Primeiro de dois novos navios da CV Interilhas chega em junho

A CV Interilhas acrescenta que, além da chegada do navio ao arquipélago no próximo mês, o mesmo foi batizado com o nome da artista, em homenagem a Epifania de Freitas Silva Ramos Évora (1919–2014).

O primeiro de dois navios com que a CV Interilhas, concessionária do transporte marítimo em Cabo Verde, liderada pelo grupo português ETE, pretende reforçar a frota chega em junho e homenageia a pianista cabo-verdiana “Dona Tututa”.

Em comunicado, a CV Interilhas acrescenta que, além da chegada do navio ao arquipélago no próximo mês, o mesmo foi batizado com o nome da artista, em homenagem a Epifania de Freitas Silva Ramos Évora (1919–2014), conhecida como “Dona Tututa”, enquanto “grande pianista e compositora cabo-verdiana”, recordando que “desafiou a cultura através da combinação da sua formação em música clássica com a música cabo-verdiana”.

Foi ainda “impulsionadora da igualdade de género dos cidadãos artistas de Cabo Verde”, com a empresa a explicar que com a escolha do seu nome para o novo navio da frota “manteve-se presente aquele que é o compromisso” da empresa CV Interilhas, de “aproximar os cabo-verdianos” e “manter presente a identidade” do país.

“Algo que a empresa reforça, naquela que é também a sua missão: construir um sistema de transporte marítimo interilhas, sólido, com navios seguros e fiáveis, proporcionando a cada vez mais notória, coesão territorial”, referiu.

A nota acrescenta que o novo navio está no estaleiro português Navaltagus (grupo ETE), já em fase de conclusão do processo de remodelação, para seguir viagem para Cabo Verde, onde é esperado em junho.

Jorge Maurício, vice-presidente do grupo ETE – Cabo Verde, que através da Transinsular (51%), lidera a CV Interilhas, explicou, em entrevista à Lusa, em abril, que depois da aquisição do navio “Chiquinho BL” — afretado pelo grupo à empresa cabo-verdiana e que entrou ao serviço em fevereiro de 2020, este novo navio será o primeiro propriedade da concessionária, representando um investimento “à volta de quatro milhões de euros”.

“Em menos de dois anos já vamos no segundo navio, a chegar nas próximas semanas. E até ao final do ano ainda pensamos trazer mais um navio para construirmos uma frota de navios adequada para Cabo Verde”, explicou o administrador.

Desde agosto de 2019 que a CV Interilhas detém a concessão, por 20 anos, do transporte marítimo de passageiros e mercadorias entre as nove ilhas habitadas do arquipélago, tendo recorrido inicialmente a navios de armadores locais (acionistas da empresa, 49%), que antes asseguravam de forma isolada as ligações entre as ilhas.

O novo navio, de 69 metros de comprimento, com capacidade para mais de 200 passageiros e 43 viaturas ou 11 atrelados de 15 metros, está a ser preparado para, depois de certificado pela autoridade marítima cabo-verdiana, iniciar as ligações da rota entre as ilhas de São Vicente, São Nicolau, Sal, Boavista e Santiago.

Vai melhorar a acomodação de passageiros e das tripulações – com capacidade para 16 tripulantes -, permitindo “mais tempo útil de navegação”, de até 24 horas seguidas, reduzindo igualmente o tempo de escala em porto.

Antes de adquirido pela CV Interilhas, navegava entre as diversas ilhas das Bahamas e da Florida (Estados Unidos da América).

“Os primeiros navios foram afretados porque começamos do zero. O novo navio já será próprio, um ativo da CV Interilhas, para permitir à empresa começar a construir o seu património”, explicou o administrador.

O terceiro navio da frota que a CV Interilhas está a organizar será adquirido no segundo semestre deste ano e terá capacidade para transportar 300 a 350 passageiros e 70 viaturas, acrescentou Jorge Maurício.

“Nós começamos do zero, nós tivemos de utilizar as embarcações que existiam em Cabo Verde, em regime de afretamento. Comprar um navio não é como comprar um carro ou uma moto, é um processo longo e complexo”, sublinhou, garantindo que o objetivo é ter uma frota própria de cinco navios “e eventualmente mais um”, de alternativa.

Mas todos com capacidade para operar nos nove portos do país, contrariamente à realidade atual e herdada pela empresa no início da concessão.

“Na verdade, nós não estamos a renovar, estamos a construir a nossa frota (…) com navios robustos para o mar de cabo Verde”, concluiu Jorge Maurício.

Recomendadas

Cimeira da CPLP em Luanda vai realizar-se de forma presencial

Angola assumirá oficialmente a presidência da CPLP durante a cimeira de chefes de Estado e de Governo agendada para 16 e 17 de julho, em Luanda, sucedendo a Cabo Verde, que teve o seu mandato prolongado por mais um ano devido à pandemia da covid-19.

Instituições financeiras mundiais prometem 66 mil milhões para África até 2025

Além das DFI dos países do G7, também o BAD, o Banco Europeu para a Reconstrução e Desenvolvimento e o BEI fazem parte deste grupo de entidades financeiras cuja principal vocação é financiar projetos que conduzam ao desenvolvimento dos países onde são lançados.

Portucalense atribui ‘honoris causa’ ao presidente de Cabo Verde

Jorge Carlos de Almeida Fonseca vai ser distinguido esta semana com o título da universidade, depois de a instituição considerar a sua intervenção exemplar aos mais diversos níveis.
Comentários