Primeira central offshore em Portugal resistiu a ventos de 130 quilómetros e ondas de 14 metros no primeiro ano de vida

O projeto Windfloat, localizado 20 quilómetros ao largo de Viana do Castelo, produziu eletricidade suficiente para abastecer 60 mil famílias durante um ano.

Windfloat Atlantic – EDP

A primeira central eólica marítima (offshore) em Portugal já produziu eletricidade suficiente para abastecer 60 mil famílias durante um ano, o que seria suficiente para quase abastecer, em separado, Santarém, Palmela, Figueira da Foz ou a vizinha Póvoa de Varzim.

O projeto Windfloat está a operar a 100% desde julho de 2020 e produziu um total de 75 gigawatts hora (GWh), produzindo um total de 3.800 horas no espaço de um ano.

Esta central flutuante com 25 megawatts de capacidade fica localizada 20 quilómetros a oeste de Viana de Castelo, onde o mar atinge profundidades de 100 metros.

No primeiro ano, enfrentou (e resistiu a) rajadas de vento de 130 quilómetros/hora e ondas com 14 metros. Por razões de segurança, os três aerogeradores param automaticamente quando as rajadas de vento atingem os 90 quilómetros/hora.

Esta central é detida pelo consórcio Windplus, controlada pela Ocean Winds (85,1%), sociedade detida pela EDP Renováveis e os franceses da Engie; os espanhóis da Repsol (13,6%); e a Principle Power (mais de 1%), empresa participada pelo grupo EDP.

Segundo o consórcio, a central comportou-se dentro do previsto no seu primeiro ano de vida, afirmou o diretor do projeto, José Pinheiro, durante uma visita à Windfloat esta terça-feira, 24 de agosto.

“Mostrámos que é possível explorar vento em locais que seriam inacessíveis”, afirmou este responsável a bordo da embarcação que levou um grupo de jornalistas a visitar o projeto.

O Windfloat atingiu vários marcos ao longo do seu primeiro ano de vida: esteve quatro dias consecutivos a produzir eletricidade em agosto deste ano, o máximo atingido até ao momento; junho de 2021 foi o mês com maior produção até agora, 8,6 gigawatts hora, produzindo durante 48% do tempo disponível, superando a média de cerca de 30% atingida pela eólica em terra.

O único percalço de assinalar sofrido foi um problema no cabo submarino que impediu que a eletricidade chegasse a terra durante quatro meses. Mesmo assim, a meta de produção prevista foi atingida pelo projeto, segundo este responsável.

O facto de ser flutuante é essencial para conseguir instalar esta central nestas águas profundas. As centrais offshore convencionais são fixadas ao fundo do mar, a uma profundidade máxima de 60 metros, como no Mar do Norte, onde a costa é menos profunda.

Relacionadas

Ocean Winds fica com 85% da única central eólica offshore em Portugal

A EDP e a Engie vão passar a controlar a totalidade da sociedade que detém o projeto Windfloat Atlantic, que produz eletricidade 20 quilómetros ao largo de Viana do Castelo. Autoridade da Concorrência está a analisar a operação.

Leilões para a energia eólica offshore em Portugal? EDP admite analisar

A companhia já conta com uma central eólica marítima flutuante na costa portuguesa, com 25 megawatts, o único projeto deste tipo em Portugal. Miguel Stilwell de Andrade admite analisar leilões se Governo avançar. A Europa conta com mais de 22 gigawatts instalados nas costas de vários países.

Mais altas do que a ponte 25 de abril. EDP Renováveis instala as maiores torres eólicas da Península Ibérica

Localizadas na comunidade espanhola de Leão e Castela, cada torre conta com 200 metros de altura e uma potência superior a três megawatts. Em Espanha, são a quinta estrutura mais alta do país.
Recomendadas

5G: Nowo já pediu estabelecimento de acordos de ‘roaming’

De acordo com o regulamento, os operadores vão ter de chegar a acordo entre eles e têm 45 dias para o fazer, caso tal não aconteça podem recorrer à Anacom para arbitrar o processo.

Grupo FNAC investe 300 mil euros e abre primeira loja de bem-estar e sustentabilidade em Portugal

A insígnia abrange aromaterapia, chás e infusões, entre outros. “Pretende inspirar a fazer essa mudança. Traz consigo o propósito de criar um mundo melhor, apelando a um modo de vida mais consciente, mais próximo da natureza, com foco no bem-estar e no respeito pelo planeta”, garante ao JE o diretor geral, Nuno Luz.

CEO da Apple assinou “acordo secreto” de 275 mil milhões de dólares com oficiais chineses para continuar a operar no país

Em 2016, os executivos da Apple ficaram alarmados com as ameaças do governo chinês contra recursos como Apple Pay, iCloud e App Store, o que levou Cook a realizar uma série de reuniões secretas com autoridades de Pequim.
Comentários