Primeira Lei de Bases da Habitação entra em vigor a 1 de outubro

A lei resulta de meses de trabalhos, reuniões e audições parlamentares e foi promulgada pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que manifestou “dúvidas” quanto à “concretização das elevadas expectativas suscitadas”. Diploma estabelece que “todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que preserve a intimidade pessoal e a privacidade familiar”.

O diploma que estabelece a primeira Lei de Bases da Habitação foi esta terça-feira publicado em Diário da República e vai entrar em vigor a partir de 1 de outubro. A lei resulta de meses de trabalhos, reuniões e audições parlamentares e foi promulgada pelo presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que manifestou “dúvidas” quanto à “concretização das elevadas expectativas suscitadas”.

O diploma estabelece que o “Estado é o garante do direito à habitação” e que “todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que preserve a intimidade pessoal e a privacidade familiar”.

Diz que “os imóveis ou frações habitacionais detidos por entidades públicas ou privadas participam, de acordo com a lei, na prossecução do objetivo nacional de garantir a todos o direito a uma habitação condigna”, conferindo assim uma função social à habitação. No diploma, fica também garantida a proteção no despejo e a criação de políticas de erradicação dos sem-abrigo.

A nova lei determina ainda a criação do Programa Nacional de Habitação e da Carta Municipal de Habitação e inclui a proposta do Bloco de Esquerda (BE) de a entrega da casa às instituições bancárias poder extinguir a dívida no crédito à habitação. O Estado vai ainda ter a possibilidade de acelerar os processos judiciais de heranças indivisas que incluam bens imóveis com aptidão habitacional.

O primeiro-ministro, António Costa, considerou a aprovação da primeira Lei de Bases da Habitação como “uma das marcas fundamentais desta legislatura”. “Uma das marcas fundamentais desta legislatura é ter assumido que o país precisava de uma nova geração de políticas públicas de habitação. Isso culmina com a existência e aprovação da Lei de Bases da Habitação”, afirmou.

O PS acusou ainda o PSD e CDS de terem chumbado, por “preconceito ideológico”, a primeira Lei de Bases da Habitação, que vai servir de base para todas as políticas de habitação no futuro.

António Costa disse ainda que a Lei de Bases da Habitação dá uma melhor resposta aos portugueses que veem em Portugal o seu futuro, assegurando que têm “acesso ao arrendamento de casas condignas”. “A liberalização do mercado de arrendamento, como a Europa já viu há muitos anos não torna o arrendamento mais acessível, mas sim mais especulativo”, defendeu António Costa.

Já Marcelo Rebelo de Sousa promulgou a lei manifestando “dúvidas”, entre elas a concretização de expectativas e a “excessiva especificação para uma lei de bases, atendendo ao seu significado simbólico volvidas décadas de regime democrático”.

Ler mais
Recomendadas

CGTP avisa Governo para não subestimar os sindicatos

Arménio Carlos afirmou que no dia 1 de outubro, a poucos dias das eleições, haverá forte contestação à entrada em vigor das alterações à lei laboral.

António Costa reconhece negociações difíceis para novo Quadro Comunitário de Apoio

O primeiro-ministro alerta que está em curso na União Europeia a criação de um instrumento de orçamento para a convergência e competitividade que deverá ter um bolo de cerca de 22 mil milhões de euros, a que Portugal tem condições especiais para se candidatar.

António Costa já tem parecer da PGR sobre contratos com empresas de familiares de governantes

Primeiro-ministro já tem em mãos parecer da PGR sobre contratos do Estado com empresas de familiares de governantes.
Comentários