Presidente e primeiro-ministro reuniram-se em Lagos

Da reunião, que aconteceu pela primeira vez na cidade algarvia, resultou a promulgação de três diplomas e a divulgação de uma mensagem de solidariedade com os brasileiros pelos fogos na Amazónia.

O Presidente da República e o primeiro-ministro estiveram reunidos durante cerca de duas horas no habitual encontro das quintas-feiras, realizado, pela primeira vez, na cidade algarvia de Lagos.

No final da reunião, que teve início pouco depois das 18h00 no edifício histórico do Mercados dos Escravos, tanto Marcelo Rebelo de Sousa como António Costa escusaram-se a prestar declarações aos muitos jornalistas que aos aguardavam, tendo o presidente remetido “algumas informações” para o sítio oficial da Presidência.

Poucos minutos depois, a página da internet do Palácio de Belém anunciava a promulgação de três diplomas e divulgava uma mensagem de solidariedade com o Estado e o povo brasileiros pelos fogos na Amazónia.

António Costa foi o primeiro a deixar o edifício, tendo respondido às solicitações de muitas pessoas, na maioria turistas, que o interpelaram para tirar fotografias.

Marcelo Rebelo de Sousa saiu minutos depois, por volta das 20h30, onde era aguardado por vários transeuntes para a habitual “selfie”.

O Presidente da República visitou também a exposição Leonardo Da Vinci – O inventor – 500 anos, patente na Messe militar, edifício contíguo ao local da reunião, antes de deixar o local já perto das 21h00.

Ler mais
Recomendadas
Debate António Costa Rui Rio

Costa agita “milhares de milhões de euros” se não houver aeroporto no Montijo e Rio alerta para emigração igual à soma do Porto com Viana do Castelo

Frente a frente entre o primeiro-ministro e o líder social-democrata envolveu riscos de indemnizações à ANA, emigração em série, impostos, saúde, justiça e educação.

Do whisky aos fatos de homem. Marcas de luxo europeias podem render mil milhões de dólares a Trump

A empresa LVMH, mais conhecida pela Louis Vuitton, está particularmente vulnerável aos impostos norte-americanos propostos por Trump, uma vez que detém dois produtos de luxo: bebidas e artigos de roupa.

Portugal condena de forma “veemente” o ataque às instalações petrolíferas da Arábia Saudita

Esta segunda-feira, os mercados acordaram com uma subida de 20% do preço do petróleo depois de se saber que as instalações da Aramco, a petrolífera estatal da Arábia Saudita, foi severamente afetada por um ataque de drones levado a cabo por um grupo de Houthis, do Iémen, e que são pró-Irão.
Comentários