Primeiro-ministro do Canadá diz que avião ucraniano foi “abatido por um míssil iraniano”

As provas “indicam que o avião foi abatido por um míssil iraniano”, afirmou Justin Trudeau, sobre o voo que vitimou 176 pessoas em Teerão.

Michael Reynolds / EPA

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, veio a público na quinta-feira afirmar que o avião ucraniano que caiu no Irão, matando os 176 passageiros na quarta-feira, foi derrubado por um míssil iraniano. Trudeau disse que o seu governo dispõe de informações sobre as evidências que “indicam que o avião foi abatido por um míssil iraniano terra-ar”.

Em conferência, o político canadiano disse, contudo, que a ação que levou à queda do voo 752 da Ukranian International Airlines “pode não ter sido internacional”. O Boeing 737 tinha descolado de Teerão e rumava a Kiev, capital da Ucrânia, acabando por se despenhar dois minutos depois da descolagem, matando as 176 pessoas (passageiros e tripulantes) que estavam a bordo, a maioria de nacionalidade iraniana e canadiana.

Pelo menos 63 cidadãos canadianos estavam a bordo, bem comomo cidadãos oriundos da Ucrânia, Suécia, Afeganistão, Alemanha e Reino Unido.

Irão rejeita teoria do míssil. Investigação decorre

A queda do avião já está a ser investigada, sendo que o governo ucraniano já enviou uma equipa de 45 investigadores para estudar as causas do desastre aéreo. Entretanto, as autoridades iranianas já rejeitaram a hipótese de que a queda da aeronave tenha sido provocada por um míssil.

“Esses rumores não fazem qualquer sentido”, lê-se numa nota informativa do Ministério dos Transportes do Irão, que cita o presidente da Organização de Aviação Civil iraniana e vice-ministro dos Transportes, Ali Abedzadeh.

“Vários voos domésticos e internacionais voam ao mesmo tempo no espaço aéreo iraniano à mesma altitude de 8.000 pés, e essa história de ataque com mísseis (…) não podia estar mais incorreta”, prossegue.

Já esta sexta-feira, a agência norte-americana para a segurança dos transportes, a NTSB, anunciou que vai participar no inquérito ao acidente do avião ucraniano. A agência indicou ter recebido uma notificação das autoridades aéreas civis do Irão para averiguar sobre as causas do acidente.

Ao abrigo das regras da Organização da Aviação Civil Internacional, a NTSB, que garantiu que não “vai especular sobre as causas do acidente”, designou um representante para o inquérito à catástrofe.

A Suécia, por sua vez, pela voz do primeiro-ministro, Stefan Löfven, pediu hoje uma investigação “transparente” e “rápida”. Entre as vítimas da queda da aeronave contam-se dez cidadãos suecos.

“Concordamos que essas informações aumentam ainda mais a necessidade de uma investigação rápida, completa e transparente e que os países afetados devem ter a opção de contribuir com os especialistas e ter acesso a todos os dados”, salientou Löfven em comunicado enviado à agência sueca TT.

Löfven indicou ainda que teve uma conversa telefónica na quinta-feira à noite com o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau e o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenski e que acordaram que o contacto fosse “próximo” e “contínuo”, assim como com os restantes países afetados no acidente.

Avião regressava ao aeroporto de Teerão quando caiu

O avião ucraniano que se despenhou na quarta-feira tentava regressar ao aeroporto da capital do Irão e, de acordo com um relatório preliminar da investigação iraniana, a tripulação do Boeing 737 não pediu ajuda via rádio.

As primeiras indicações disponibilizadas pelas autoridades iranianas apontaram para a existência de problemas mecânicos na origem da queda do avião. O acidente ocorreu horas depois do lançamento de mísseis iranianos contra duas bases da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, em Ain Assad e Erbil, no Iraque, numa operação de retaliação pela morte do general iraniano Qassem Soleimani.

 

Ler mais
Recomendadas

Líbia anuncia levantamento das restrições à produção de petróleo

Depois de reduzir a produção de crude em 90% desde janeiro, fruto de um conflito entre os dois governos que reclamam autoridade no país, as duas fações anunciaram um acordo para retomar os níveis normais de produção, que contrasta com a posição da maioria dos exportadores de petróleo.

Moderna quer produzir 20 milhões de doses da vacina contra o Covid-19 até ao final de 2020

Atualmente, não há vacinas contra o Covid-19 aprovadas pelos reguladores dos EUA, embora algumas já se encontrem na fase final de testes para provar que são seguras e eficazes.

Israel: acordos diplomáticos não favorecem Netanyahu

Apesar do aparato, o acordo entre Israel, Emiratos Árabes Unidos e Bahrein não está a alavancar o primeiro-ministro, que continua a arriscar eleições antecipadas. O ‘colega’ de coligação, Benjamin Guntz, está ainda pior.
Comentários