Prestações de crédito em atraso? Conheça o PERSI e evite tribunais

O Procedimento Extrajudicial de Regularização de Situações de Incumprimento pretende ajudar as entidades credoras e os clientes a chegarem a um acordo e, assim, evitar que o caso seja encaminhado para tribunal. Descubra tudo sobre o tema neste artigo.

DR

Já ouviu falar do PERSI (Procedimento Extrajudicial de Regularização de Situações de Incumprimento)? Trata-se de um acordo que pretende ajudar entidade credora e cliente bancário a chegarem a um acordo, no caso de haver atraso no pagamento das prestações de crédito e, consequentemente, situação de incumprimento.

O propósito maior do PERSI é evitar que cliente e instituição bancária tenham de encaminhar o caso para tribunal, evitando burocracias garantindo assim uma maior agilidade no processo de renegociação do crédito.

Embora seja da competência da instituição credora dar início a este processo, pode ser o cliente bancário a solicitá-lo. Caso não seja, será informado pelo banco de que o processo está em curso até 5 dias após o seu início.

 

Como é que a instituição de crédito dá início ao PERSI?

Segundo a informação disponibilizada no Banco de Portugal, é à entidade credora que compete iniciar o PERSI, e é obrigada a fazê-lo:

  • Assim que o cliente o solicitar;
  • Entre o 31º e o 60º dia após o cliente entrar em situação de incumprimento;
  • Assim que o cliente se atrasar no pagamento das prestações, caso tenha já alertado a instituição para o risco de incumprimento.

Por exemplo: a Diana e o Filipe são casados e estão ainda a reembolsar o crédito que um determinado banco lhes concedeu para comprarem um carro. Entretanto o Filipe é despedido e ambos percebem que as prestações que devem ao banco são agora muito elevadas para o rendimento que terão, pelo menos, nos próximos meses.

De modo a renegociarem as prestações e prazos da dívida, dirigem-se então ao banco e pedem para dar início ao PERSI.

Já o Jaime foi menos atento: deixou de pagar as prestações do seu crédito e entrou em situação de incumprimento. O banco dá início ao PERSI, para aferir se esta é uma situação pontual. O Jaime confessa que, afinal de contas, neste momento não consegue pagar as prestações acordadas e, à semelhança da Diana e do Filipe, renegoceia com o banco o pagamento do empréstimo.

 

Como é que o PERSI pode ser útil?

No decorrer do PERSI, a instituição credora deve procurar perceber qual a capacidade de resposta financeira do cliente e, caso este tenha disponibilidade financeira para tal, preparar uma ou mais propostas de regularização do crédito, como por exemplo a consolidação do crédito num só, ou diminuição das prestações e aumento dos respetivos prazos.

As propostas devem ser apresentadas ao cliente num prazo de 30 dias. Findo este prazo, ambas as partes dispõem de 90 dias para negociação da proposta.

Se não for possível chegar a acordo, e se as partes não pretenderem prorrogar o prazo de negociação, o PERSI extingue-se automaticamente. Extingue-se também se o cliente rejeitar as propostas que forem apresentadas ou se declarar insolvência.

No caso de extinção do PERSI, a instituição bancária coloca o processo em tribunal, o qual irá ditar o modo de pagamento da dívida: penhora de bens, penhora de contas ou pagamento por parte do avalista designado no momento da assinatura do contrato de crédito.

No caso da Diana e do Filipe, por exemplo, poderiam ter de penhorar o carro. O Jaime, por sua vez, poderia ver a sua conta congelada. A solução encontrada pelo tribunal irá depender de cada caso.

No decorrer do PERSI, a entidade credora está proibida de resolver o contrato de crédito ou de vender o crédito a terceiros.

O cliente bancário beneficia do facto de, ao longo do processo, a entidade credora não poder agir judicialmente contra si. Não pode também cobrar qualquer comissão pelo processo – apenas pode cobrar encargos que tenha a nível de conservatórias ou cartórios notariais, por exemplo.

Este procedimento revela-se vantajoso também para as instituições financeiras, garantindo (quase) sempre que o pagamento do crédito é devidamente regularizado. Apesar de não poderem cobrar comissões associadas ao PERSI, podem encarregar os clientes do pagamento de serviços que se vejam obrigadas a contratar a terceiros.

Ler mais
Relacionadas

Em que situações deve pedir insolvência pessoal?

Acarretando consequências que alteram a sua vida a nível pessoal, económico e financeiro, o pedido de insolvência pessoal deve ser pensado de forma consciente e informada antes de tomar qualquer decisão. Saiba tudo sobre o tema neste artigo.

Vai ser fiador de um empréstimo? Saiba como evitar um desastre financeiro

A figura jurídica do fiador, requisitada muitas vezes pelas instituições financeiras para crédito pessoal, automóvel e à habitação, acarreta, como expectável, mais deveres do que direitos. Isto porque, caso o devedor não pague a dívida que contraiu, ao fiador será requisitado que entre com capital, ou pior: património.

Quatro razões para refinanciar um crédito habitação

Refinanciar o crédito habitação permite reduzir a prestação mensal, alargar os prazos de pagamento e diminuir as taxas de juro através da concessão do seu imóvel como garantia de pagamento. Saiba tudo sobre o tema neste artigo.
Recomendadas

Parlamento aprova a suspensão das rendas e da caducidade dos contratos de arrendamento

As alterações na legislação sobre habitação autorizam que as famílias podem suspender o pagamento da renda durante o Estado de Emergência se registarem uma quebra superior a 20% dos rendimentos do agregado familiar, face aos rendimentos do mês anterior ou do período homólogo do ano anterior.

Utiliza a aplicação Houseparty? Deco desaconselha

Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor apercebeu-se de que a “partilha de dados pessoais e a segurança pode ser melhorada”. A ‘app’ nega críticas de falta de privacidade e está a oferecer cerca de 900 mil euros a quem souber como começou a “campanha difamatória”.

Desempregado ou em lay-off? Saiba como trabalhar em instituições sociais ou de saúde para ganhar um rendimento extra

Esta medida, voluntária, é uma forma dos desempregados ou dos trabalhadores em regime de lay-off poderem ganhar um rendimento extra reforçando hospitais ou lares. Desempregados com direito a uma bolsa mensal de 438,8 euros, com os trabalhadores em regime de lay-off a terem o direito a 658,2 euros mensais.
Comentários