulou ao longo dos anos.

PremiumParticipação da Sonangol na Galp na mira dos chineses da Sinopec

Bastou João Lourenço ter confirmado que a Sonangol quer sair do capital da Galp e já há bancos de investimento com advogados a procurar compradores. A chinesa Sinopec surge na lista das mais interessadas. Já a saída do BCP e da Efacec está mais longe.

BCP e Galp vão atrair muito interesse se Sonangol quiser sair, diz Secretário de Estado

Na véspera da primeira visita de Estado de João Lourenço a Portugal, Eurico Brilhante Dias comentou ao Jornal Económico as declarações do presidente angolano no fim de semana passado sobre a estratégia da Sonangol para alienar as participações.

Sonangol de saída da Unitel até final de 2019

“A Sonangol pretende alienar a participação na Unitel”, disse o PCA, em resposta a uma pergunta do “Mercado”.
Recomendadas

Banco do Brasil inicia processo para eleger André Brandão para presidente

André Brandão vai substituir Rubem Novaes, que pediu demissão no final de julho por considerar que o banco estatal precisava de “uma reforma” para enfrentar “os momentos futuros de muitas inovações no sistema bancário”.

Soluções digitais para mercado empresarial do Novo Banco premiadas pela revista “Global Finance”

“O Novo Banco tem permanentemente investido para se tornar o melhor banco comercial em Portugal para a era digital, com capacidades de self-service de referência, relacionamentos omnicanal inteligentes e integrados”, diz o banco em comunicado.

PremiumComissão de inquérito ao Novo Banco deve avançar após auditoria

PS e PSD consideram “inevitável” criação de uma comissão de inquérito ao Novo Banco no Parlamento, mas vão esperar pela auditoria da Deloitte. CEO do banco será ouvido pelos deputados em setembro.
Comentários