Pressão dos preços leva lucro da Altri a tombar 25% para 90,7 milhões nos nove meses

“No terceiro trimestre deste ano continuou a verificar-se, tal como já vinha acontecendo, uma descida contínua do preço de venda da pasta BHKP, que, de acordo com o indicador de preço PIX, atingiu em média no mês de setembro os 764 dólares por tonelada”, adiantou a empresa.

O lucro líquido da produtora de pasta de papel Altri tombou 24,7%, em termos homólogos, para 90,71 milhões de euros, pressionado pela continuação da queda do preço da pasta. anunciou a empresa esta quinta-feira.

“No terceiro trimestre deste ano continuou a verificar-se, tal como já vinha acontecendo, uma descida contínua do preço de venda da pasta BHKP, que, de acordo com o indicador de preço PIX, atingiu em média no mês de setembro os 764 dólares por tonelada”, adiantou a empresa, em comunicado divulgado no site da CMVM.

“Com o objetivo de contrariar a degradação de preços, a Altri levou a cabo uma estratégia comercial que reduziu a sua exposição aos mercados periféricos (spot), onde o preço de venda é substancialmente inferior”, sublinhou.

O EBITDA – lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações – caiu 9,7%% para 197 milhões de euros, com a a margem EBITDA a alcançar 33,8%.

No período em análise o grupo produziu cerca de 831 mil toneladas de pasta. Neste período verificaram-se as paragens da Celbi e da Celtejo, durante 15 e 30 dias, respetivamente, explicou.

Acrescentou que o endividamento nominal remunerado deduzido de disponibilidades da Altri em 30 de setembro de 2019 ascendia a cerca de 529,6 milhões de euros, o que corresponde a um aumento de cerca de 97 milhões de euros face à dívida líquida registada no final de dezembro de 2018.

“O aumento da dívida líquida no terceiro trimestre de 2019 face ao primeiro semestre de 2019, no montante de 11,9 milhões de euros, é explicado essencialmente pelo efeito dos pagamentos por conta de impostos sobre o rendimento ocorridos no trimestre em questão”, vincou.

 

Ler mais

Recomendadas

Portugal quer garantir “corredor aéreo” para turismo britânico

No ano passado, mais de 16 milhões de turistas internacionais chegaram a Portugal, sendo que do total deste valor, 20% eram cidadãos do Reino Unido.

Costa avisa Comissão Executiva da TAP que plano de rotas “não tem credibilidade”

O primeiro-ministro afirmou hoje que a Comissão Executiva da TAP tem o dever legal de “gestão prudente” e “não tem credibilidade” um plano de rotas sem prévia informação sobre a estratégia de reabertura de fronteiras de Portugal.

Presidente do Novo Banco sobre ida ao Parlamento: “Será uma audição curiosa”

“Como nem os bónus foram pagos nem os aumentos [salariais da administração] existiram, será uma audição curiosa”, reagiu António Ramalho depois do Parlamento ter aprovado por unanimidade a sua audição.
Comentários