Presidentes dos Estados Unidos e Coreia do Sul reúnem-se em junho

Os presidentes dos Estados Unidos e da Coreia do Sul vão reunir-se em junho, em Seul, para discutir a questão nuclear norte-coreana, atualmente num impasse, anunciou a Casa Branca

Seul

Os presidentes dos Estados Unidos e da Coreia do Sul vão reunir-se em junho, em Seul, para discutir a questão nuclear norte-coreana, atualmente num impasse, anunciou a Casa Branca na quarta-feira.

Este será o segundo encontro entre os dois chefes de Estado desde o fracaso da segunda cimeira entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em fevereiro, em Hanói, no Vietname.

A visita de Trump fará parte da viagem ao Japão, onde se realiza uma cimeira do G20 nos dias 28 e 29 de junho.

Os dois líderes “vão prosseguir a coordenação estreita dos esforços para alcançar a completa e totalmente verificável desnuclearização da República Popular Democrática da Coreia”, informou a Casa Branca, sem especificar uma data.

Além da Coreia do Norte, Trump e Moon “também vão discutir formas de fortalecer a aliança EUA-Coreia do Sul e a amizade entre os dois povos”, acrescentou a Casa Branca na mesma nota.

Eleito há dois anos, Moon, que sempre defendeu o diálogo com a Coreia do Norte, foi um dos grandes responsáveis pela aproximação entre as Coreias desde o ano passado, e por um clima de desanuviamento das tensões internacionais em relação ao regime norte-coreano e que possibilitou mesmo duas cimeiras históricas entre Trump e Kim.

Aliados, Seul e Washington demonstram por vezes falta de sintonia sobre a melhor abordagem a Pyongyang. Uma divergência ilustrada no modo como a Coreia do Sul apresentou o próximo encontro entre os dois líderes.

Em comunicado, a presidência sul-coreana adiantou que os dois líderes vão debater “o estabelecimento de um regime de paz duradouro através da completa desnuclearização da península coreana”, e não apenas da Coreia do Norte.

A “desnuclearização da península coreana” foi o termo usado na declaração conjunta assinada por Trump e Kim na primeira cimeira, em junho passado, em Singapura.

Uma expressão mais vaga que se presta a interpretações, sobretudo num processo diplomático entre Washington e Pyongyang que ficou marcado por um impasse nos últimos meses por causa de um desentendimento precisamente sobre o significado desse termo.

A Coreia do Norte argumentou que a desnuclearização inclui a retirada do ‘guarda-chuva’ nuclear dos EUA e das 28.500 tropas norte-americanas estacionadas na Coreia do Sul.

O anúncio foi feito uma semana depois de Pyongyang ter lançado dois mísseis de curto alcance, a segunda operação militar em menos de uma semana e a primeira vez em no último ano e meio.

A segunda cimeira entre o presidente dos EUA e o líder norte-coreano acabou bruscamente em Hanói devido à incapacidade de ambas as partes acertarem as concessões que Pyongyang teria que fazer em troca do levantamento das sanções internacionais.

Ler mais
Recomendadas

Autor de mensagem colocada numa garrafa e atirada ao mar há 50 anos foi encontrado

A garrafa foi atirada ao mar quando o inglês Paul Gilmore tinha 13 anos e estava a bordo de um cruzeiro na Austrália.

Centro de Língua Portuguesa Camões inaugurado amanhã em Mindelo

O centro de língua portuguesa localizado em Cabo Verde integra uma rede de mais de 70, presentes em 43 países, e é financiado pelo Instituto Camões.

KLM alvo de críticas por pedir a mulher que amamentava bebé para se tapar

A KLM está a sofrer uma verdadeira ‘turbulência’ devido a este episódio. Em resposta às criticas, a companhia aérea sublinhou que a amamentação é permitida nos seus voos mas que caso algum passageiro se sinta ofendido os membros da tripulação têm o dever de pedir à mãe que se tape.
Comentários