Presidentes dos Estados Unidos e Coreia do Sul reúnem-se em junho

Os presidentes dos Estados Unidos e da Coreia do Sul vão reunir-se em junho, em Seul, para discutir a questão nuclear norte-coreana, atualmente num impasse, anunciou a Casa Branca

Seul

Os presidentes dos Estados Unidos e da Coreia do Sul vão reunir-se em junho, em Seul, para discutir a questão nuclear norte-coreana, atualmente num impasse, anunciou a Casa Branca na quarta-feira.

Este será o segundo encontro entre os dois chefes de Estado desde o fracaso da segunda cimeira entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em fevereiro, em Hanói, no Vietname.

A visita de Trump fará parte da viagem ao Japão, onde se realiza uma cimeira do G20 nos dias 28 e 29 de junho.

Os dois líderes “vão prosseguir a coordenação estreita dos esforços para alcançar a completa e totalmente verificável desnuclearização da República Popular Democrática da Coreia”, informou a Casa Branca, sem especificar uma data.

Além da Coreia do Norte, Trump e Moon “também vão discutir formas de fortalecer a aliança EUA-Coreia do Sul e a amizade entre os dois povos”, acrescentou a Casa Branca na mesma nota.

Eleito há dois anos, Moon, que sempre defendeu o diálogo com a Coreia do Norte, foi um dos grandes responsáveis pela aproximação entre as Coreias desde o ano passado, e por um clima de desanuviamento das tensões internacionais em relação ao regime norte-coreano e que possibilitou mesmo duas cimeiras históricas entre Trump e Kim.

Aliados, Seul e Washington demonstram por vezes falta de sintonia sobre a melhor abordagem a Pyongyang. Uma divergência ilustrada no modo como a Coreia do Sul apresentou o próximo encontro entre os dois líderes.

Em comunicado, a presidência sul-coreana adiantou que os dois líderes vão debater “o estabelecimento de um regime de paz duradouro através da completa desnuclearização da península coreana”, e não apenas da Coreia do Norte.

A “desnuclearização da península coreana” foi o termo usado na declaração conjunta assinada por Trump e Kim na primeira cimeira, em junho passado, em Singapura.

Uma expressão mais vaga que se presta a interpretações, sobretudo num processo diplomático entre Washington e Pyongyang que ficou marcado por um impasse nos últimos meses por causa de um desentendimento precisamente sobre o significado desse termo.

A Coreia do Norte argumentou que a desnuclearização inclui a retirada do ‘guarda-chuva’ nuclear dos EUA e das 28.500 tropas norte-americanas estacionadas na Coreia do Sul.

O anúncio foi feito uma semana depois de Pyongyang ter lançado dois mísseis de curto alcance, a segunda operação militar em menos de uma semana e a primeira vez em no último ano e meio.

A segunda cimeira entre o presidente dos EUA e o líder norte-coreano acabou bruscamente em Hanói devido à incapacidade de ambas as partes acertarem as concessões que Pyongyang teria que fazer em troca do levantamento das sanções internacionais.

Ler mais
Recomendadas

Rede social Snapchat vai deixar de promover mensagens de Donald Trump

A empresa da rede social Snapchat, popular entre os jovens, acusou o Presidente dos EUA de incitar à “violência racial”, anunciando que deixará de promover as mensagens da conta de Donald Trump.

Boris Johnson deixa recado a Trump: “Racismo não tem lugar nas nossas sociedades”

O racismo “não tem lugar nas nossas sociedades”, afirmou esta quarta-feira o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, numa “mensagem” dirigida ao Presidente norte-americano, Donald Trump, na sequência da morte do afro-americano George Floyd, que desencadeou uma onda de indignação global.

António Guterres: “É imperativo que o mundo seja reconstruído e redesenhado”

O secretário geral da ONU defendeu, na apresentação do próximo Fórum Económico Mundial, o reequilíbrio do investimento em ciência e tecnologia.
Comentários