Presidente de Cabo Verde quer mobilidade cultural plena na CPLP

“Estamos a fazer uma grande batalha em prol da plena mobilidade no espaço da CPLP, para que ela seja mais do que uma comunidade de estados uma comunidade de cidadãos, de pessoas e de povos”, disse Jorge Carlos Fonseca, à agência Lusa.

O presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, sublinhou esta quinta-feira a importância dos festivais literários para atingir a mobilidade cultural plena na Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP) até ao final da presidência daquele país, em 2020.

“Estamos a fazer uma grande batalha em prol da plena mobilidade no espaço da CPLP, para que ela seja mais do que uma comunidade de estados uma comunidade de cidadãos, de pessoas e de povos”, disse Jorge Carlos Fonseca, à agência Lusa.

O chefe de Estado, que hoje presidiu à abertura do Folio – Festival Literário Internacional de Óbidos, sublinhou a importância dos eventos em torno da literatura para atingir o objetivo de “mobilidade plena” na CPLP, a que Cabo Verde preside no biénio 2018/2020.

Até julho, data em que termina a presidência de Cabo Verde, a meta de Jorge Carlos Fonseca é atingir “100% [de mobilidade]“, através da assinatura de acordos com os nove países da CPLP para a criação de “uma espécie de um mercado livre cultural, onde haja livre circulação de escritores, artistas, produtores, editores, livreiros, artesãos” e de todos os bens culturais.

O presidente de Cabo Verde falava à Lusa, em Óbidos, depois de, no discurso de abertura do Folio, ter afirmado que “escritores e artistas são um dos pilares que mais sustentam essa ideia de uma CPLP feita de povos para os povos”.

A mobilidade das pessoas foi, segundo o Jorge Carlos Fonseca, um dos objetivos da atual presidência da comunidade, cujo caminho “passa por estender pontes” entre os vários países, “para que os fazedores de cultura, os criadores, artistas, promotores, agentes culturais” beneficiem da livre circulação dos bens culturais.

“As nossas sociedades são ricas culturalmente” afirmou, considerando que é através desse “núcleo [cultural] sólido que a comunidade lusófona se poderá também afirmar no mundo”.

A CPLP tem como Estados-membros Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e a Guiné Equatorial

Jorge Carlos Fonseca, que é também escritor e poeta, participa no Folio até sábado, a convite da autarquia de Óbidos.

A 5.ª edição do festival abriu hoje portas na vila onde, durante 11 dias, decorrerão mais de 210 iniciativas em 450 horas de programação, para refletir sobre “O Tempo e o Medo”.

Até ao dia 20, mais de meio milhar de convidados de quatro continentes participam nas 16 mesas de escritores, 12 exposições e 13 concertos, que compõem a programação.

Organizado em cinco capítulos (Autores, Folia, Educa, Ilustra e Folio Mais), o Festival teve a sua primeira edição em 2015, num investimento de meio milhão de euros, comparticipados por fundos comunitários, sendo desde então custeado pela autarquia e por parceiros institucionais.

Ler mais
Recomendadas

Presidente de Cabo Verde considera Moçambique referência democrática na CPLP

O Presidente cabo-verdiano defendeu que seria desejável que os resultados das eleições gerais fossem aceites por todas as forças políticas.

Polícia Judiciária: “Caso de Luís Giovani extravasou a investigação criminal e gerou alarme social”

A PJ disse esta sexta-feira que a investigação continua, apesar dos cinco detidos. O jovem cabo-verdiano, que estudava em Bragança, faleceu a 31 de dezembro de 2019 vítima de agressões físicas. “Isto não se trata de um crime de um país ou de outro ou de raças. Algumas das notícias minoritárias que foram veiculadas não têm qualquer fundamento”, assegurou Luís Neves.

Cabo Verde Telecom afirma que tem planos para o 5G ainda em 2020

O ‘chairman’ da operadora de telecomunicações cabo-verdiana afirma que a rede 4G chega a cerca de 40% da população do arquipélago, com uma velocidade “muito forte”.
Comentários